PI e o Pé de Feijão – Episódio 1

Em ‘PI e o Pé de Feijão – Episódio 1’

(*) Hum! Parece que há uma Lei atuando sobre os 5 elementos. A entidade é individualizada por um tipo de harmonia entre os elementos, estabelecida pela Lei. A manifestação da Lei na entidade, entretanto, lhe dá uma natureza inerente única.

Isto significa que na formação da entidade, a Lei não apenas atua sobre os elementos, mas funde-se com eles nessa formação. Gente, que Lei é essa?

Muito provavelmente é o Carma. E isso é um ponto crucial neste livro. Por quê? Porque IZ (o Interlocutor Zen) e PI (o Principiante Incauto) não são feitos daqueles cinco elementos (terra, água, fogo, ar e kuu), são ideogramas. A tinta e o papel, que aqui podemos chamar de veículos, é que são feitos daqueles elementos, e utilizados para lhes atribuir uma expressão material. Este é o profundo significado da Prajna Literária (os sutras), sobre a qual já falamos, e que o Buda nos concede através de meios habilidosos, mas que constitui apenas um aspecto da Grande Sabedoria.

O Cristalino

Na verdade, aqueles cinco elementos constituem impurezas num estágio superior, pois seus microconstituintes, moléculas – átomos – partículas elementares, já o são num grau mais fundamental, a partir das quais se descrevem todos os fenômenos do universo conhecido. Há uma analogia que considero muito pertinente no modelo do cristalino. Naquele modelo, as assim chamadas impurezas estão para além da ideia de partículas elementares, abrangendo também distorções no espaço-tempo, discordâncias, e tudo que possa representar a quebra da simetria fundamental. A síntese dessas ideias pode ser vista no tópico chamado O Universo de Defeitos em Cristais desenvolvido no Cristalino. Entretanto, não é propósito deste livro sequer suscitar uma discussão mais aprofundada sobre isso.

O Ensino do Sutra de Lótus

No ensino do Lótus, esses cinco elementos constituem o lodo do qual emerge o Lótus Imaculado. Isto é uma metáfora, um meio hábil utilizado pelo Buda para expor a Via. No contexto desse ensino cabe perfeitamente a história da Vida do Buda, também consumada em um livro, que conta a saga do Príncipe Siddhartha Gautama, filho do Rei Suddhodana e da Rainha Maia, em busca da Grande Sabedoria e que, ao atingi-la, torna-se o Buda histórico Todo-Iluminado. Não há razões e nem espaço para dúvidas quanto à legitimidade (entenda-se como conformidade com o Dharma Maravilhoso) desse ensinamento, o qual é reputado por muitos como o mais elevado de todos os ensinos. E como um endosso, gostaria de citar, abaixo, uma passagem do Sutra de Lótus:

“Kashyapa, saiba que o Tathagata é o Rei de todas as Leis. Nada daquilo que ele ensina é falso. Ele proclama extensivamente todas as Leis através da sabedoria e dos meios hábeis, e quaisquer que sejam as Leis que ele prega, todas elas conduzem à mais profunda de todas as sabedorias.”

Sutra de Lótus – Capítulo 5 – Ervas Medicinais.

O Ensino do Grande Nirvana

No ensino do Grande Nirvana, esses cinco elementos constituem o Grande Veículo do Bodhisattva, o qual, através da prática das Ações Puras, atinge o Insuperável Bodhi. Naquele ensino, o Buda expõe o Supramundano, que está para além das marcas do ´é´ e do ´não-é´ do mundo secular. Lá, bem como já ocorrera no ensino essencial do Sutra de Lótus, o Buda descarta os meios hábeis dos ensinos provisórios e prega a Paramartha-satya (ou Realidade Última).

Você pergunta que Lei é essa, PI? Vamos chamá-la de Lei do Carma.

Selo Comemorativo

United Kingdom, Daventry – Northamptonshire

Nesses lugares há pessoas que visitam Cristal Perfeito. Faça-lhes uma visita de cortesia!

Click na imagem e arraste.

Se for da sua vontade, click no botão abaixo e diga:

.

Thomas Young

English: Portrait of Dr. Thomas Young (1773 – ...

Retrato do Dr. Thomas Young (1773 – 1829). A biografia de Young escrita por Robinson diz (na pág. 233) que o retrato foi pintado após 1822. Young morreu em 1829. (Foto via Wikipedia)

Thomas Young nasceu em 1773, sendo o primogênito de uma família de dez irmãos. Aos quatorze anos de idade já dominava idiomas como o grego e o latin, e estava familiarizado com francês, italiano, hebreu, alemão, árabe, persa, turco e outros idiomas.

Young começou estudar medicina em Londres em 1792, mudou-se para Edinburgo em 1794, e um ano mais tarde foi para Göttingen, Alemanha, onde obteve o grau de doutor em Física em 1796. Em 1797 ele entrou para o Emmanuel College,  em Cambridge. Naquele mesmo ano ele herdaria a propriedade de seu tio-avô, Richard Brocklesby, o que o tornaria independente financeiramente, e em 1799 estabeleceu-se como médico em Londres. Muitos dos seus primeiros trabalhos acadêmicos, Young publicou anonimamente para preservar a sua reputação como um médico.

Em 1801 Young foi nomeado professor de Filosofia da Natureza (com ênfase para a Física) na Royal Institution. Em dois anos ele proferiu 91 palestras. Em 1802 ele foi nomeado Secretário de Relações Exteriores da Royal Society, da qual ele havia sido eleito membro em 1794. Ele renunciou ao seu cargo de professor em 1803, temendo que suas atribuições interferissem em seu exercício da medicina. Suas palestras foram publicadas em 1807 no Curso de Palestras sobre Filosofia da Natureza, as quais contavam com antecipações de suas futuras teorias.

