Sutra do Nirvana – TOMO I – A Cena do Mahaparinirvana

“Oh Manjushri! Todos vocês! Disseminem o Grande Dharma em meio às quatro classes de pessoas. Eu agora confio este sutra a vocês. Igualmente, quando Mahakashyapa e Ananda chegarem, confiem-lhes o Dharma Maravilhoso também.” – Buda Shakyamuni ao deixar seu corpo transformado.

Sutra do Nirvana

Click na imagem para download.

Primeiro de 4 (quatro) Volumes.

A Embriaguez das Ilusões

“Uma pessoa intoxicada não sabe quem está próximo ou não, se sua mãe ou irmã, se perde na rudeza e na luxúria, perde a faculdade da fala e dorme em lugares degradados. Pode acontecer de ela encontrar um bom médico, que lhe dê um remédio. Após tomá-lo, ela vomita e recupera a sua saúde; recobra a consciência e o arrependimento se abate sobre ela. Ela se autocensura muito mais e passa a reputar a bebida como a raiz de todos os atos vis. Se ela pudesse livrar-se da bebida, seus maus atos cessariam. O mesmo se passa aqui. Oh Honrado pelo Mundo! Há longo tempo estamos reciclando entre o nascimento e a morte. Estamos perdidos nos prazeres sensuais e vorazmente atados aos cinco desejos. Aquela que não é mãe tomamos como mãe, aquela que não é irmã tomamos como irmã, a que não é fêmea tomamos como fêmea, e os não-seres como sendo seres. Em razão disto, a transmigração continua e sofremos a partir do nascimento e da morte. É como no caso do intoxicado deitado na sarjeta. Oh Tathagata! Por favor, dê-nos o remédio do Dharma, e faça-nos vomitar a bebida vil das ilusões.”

Sutra do Nirvana – TOMO I, Capítulo 3: Sobre a Aflição.

O Corpo Transformado

Então, o Buda disse a Cunda: “Não chore e não abale a sua mente. Pense que este corpo é como uma planta, uma miragem no deserto, uma espuma aquosa, um fantasma, um corpo transformado, o castelo de um gandharva, um tijolo cru, um lampejo, uma pintura desenhada sobre a água, um prisioneiro diante da morte, uma fruta madura, um pedaço de carne, uma malha num tear que está prestes a terminar, e a ascensão e queda de um morteiro. Você deveria pensar que todas as coisas criadas são como comida venenosa e que qualquer coisa composta é inerentemente dotada de todas as aflições.”

Sutra do Nirvana – TOMO I, Capítulo 2: Sobre Cunda.

A Outra Margem do Ser

“Ninguém que tenha sabedoria
encontra prazer num lugar como este.
Este corpo carnal é onde o sofrimento se instala.
Tudo é impuro, como tumores,
carbúnculos, furúnculos e semelhantes.
Nenhuma razão está por baixo.
E o mesmo se aplica àqueles (seres) celestiais sentados acima.
Todos os desejos não terminam.

Assim, eu não me apego.
Descartados os desejos, medite bem,
atinge-se o Dharma Maravilhoso,
e aquele que, definitivamente, eliminou o ‘ser’ (existência samsarica),
pode hoje ganhar o Nirvana.
Eu transpassei para a outra margem do ‘ser’,
e permaneço acima de todas as tristezas.
Assim, eu colho este soberbo Êxtase”.

Sutra do Nirvana – TOMO I, Capítulo 2: Sobre Cunda.

%d blogueiros gostam disto: