Os Portais da Libertação I

Sutra Guirlanda de Flores
Avatamsaka Sutra

Naquela ocasião, oceânicas multidões reuniram-se no lugar de iluminação do Buda: ilimitados tipos e espécies estavam ao redor do Buda, preenchendo todos os lugares. Suas formas e séquitos eram diferentes uns dos outros. De onde quer que chegassem, aproximavam-se do Honrado pelo Mundo, sinceramente olhando para ele. Essas multidões em assembleia já tinham se livrado de todas as aflições e impurezas mentais, bem como de seus hábitos remanescentes. Eles tinham pulverizado as montanhas de barreiras múltiplas, e percebiam o Buda sem obstruções. Eles eram assim porque o Buda Vairochana em tempos passados, através de oceanos de eras, ao cultivar as práticas dos seres reluzentes (iluminantes), havia recebido-lhes e cuidado deles com as quatro práticas da salvação que são a generosidade, palavras gentis, ação benevolente e cooperação, e enquanto plantava raízes da benevolência na companhia de cada Buda naquelas eras, já havia tomado conta deles, lhes ensinado e desenvolvido através de vários meios habilidosos, estabelecendo-lhes no caminho da onipotência, onde eles adquiriram inumeráveis virtudes, grandes méritos, e todos já haviam adentrado completamente o oceano das habilidades nos meios de libertação e compromisso dos votos. As ações que perpetravam eram completamente puras, e também já tinham embarcado na via para a emancipação. Eles sempre viam o Buda, claramente iluminado, e através do poder da suprema compreensão, adentraram o oceano das qualidades do Estado de Buda. Encontraram os portais da libertação de todos os Budas, e transitavam livremente nos poderes espirituais.

Isto quer dizer que Oceano das Chamas Sutis, um Rei do Céu da Grande Liberdade, encontrou o portal da libertação através da tranquilidade e poder prático dos domínios do espaço e do cosmos. O Rei Celestial Luz do Nome da Liberdade, obteve o portal da libertação ao observar livremente todas as coisas. O Rei Celestial Olho das Puras Virtudes encontrou o portal da libertação da acão sem esforço ao saber que todas as coisas são não-nascidas, não perecem, e nem vêm o vão. O Rei Celestial Grande Inteligência Aprazível encontrou o portal da libertação através do oceano da sabedoria percebendo diretamente o real caráter de todas as coisas. O Rei Celestial Liberdade da Luz Imutável encontrou o portal da libertação através da grande concentração na prática de concessão de ilimitada paz e felicidade aos seres viventes. O Rei Celestial Olhos dos Adornos Sublimes encontrou o portal da libertação por causa da observação da verdade da nulidade e aniquilação de toda a ignorância e medo. O Rei Celestial Luz da Meditação Habilidosa encontrou o portal da libertação através da entrada em infinitos reinos (domínios) sem produzir qualquer atividade de pensamento sobre os existentes (ali). O Rei Celestial Grande Conhecimento Delicioso encontrou o portal da libertação ao ir a todos os lugares nas dez direções para pregar a verdade, embora sem se mover e sem depender de nada. O Rei Celestial Estandarte do Esplendor do Som Universal encontrou o portal da libertação por entrar no reino do Buda da tranquilidade e manifestação de grande luz em todos os lugares. O Rei Celestial Luz da Fama do Esforço Supremo encontrou o portal da libertação ao se estabelecer em sua própria iluminação, tendo ainda uma perspectiva infinitamente ampla.


Livro Um – Os Adornos Maravilhosos dos Líderes dos Mundos

 

Os Líderes dos Mundos

Sutra Guirlanda de Flores
Avatamsaka Sutra

Havia grandes seres reluzentes, tão numerosos quanto os átomos em Dez Mundos Búdicos, circundando-lhe. Seus nomes eram: Universalmente Meritório (Samantabhadra), Luz da Suprema Tocha da Virtude Universal, Estandarte do Leão da Luz Universal, Luz Sutil do Fulgor das Joias Universais, Estandarte do Oceano de Qualidades dos Sons Universais, Domínio (Reino) da Iluminação do Esplendor do Conhecimento Universal, Estandarte das Flores de um Diadema (Nó, Topete no topo da cabeça) das Joias Universais, Voz Agradável do Despertar Universal, Luz da Inesgotável Virtude da Pureza Universal, Marca da Luz Universal, Grande Brilho da Luz da Lua Refletida no Oceano, Tesouro Imaculado da Luz dos Oceanos de Sons como Nuvens, Nascido da Sabedoria e Adornado com Virtude, Grande Luz da Virtude Soberana, Admirável Diadema (Topete, Nó sobre a cabeça) do Lotus, Estandarte do Sol das Nuvens do Conhecimento Universal, Altamente Perseverante com Coragem Indestrutível, Estandarte da Luz das Chamas Fragrantes, Profundo e Belo Som da Grande Virtude Iluminada, Nascido da Sabedoria com a Luz da Grande Virtude. Esses e outros eram líderes, tantos quanto os átomos que há em Dez Mundos Búdicos.

Todos esses seres reluzentes haviam acumulado no passado as raízes da benevolência juntamente com o Buda Vairocana, e todos eram nascidos dos oceanos das raízes de benevolência do Buda. Eles já haviam aperfeiçoado os vários meios de transcendência, e seus olhos da sabedoria eram completamente límpidos. Eles observavam todos os tempos (presente, passado e futuro) com imparcialidade. Eram completamente purificados em todos os estados da concentração. Sua eloquência era oceânica, extensiva e inesgotável. Eles possuíam as qualidades do Estado de Buda, eram dignos e honoráveis. Eles conheciam as faculdades dos seres sencientes, e falavam-lhes de acordo com o potencial e necessidade (de cada um). Eles penetraram a matriz do Cosmos, seu conhecimento era não-discriminatório; eles experimentaram a libertação dos Budas, excedentemente profunda e imensamente vasta. Eram capazes de entrar em um estágio, de acordo com expediente técnico, e ainda manter as virtudes de todos os estágios, amparados pelo oceano de todos os votos, sempre acompanhados pela sabedoria, através do futuro. Eles haviam compreendido completamente o raramente atingido, vasto e secreto domínio de todos os Budas. Eram familiarizados com os ensinamentos igualitários de todos os Budas; eles já estavam pisando no solo do Buda da Luz Universal. Eles adentraram os portais dos ilimitados oceanos das concentrações. Eles manifestaram corpos em todos os lugares e participaram das atividades mundanas. Seu poder de memória era enorme, e abarcavam o oceano de todos os ensinamentos. Com inteligência, eloquência, e habilidade, eles giraram a Roda (da Lei), que nunca retorna. O vasto oceano das qualidades virtuosas de todos os Budas penetrou-lhes inteiramente os corpos. Eles foram de bom grado a todas as terras nas quais havia Budas. Já haviam feito oferecimentos a todos os Budas, ao longo de ilimitadas eras, alegre e incansavelmente. Em todos os lugares, quando os Budas atingiram a iluminação, eles