Em 1811 Young tornou-se médico do St. George’s Hospital, e em 1814 ele participou de um comitê nomeado para estudar os perigos envolvidos na introdução geral de gás (para iluminação) em Londres. Em 1816 ele foi secretário de uma comissão encarregada de determinar o comprimento preciso de um pêndulo cujo período fosse exatamente 2 (dois) segundos, e em 181 tornou-se secretário do Board of Longitude e superintendente do HM Nautical Almanac Office.

Em 1827, Young foi escolhido um dos oito colaboradores estrangeiros da French Academy of Sciences. Em 1828, ele foi eleito membro estrangeiro da Royal Swedish Academy of Sciences.

Thomas Young morreu em Londres em 10 de Maio de 1829.

O Legado de Young

Durante séculos, os problemas relacionados com a visão das cores não encontraram mais que soluções e interpretações puramente empíricas. Foi somente por volta de 1801 que o físico e médico inglês Thomas Young formulou, em termos de hipótese, a primeira explicação científica para a sensibilidade do olho humano às cores. Cerca de cinqüenta anos mais tarde, Hermann von Helmholtz, físico e fisiologista alemão, se encarregaria de desenvolver essa hipótese e convertê-la em teoria, que se tomou universalmente aceita.

Segundo a teoria de Young-Helmholtz, a retina possui três espécies de células sensíveis – os cones. Cada uma delas seria responsável pela percepção de uma dada região do espectro luminoso. Essas três regiões seriam o vermelho, o verde e o azul. Estas seriam as cores primárias, que, por combinações, originariam todos os outros tons cromáticos.

Embora a teoria de Young-Helmholtz tenha sido violentamente contestada pelo fisiologista Ewald Hering, em 1872, e, mais tarde, pelos psicólogos L. Hurvich e D. Jameson, ela se ajusta, ainda hoje, aos fenômenos observados.

Youngdescobriu também que o cristalino do olho muda de forma para permitir a localização de objetos situados a diferentes distâncias. Mais tarde, identificaria a causa do astigmatismo: uma irregularidade na curvatura da córnea.

Apesar de ter abandonado a profissão de médico para se dedicar à Física, todo o seu conhecimento sobre o corpo humano viria a ser-lhe permanentemente útil. Com ele, Young conseguiria identificar diversos elos entre os fenômenos luminosos e a visão humana.

Em 1803, Young realizou uma experiência demonstrando que a luz possuía natureza ondulatória. Fez a luz passar por uma abertura estreita e constatou que, num anteparo instalado do outro lado, não surgia simplesmente uma linha nítida, mas sim um conjunto de faixas luminosas de diferentes intensidades. Isso mostrava que a luz sofria difração, tal como ocorria com as ondas sonoras ou as de um lago. Se ela fosse constituída de partículas, esse comportamento seria impossível.

Não contente, porém, Young desenvolveu outro experimento para confirmar seu resultado: fez passar dois feixes de luz por orifícios separados. Ao incidirem sobre um anteparo, resultaram num desenho que apresentava áreas claras entremeadas com outras totalmente escuras. Estas últimas só podiam ser causadas pela interferência de ondas.

Apesar dessas evidências, tais demonstrações foram consideradas insuficientes, por muito tempo, na Inglaterra, até serem complementadas, mais tarde, pelo trabalho de outros pesquisadores europeus.

Em 1807, Young utilizou pela primeira vez a palavra energia com o significado que tem hoje na Física: é a capacidade que um sistema possui de realizar trabalho; no caso de um sistema em movimento, ela é também diretamente proporcional ao produto entre a massa e o quadrado da velocidade, ou seja:

E α mv2,

onde substituído o símbolo de proporcionalidade (α) pela igualdade (=), e a velocidade genérica (v) pela velocidade da luz no vácuo (c), temos:

E= mc2,

que Einstein introduziria na Mecânica Relativista 100 anos depois.

A curiosidade de Young o levou até mesmo a tentar decifrar a antiga escrita egípcia. (Chegou a alguns resultados de fato corretos, embora só o lingüista francês Champollion, alguns anos depois, conseguisse dar conta de tarefa tão complexa). Tal trabalho, porém, não deve ter-lhe parecido estranho: em sua vida, Young estudara mais de dez idiomas e com apenas dois anos de idade aprendera a ler em sua língua materna.

Pierre e Marie Curie

Marie, Pierre and Irene Curie Deutsch: Marie, ...

Marie, Pierre and Irene Curie Deutsch: Marie, Pierre und Irene Curie (Photo credit: Wikipedia)

No ano de 1878, no pequeno laboratório de Schutzenberger, na Escola Municipal de Paris, nascia a precursora da física do estado sólido. Era o resultado de uma longa série de pesquisas levadas a cabo por Pierre Curie e seu irmão Jacques. Certos cristais como o quartzo, por exemplo, têm a propriedade de converter tensões mecânicas em impulsos elétricos e vice-versa: às alterações de um campo elétrico respondem com vibrações. A descoberta da piezeletricidade não encerrou os trabalhos de Pierre. Continuando os seus estudos sobre o estado cristalino, determinou a temperatura acima da qual as substâncias perdem as propriedades ferromagnéticas: o ponto de Curie.

Homem esquivo, Pierre vivia exclusivamente em função da física, dedicando à pesquisa todo o seu tempo. Essa situação mudou, porém, quando conheceu uma jovem polonesa – Marja Sklodowska – que, em 1891, com apenas 24 anos, havia deixado sua cidade natal – Varsóvia – e procurado em Paris um clima mais compatível com sua inteligência e seus ideais científicos. Apesar de uma série de fatores adversos que tivera de enfrentar, matriculara-se na Sorbonne.

Entre Pierre e Marja – agora Marie – as afinidades eram perfeitas, tanto sob o aspecto social, como do ponto de vista científico.

Marie, ao lado do homem, via também um físico eminente a quem poderia pedir opinião. Pierre, por sua vez, reconhecia a inteligência de Sklodowska, seu raciocínio rigoroso e, principalmente, uma acentuada vocação para a pesquisa. Nessa altura Pierre já havia conquistado certo renome científico, tanto na França como no exterior. Marie era apenas uma estudante de física e matemática. Mas, entre os dois, desenvolveu-se uma amizade profunda, consolidada um ano depois com o casamento. Nesse mesmo ano, 1895, Pierre defendia sua tese de doutoramento sobre magnetismo a temperaturas variáveis.

Casada, Marie Curie passou a cuidar do lar, não se descuidando todavia de suas pesquisas. Em 1897 nascia lrène, futuro Prêmio Nobel de Química.

Marie publicava os resultados de suas primeiras pesquisas e preparava sua tese de doutoramento. Foi atraída pelos trabalhos de Becquerel que, dois anos antes, descobrira que um minério de urânio colocado sobre uma chapa fotográfica envolta em papel preto, produzia uma impressão análoga à que poderia produzir a luz. Becquerel percebeu que essa impressão era devida a uma radiação que atravessava o papel. Essa propriedade não dependia de uma insolação preliminar e persistia quando o minério era conservado no escuro durante meses. Mas de onde provinha a energia emitida em forma de radiação pelos minerais de urânio?

Hangar

Hangar da Escola de Física e Química

Instalando num lugar úmido da Escola de Física e Química uma câmara de ionização e alguns instrumentos de detecção criados por Pierre, o casal procurou a resposta. Por meio de um eletrômetro conseguiram medir tais radiações, afirmando que elas eram uma propriedade atômica do elemento urânio. Sua intensidade era proporcional à quantidade de urânio presente na substância, não dependendo do estado de combinação química, nem de circunstâncias exteriores.

O casal Pierre-Marie foi mais além: o urânio não era o único elemento que apresentava tal propriedade. Os sais de tório emitiam radiações análogas.

Como resultado de todo esse longo trabalho, iniciado pelo físico alemão Konrad von Roentgen, continuado por Becquerel e concluído pelo casal, nascia o estudo do fenômeno da radiatividade.

Pierre e sua companheira deram mais um passo à frente. Em uma comunicação à Academia de Ciências, a 12 de abril de 1898, anunciaram que a pechblenda – óxido de urânio – era bem mais ativa que o próprio metal. Tal fato levava a crer que o minério continha, além do urânio, outro elemento.

Conseguiram do governo austríaco uma tonelada de pechblenda, proveniente das minas de Joachimsthal. Quebrar, ferver, filtrar o minério, lutar contra os gases asfixiantes, foi um trabalho árduo, mas compensador. Em julho do mesmo ano informavam que haviam conseguido isolar da pechblenda um metal que, na tabela periódica, seria vizinho do bismuto. Em homenagem à pátria de Marie, foi designado como polônio.

O casal, porém, tinha razões suficientes para acreditar que a presença do polônio não explicava o excesso de radiatividade do minério. Impunha-se repetir toda a tarefa que conduzira à descoberta do polônio. E, novamente, os resultados foram positivos. Não havia mais segredos na radiatividade da pechblenda. Quase no final de 1898, uma comunicação assinada por Marie, Pierre e seu colaborador G. Bémont anunciava a descoberta do segundo elemento radiativo – o rádio.

Perfeitamente identificados em suas pesquisas, tornando assim difícil saber o que pertence a um ou a outro, Pierre e Marie não foram, de início, notados pelos meios científicos. Seus trabalhos eram acolhidos com reservas, pois implicavam a destruição de um conjunto de noções até então plenamente aceitas. E, se a existência do rádio tinha sido comprovada, o seu isolamento ainda não tinha sido concluído. Mas, após quatro anos de luta, o resultado foi feliz: obtiveram 1 decigrama de rádio puro e determinaram o seu pêso atômico: 226. Elemento espontaneamente luminoso, dois milhões de vezes mais radiativo que o urânio, teve seu valor terapêutico rapidamente comprovado. Sua ação sobre o câncer foi testada por Pierre e pelos professores Charles Bouchard e Balthasard.

A essa altura dos acontecimentos, qualquer dúvida sobre o gênio e valor do casal seria gratuita. Em todo o mundo o seu mérito era reconhecido. Mas as maiores honras eram sempre dirigidas a Pierre. O governo francês condecorou-o, e a Sorbonne ofereceu-lhe uma de suas cátedras.

A 25 de julho de 1903, Marie enfrentou o julgamento da Sorbonne. Sua tese Recherches sur tes substances radioo-actives, brilhantemente defendida, concedeu-lhe o título de Doutora em Ciências Físicas, com menção de alto louvor. A Royal Society de Londres solicitou a presença do casal. Nesse mesmo ano foi lançada a segunda edição da memorável tese de Marie, que, juntamente com Pierre e Antoine Henri Becquerel, recebeu o Prêmio Nobel de Física.

A França e o mundo inteiro despertaram para a importância do casal. Criou-se uma cátedra para o cientista na Faculdade de Ciências e Marie foi nomeada chefe de pesquisas do departamento.

Um mês depois nasceu a segunda filha Ève, que seria pianista e, mais tarde, escritora, tendo como obra de maior repercussão a biografia de sua mãe.

A 19 de abril de 1906 um trágico acidente separou o casal: Pierre, ao atravessar a Rua Dauphine, rumo à Sorbonne, foi colhido por uma carruagem.

Marie, profundamente chocada, ocupou a cátedra deixada vaga pelo marido, e, sozinha, continuou sua grande obra científica. Era a primeira vez que uma mulher ocupava tal lugar na Sorbonne.

Em 1908 organizou, reviu e prefaciou as Obras de Pierre. Em 1910 publicou um longo trabalho intitulado Traité de radio-activité.

Nessa época, dividia suas pesquisas entre a física e a química. Em 1911 foi distinguida com um segundo Prêmio Nobel: o de química.

Durante a Primeira Guerra Mundial organizou centros de assistência radiológica para os feridos. Em 1918, restabelecida a paz, Marie retorna às suas pesquisas. Começaram, então, as viagens ao estrangeiro. Em 1921, acompanhada por lrène, visitou os Estados Unidos, onde recebeu das mulheres americanas 1 grama de rádio, que doou ao Instituto Curie de Radioterapia, criado na França. Alguns anos mais tarde chegou mais 1 grama, dessa vez destinado ao Instituto de Rádio de Varsóvia, que Madame Curie dirigia de Paris. Em agosto de 1926, o Brasil também conheceu a famosa cientista.

Pesquisas, viagens e, novamente, o laboratório. Em 1933 publicou Les rayons alfa, bêta et gama des corps radioactifs en relation avec la structure nucléaire: era um esquema de todos os progressos realizados na física nuclear.

Morreu com 67 anos, a 4 de julho de 1934, no sanatório de Sancellemoz, vítima das radiações do próprio elemento que anos antes descobrira. Os precursores da era atômica estavam mortos, mas sua obra não. lrène Curie e seu marido, Fréderic Joliot, assumiriam a responsabilidade de continuar o grande edifício estruturado pelo casal.

Em 1935 receberiam o Prêmio Nobel de Química, pela criação de novos elementos radiativos, isto é, pela descoberta da radiatividade artificial.

Informações obtidas em http://geocities.yahoo.com.br/saladefisica9/. Por razões que desconheço, esse site não está mais disponível.

Distorção do Espaço-Tempo

Sonda espacial da Nasa comprova teoria de Einstein

Cientistas conseguiram provar que Terra distorce ligeiramente o espaço ao seu redor, devido à sua gravidade.

AFP | 04/05/2011 19:03

distorção do espaço-tempo

Foto: NASA

Ilustração da sonda GP-B orbitando a Terra para medir o espaço-tempo, uma descrição de quatro dimensões do universo, incluindo altura, largura, comprimento e tempo.

A força da gravidade dos grandes corpos do Universo distorcem o tempo e o espaço, afirmaram cientistas nesta quarta-feira (4) após uma sonda da Nasa confirmar dois elementos fundamentais da teoria geral da relatividade de Albert Einstein.

blá, blá, blá …

“No Universo de Einstein, o tempo e o espaço são deformados pela gravidade. A Terra distorce ligeiramente o espaço ao seu redor, devido à sua gravidade”, disse, explicando a teoria que o físico judeu alemão observou há quase 100 anos, muito antes de existir a tecnologia necessária para observá-la.

blá, blá, blá …

As medições da sonda se aproximam notoriamente das projeções de Einstein, segundo as descobertas publicadas na revista científica Physical Review Letters.

N.T. Muito bem senhores! Nada mais notório que o conceito de quebra de simetria, o qual também repousa nas idéias de Einstein (“a matéria é uma distorção local”). Mas, quebra de simetria de quê? Distorção de quê? A propósito dos posts anteriores, versando sobre o “Vazio como Não-É”, a Terra, bem como outros corpos estelares e planetários, repousa nesse espaço-tempo (o qual, em si, é uma distorção local). Como o espaço-tempo é não-eterno, a Terra deve ser não-eterna, como já sabemos. Ambos caem na categoria dos Três Tempos, e esse espaço-tempo não é o Vazio sobre o qual falamos, o Trono do Leão, o assento do Tathagata, Sagrado como um Cristal Perfeito, inconcebível Residência Honorífica do Buda.

Marcos Ubirajara, em 04/05/2011.


Cristalino – O Universo de Cristal Perfeito

O Todo-Vazio como Cristal Perfeito

Nenhum fenômeno possui uma natureza própria, que possa ser chamada de ‘eu’. Por quê? Porque eles, os fenômenos, resultam de uma quebra de simetria de uma ordem superior, devida às impurezas. Essa quebra de simetria impõe a discriminação como um aspecto essencial da realidade. Ora, a assim chamada natureza de todos os fenômenos é um produto de relações causais, nada mais, portanto ‘é’; esses fenômenos, pelo aspecto temporário, têm como destino inexorável a sua ‘dissolução’ no Todo-Vazio, portanto ‘não-é’.

Leia Mais em ‘Cristalino’ – O Universo de Cristal Perfeito.

crystalline.mp3

Cristalino

Click na imagem para leitura ou download

Conteúdo deste volume:

A Teoria Geral da Fatalidade. 3

1ª Lei da Fatalidade. 3

Corolário Cósmico da Completeza. 3

Corolário da Fatalidade Intrínseca da Novidade. 3

2ª Lei da Fatalidade. 3

Corolário da Condenação Eterna. 4

Corolário do Esquecimento Newtoniano. 4

I – O Átomo. 5

II – Elementos de Estruturas Cristalinas. 7

Noções do Fenômeno de Transporte em Meios do Estado Sólido. 9

A Luz. 11

Cristais Iônicos. 13

Cristais de Quartzo. 13

Reações do Estado Sólido e Interações Entre Defeitos. 14

Recombinação de Pares de Defeitos. 14

Recombinação Elétron-Pósitron. 16

Difusão – Aglomerados (sem perda de identidade). 18

Difusão – Sumidouros (com perda de identidade). 20

Precipitação. 21

Distorções Numa Rede. 24

III – Cristalofísica – Noções e Propriedades. 26

Introdução. 26

O Modelo de Tensão de Caráter Expansivo – 1a. Parte. 27

1ª. Parte. 27

2ª. Parte. 29

Propriedades da Física dos Cristais. 31

Propriedades Físicas dos Cristais Descritas com Tensores de 2ª.Ordem. 33

Princípio de Neumann9. 35

Princípio de Curie10. 35

Superfície Característica de um Tensor Simétrico de Segunda Ordem. 36

Propriedades Geométricas. 37

Propriedades Ópticas de Cristais. 37

1ª. Parte. 37

2ª. Parte. 39

Tensões e Deformações em Cristais, Expansão Térmica. 42

Eixos Principais do Tensor de Tensões e Superfícies de Tensões. 43

O Tensor de Tensões como Exemplo de Tensor Campestre. 44

Eixos Principais do Tensor de Deformações e Superfície Característica do Tensor de Deformações.  46

Elipsóide de Deformações. 47

Tensor de Deformações e Princípio de Neumann. 49

Expansão Térmica. 50

Propriedades Elásticas dos Cristais. A Lei de Hooke. 50

A Energia do Cristal Deformado. 51

Módulo de Young, Módulo de Deslizamento e Coeficiente de Poisson. 52

Superfície de Índices dos Coeficientes de Elasticidade. 53

Propriedades Piezoópticas dos Cristais. 53

IV – Dinâmica de Rede. 57

A Equação da Dinâmica. 60

A Hamiltoniana Clássica. 61

O Modelo Vibracional Coletivo. 65

Vibrações em Mecânica Quântica. 65

Vibrações na Forma ou Esfera de Influência. 67

Coordenadas Normais no Sistema Quântico. 70

A Contribuição Anarmônica. 74

V – O Universo de Defeitos em Cristais. 79

Introdução. 79

A Dinâmica de Defeitos em Cristais. 79

A Termodinâmica de Não Equilíbrio. 79

Difusão para Aglomerados. 81

Séries Periódicas de Sorvedouros. 83

Equações da Continuidade para Defeitos em Cristais Simples. 85

Condições de Contorno para as Equações da Continuidade. 86

Eficiência de Absorção, Taxa de Emissão Térmica e Difusividade. 88

As Equações da Difusão. 90

Séries Aleatórias de Sorvedouros. 93

A Dedução de uma Média Geral para as Concentrações de Defeitos. 95

A Equação da Difusão para Séries Aleatórias de Sorvedouros. 97

A Análise Local das Equações da Difusão. 98

O Espaço-Fase de Equações Autônomas. 99

Pontos Críticos no Espaço-Fase. 100

Espaço-Fase Bidimensional. 101

Sistemas Autônomos Lineares. 103

Análise do Ponto Crítico de Sistemas Não-Lineares Bidimensionais. 106

Dificuldade com a Análise Linear. 109

Comportamento de um Sistema Não Linear de Ordem Superior Próximo a um Ponto Crítico Estável. 111

VI – Preparação da Unificação das Interações Fundamentais.  114

Uma Visão Global da Unificação das Interações. 122

Uma Técnica para “Fusão do Vácuo”. 123

As Idéias de Bruno Touschek. 123

As Cores de Oscar Greenberg. 124

A Cromodinâmica Quântica de Sheldon Glashow. 126

Os Limites da Análise nas Idéias de Kogut, Wilson e Susskind. 127

VII – O Pensamento de Behram Kursunoglu. 130

Primórdios da Eletrodinâmica Quântica. 130

A Idéia de Behram Kursunoglu. 131

Uma Nova Carga Magnética. 133

Um Novo Vácuo. 135

Um Novo Spin. 137

Uma Nova Força. 138

Um Novo Papel Para a Força Gravitacional. 140

Uma Nova Energia Própria. 141

Um Novo Universo. 144

A Conclusão de Behram Kursunoglu. 147

VIII – O Cristalino. 149

O Todo-Vazio como Cristal Perfeito. 151

Explosão estelar é vista em 3D pela primeira vez

… essa “estrela”, como todas as outras “estrelas”, nada mais foi que um fenômeno local …

Um novo instrumento no telescópio permite ampliar o conhecimento sobre fenômenos.

Astrônomos utilizando o Very Large Telescope (VLT), do European South Observatory (ESO), conseguiram reconstruir pela primeira vez em três dimensões (3D) a distribuição de matéria causada por uma explosão estelar. Um novo instrumento no telescópio permite ampliar o conhecimento sobre fenômenos como supernovas.

Segundo os astrônomos do ESO, a visualização em 3D permite analisar melhor o lançamento de material, calcular velocidades e direções do despejo. Na concepção artística divulgada ontem pelo ESO, é possível ver como os resquícios da estrela 1987A, localizada na Grande Nuvem de Magalhães, galáxia-satélite da Via Láctea, se espalharam mais na direção horizontal. O fenômeno aconteceu há 168 mil anos-luz de distância da Terra, na Nebulosa da Tarântula.

Supernova 1987A

Visualização em 3D permite analisar o lançamento do material

Isto sugere a existência de uma Simetria de Campo lá, e que essa “estrela”, como todas as outras “estrelas”, nada mais foi que um fenômeno local, uma distorção, como imperfeições num Campo Cristalino.

Fonte: Diário Catarinense

O Cristalino

Não temos a pretensão de inspirar uma nova teoria para a Física. Afinal, para que uma nova teoria? Como fica estabelecido neste estudo, a Física é uma ciência da matéria e forças que atuam sobre esta. Sendo assim, uma teoria da Física impõe a necessidade de um rigoroso formalismo matemático que possibilite, em primeiro lugar, fazer predições sobre o desconhecido; em segundo lugar, comprovar resultados de experimentos da Física clássica, relativista e quântica; em terceiro lugar, geometrizar o fenômeno e suas interações com o “mundo” exterior. Isto significa que uma teoria da Física destina-se a avançar e aprofundar no conhecimento sobre um universo constituído por matéria sujeita a forças, seja no mundo das partículas elementares, seja no macrocosmo.

Do nosso ponto de vista, isto não invalida ou compromete os enormes avanços desta ciência ao descrever a fenomenologia do universo em que vivemos, mas relativiza-os, uma vez que acreditamos no universo como um meio em que matéria e forças se manifestam em “pequenas” regiões do espaço-tempo, onde atuam tensões devidas a descontinuidades ou quebras de simetria; regiões de alta concentração de energia; e fluxos impostos pela simetria da região do espaço-tempo do fenômeno observado. Neste nosso conceito, fazemos a analogia do espaço-tempo com um meio Cristalino Perfeito; e de matéria e forças com defeitos e suas interações com o meio Cristalino, respectivamente. Indo um pouco além, acreditamos num universo cuja percepção esteja potencialmente ao alcance de qualquer pessoa. Enfim, não acreditamos num universo que só possa ser percebido, compreendido e compartilhado entre Físicos e Matemáticos. Todavia, o caminho da análise e posterior síntese das teorias, ainda que consuma muitos milhares de anos, deve conduzir à simplicidade necessária para a compreensão daqueles que, de fato, são os olhos da criação, ou seja, as pessoas comuns. Para essas pessoas, e também para os Físicos, há uma enorme dificuldade para lidar com conceitos como o “vácuo”, tão necessário para sustentar as mais avançadas teorias da Física. Isto significa “impor” aos leigos a idéia de que por trás de toda fenomenologia que observamos há o nada absoluto. Isto é um absurdo! Há algo lá sim, porém, que não pode ser medido pelos métodos da Física que se baseiam na interferência. Mas, “aquilo” está manifesto na simples constatação inicial que aqui fizemos, de que a matéria, rigorosamente, é um imenso vazio; quer pensemos do ponto de vista clássico, e muito mais quando do ponto de vista quântico que introduz as incertezas de encontrar-se algo no lugar onde ele deveria estar. “Aquilo” está manifesto na simetria das zonas de influência dos campos das interações físicas, do mais forte até o mais fraco, o campo gravitacional. Se o campo gravitacional dos corpos estelares é um elipsóide, então, existe uma “ordenação” do espaço circunvizinho cuja simetria é romboédrica? “Aquilo” está manifesto no fenômeno de difusão observado nos corpos do macrocosmo: fluxos de gases e matérias, aglomerações de estrelas, gravitação de galáxias. Em torno de quê? Na direção de quê? Por que, “preferencialmente”, em certas regiões do espaço? Não podemos mais ignorar a existência “Daquilo”. Confessadamente, temos uma grande dificuldade para lidar com o aspecto não-substancial dos fenômenos, e a Física não se propõe a tratá-lo como parte integrante, diríamos essencial, da realidade. Os Físicos chamam de “vácuo” o não substancial extrínseco dos fenômenos, e o definem como “nada absoluto”. Não bastasse chamar algo que sabemos existir de “nada”, não tratam do não-substancial intrínseco a todos os fenômenos de uma forma completa. Por essa razão, quase sabemos o que é uma partícula elementar, mas não sabemos por que ela se manifesta do jeito que se manifesta.

Então, por que não buscarmos compreender esse “vácuo” de uma vez? Mas de que maneira, se como postulado ele é insondável? Não pode ser visto nem ponderado e, o que é pior, ao aceitá-lo como parte integrante e indissociável da realidade, temos que aceitar a existência de uma Lei oculta em suas profundezas, a qual não podemos compreender. Isto não poderia mais chamar “Ciência”, mas “Fé”.

Por que não? Em termos da ciência contemporânea, já não há tanta dificuldade em aceitar que existe algo por trás da fenomenologia observável. Se o Universo tem uma origem, este “algo” já estava aí para sustentá-lo. Não é? E mais, é participante, perfeitamente dotado e parece ser o destino de todas as coisas que transitam pelo Universo observável. E esse destino não é final, pois, extinguindo-se aqui, o fenômeno ressurge ali, num fluxo interminável regido por uma lei oculta. Seu meio de propagação é o Cristalino, um Cristal Perfeito, que também traduzimos como Dharma Correto, ou Sadharma, ou Lei Maravilhosa.

O Universo de Defeitos em Cristais (Parte 1)

O Universo de Defeitos em Cristais (Parte 2)

O Universo de Defeitos em Cristais (Parte 3)

O Universo de Defeitos em Cristais (Parte 4)

O Universo de Defeitos em Cristais (Parte 5)


O Universo de Defeitos em Cristais (Parte 6)

O Universo de Defeitos em Cristais (Parte 7)

O Universo de Defeitos em Cristais (Parte 8 )

O Universo de Defeitos em Cristais (Parte 9)

O Universo de Defeitos em Cristais (Parte 10)

Um Novo Universo

Devemos agora especular sobre a história, uma muito longa história, da primeira partícula criada, ou partículas, e a construção do nosso Universo. As leis governantes do Universo no nível fundamental, além das interações magnéticas e gravitacionais, incluem agora um número infinito de interações de curto alcance (ou fortes) induzidas pelo espectro infinito de valores de carga magnética. Há correlações entre os valores de g e a correspondente força de curto alcance. De acordo com essa teoria, é assumido que a básica realidade física é agora um CAMPO e foi, no passado “infinito”, também um CAMPO. Assim, a origem do nosso universo presente pode ser discutida do ponto de vista de um “campo primordial”, ao invés de um “átomo primordial”, deduzido da relatividade geral por George Lamaitre e mais tarde generalizada por George Gamow na teoria do “big-bang” do Universo. De acordo com a teoria do “big-bang”, o Universo, há uns 10 ou 18 bilhões de anos, emergiu de um ponto de densidade infinita de matéria a uma temperatura infinita. Em poucos segundos sua temperatura caiu para a faixa de centenas de milhões de graus Kelvin e permitiu a formação de elementos como o Hélio, Hidrogênio e outros, seguidos pela formação de estrelas, galáxias, etc.

No sentido de se ter acesso às implicações cosmológicas desta teoria, vejamos a ordem de grandeza estimada da energia de ligação do próton:

mc2=Mc2-Es

onde se tomarmos m como sendo a massa de Planck, então,

mc2≈1016ergs.

Assim, a temperatura requerida (mínima) no campo primordial teria sido da ordem de T0≈1032K. Assim, T0 é a temperatura requerida para reunir as camadas de carga magnética para produzir um próton e um antipróton. Uma dessas partículas deve ter sido a primeira a ser produzida no campo primordial causando uma “avalanche” ou cascata cósmica, iniciando o processo de criação, quase que simultaneamente, de todas as partículas e antipartículas do Universo que nascia do campo primordial.

No modelo do campo Cristalino deste trabalho, esse evento corresponde a uma fusão local do vácuo; Todavia, discordamos que o evento tenha sido único. Podemos, ainda hoje, observar esses processos na aparição de novas estrelas que, em outras palavras, nada mais são que a fusão local de regiões do campo Cristalino, onde as tensões são tais que a ordem anteriormente existente (simetria) é quebrada, ocorrendo, então, uma amorfização local semelhante a uma ponta de temperatura no sólido, iniciando o primeiro estágio da evolução de um sistema estelar. Pelo que sustenta a teoria do campo Cristalino, torna-se muito pouco provável a existência de sequer dois sistemas estelares idênticos; pois, suas origens serão fortemente dependentes não só da seqüência de precipitação das fases materiais, mas também de todo o histórico da região do Cristalino onde a transformação se verifica.

A teoria do “big-bang” sobre a origem do Universo, baseada na relatividade geral, tem que assumir a existência de uma “singularidade primordial”, isto é, um ponto de infinita densidade de matéria num estado de infinita temperatura. A nova teoria infere o passado do Universo como consistindo de um vácuo do tipo descrito anteriormente, de dimensões infinitas, cuja evolução sob sua própria “condensação gravitacional” culminou na criação de partículas e antipartículas como descrito acima. Assim, a idade do Universo é reconciliada com a idade de seus constituintes fundamentais: as partículas elementares. A formação de matéria em larga escala, e também de antimatéria, e a eventual distribuição desses dois componentes do Universo foi, naturalmente, implementada de acordo com as leis da Física. O encontro de partícula antipartícula leva à aniquilação da qual os produtos resultantes são, principalmente, fótons, ou partículas com massa como os mesons, etc.. A existência material do Universo versus sua transformação completa num campo de radiação pela aniquilação partícula-antipartícula requer que a probabilidade de aniquilação de uma partícula por sua antipartícula seja menor que a probabilidade de seu escape e acumulação em regiões onde existam preponderantemente partículas, ou antipartículas. Na criação de uma partícula ou antipartícula, uma energia equivalente a sua energia de ligação, isto é, 1016ergs, é emitida. Essa imensa energia pode ser explicada parcialmente pela radiação e, principalmente, como a energia cinética da partícula, que a acelera a distâncias de bilhões de anos luz do ponto de sua criação. É claro que temos ainda que conseguir da teoria as probabilidades envolvidas na efetivação da separação da matéria e antimatéria e da acomodação delas no Universo.

Devido à natureza das mensagens (radiação, explosões supernovas, sinais de radio de quasares, etc.) que nós recebemos aqui na terra, não é licito decidir se essas mensagens se originaram de regiões de matéria ou antimatéria. O desvio cosmológico para o vermelho devido ao afastamento dos quasares (objetos quase-estrelas) e seus sinais de radio observados revelam-nos como enormes fontes de energia. Os eventos observados referem-se a processos que ocorreram, presumivelmente, nos primeiros segundos do Universo e, portanto, é perfeitamente admissível que quasares sejam os demonstradores cósmicos da aniquilação de matéria e antimatéria em estados colapsados. Uma partícula ou antipartícula elementar teria, num campo gravitacional muito forte, consumida sua própria energia de ligação e colapsada num “mini-buraco-negro” ou “anti-mini-buraco-negro” de raio 10-33cm e massa de 10-5gramas. A aniquilação de um mini-buraco-negro com um anti-mini-buraco-negro emitiria energia 1018 vezes maior que a energia emitida num encontro entre um próton e um anti-próton. Assim, o fenômeno do quasar pode, presumivelmente, ser usado como possível evidência para a existência em grande escala de matéria e antimatéria no Universo.

Algumas evidências mais sobre a existência de matéria e antimatéria no Universo são encontradas na radiação dominante observada no Universo. A razão do número de fótons para o número de partículas com massa é observada ser da ordem de 109. A discussão acima sobre a origem do Universo apresenta uma explicação muito mais razoável para essa radiação dominante que a teoria do “big-bang”. Além disso, a recente observação de uma “radiação fóssil” ou “microonda de fundo” de 2.7 K deixa como um resultado que a expansão e o resfriamento do Universo não estão, se interpretados corretamente, em conflito com a presente teoria. Isto é o porquê do “princípio de correspondência” da teoria que a reduz à relatividade geral para a região além do horizonte de cargas magnéticas.

 

Kursunoglu, B. – A Non-Technical History of the Generalized Theory of Gravitation Dedicated to the Albert Einstein Centennial – Center for Theoretical Studies, University of Miami, Coral Gables, Florida 33124 – USA.

Os Primórdios da Eletrodinâmica Quântica

A Idéia de Behram Kursunoglu

Uma Nova Carga

Um Novo Vácuo

Um Novo Spin

Uma Nova Força

Um Novo Papel para a Força Gravitacional

Uma Nova Energia Própria

Um Novo Vácuo

A estrutura é determinada pelas três interações fundamentais: (1) interação gravitacional no âmago da partícula elementar, cuja intensidade é dada por Gm2/ћc, onde G é a constante gravitacional universal e m é a massa de Planck e é da ordem de 10-5 gramas. As interações gravitacionais têm caráter de longo alcance; (2) interações eletromagnéticas, cuja intensidade é medida por e2/ћc, onde e é a carga elétrica, têm caráter de longo alcance; (3) interações magnéticas, cuja intensidade é medida por gn2/ћ (n = 0,1,2,…), têm caráter de curto alcance. As cargas magnéticas gn, que tendem a zero com o aumento da distância da origem (ou para n→∞), constituem o núcleo dos órbitons (isto é, elétron, próton, elétron-neutrino e muon-neutrino) na forma de camadas estratificadas com sinais alternados e satisfazem a lei fundamental de conservação:

n=0,1,2,…∞gn=0(1) ,

onde

gn<gn-1,n≠0, Lim n→∞gn=0

A lei da conservação (1) implica em sucessivas blindagens da carga magnética das camadas que, por conseguinte, dá como resultado forças de caráter de curto alcance. O resultado implica ainda na ausência de monopolos. Em tudo o que foi posto acima, é assumido que os neutrinos νe e νm têm massas pequenas (mas finitas) comparadas às dos elétrons e prótons. Os órbitons e anti-órbitons têm a mesma carga magnética contida gn, distribuída em seus núcleos de acordo com a lei da conservação, mas diferentes densidades de carga magnética nas camadas estratificadas. Para distâncias grandes comparadas a um raio atômico, o acoplamento entre um elétron e um próton é muito mais devido à atração coulumbiana, e o acoplamento magnético gn2 é deveras pequeno. No caso de um átomo de hidrogênio, a atração coulumbiana é contrabalançada pelas atrações e repulsões magnéticas que aumentam com o decréscimo da distância entre o elétron e o próton. Assim, ambos, elétron e próton induziriam “oscilações magnéticas” um no outro, com o elétron ocupando o estado de maior freqüência de oscilação.

No sentido de discutir estados de ligação mais profundos que os atômicos, nós precisamos definir o “vácuo” em torno dos órbitons. Cada órbiton carrega um vácuo em torno de si, consistindo de pares de órbitons com energia positiva e anti-órbitons com energia negativa.

Parece-nos como o par lacuna- intersticial num arranjo Cristalino onde o átomo oscilando em torno de sua posição de equilíbrio (transitoriedade) deixa atrás de si uma lacuna (não substancialidade), aniquilando-se mutuamente na freqüência de oscilação (caminho médio – vacuidade).

Assim, a energia total, o spin total, a carga elétrica total e a carga magnética total do vácuo são zero. Todavia, deve ser enfatizado que o vácuo tem uma energia gravitacional líquida positiva.

Essas assertivas estão em plena concordância com a idéia de um meio Cristalino “perfeito” em seu estado fundamental.

Este tipo de vácuo é inteiramente diferente daquele obtido na eletrodinâmica quântica, onde a energia total do vácuo não se anula e, de fato, é infinita. Uma das conseqüências indesejáveis da última referência à chamada renormalização de carga, massa e energia própria infinitas, é que esta serve para dissimular as dificuldades fundamentais da eletrodinâmica quântica. Esse estado de coisas, a despeito do sucesso da eletrodinâmica quântica na explicação do fenômeno da radiação eletromagnética, leva à necessidade de esquematizar o núcleo das partículas elementares e, dessa maneira, eliminar a possibilidade de uma real compreensão de sua estrutura.

 

Kursunoglu, B. – A Non-Technical History of the Generalized Theory of Gravitation Dedicated to the Albert Einstein Centennial – Center for Theoretical Studies, University of Miami, Coral Gables, Florida 33124 – USA.

Os Primórdios da Eletrodinâmica Quântica

A Idéia de Behram Kursunoglu

Uma Nova Carga

Um Novo Spin

Uma Nova Força

Um Novo Papel para a Força Gravitacional

Uma Nova Energia Própria

Um Novo Universo

« Older entries

%d blogueiros gostam disto: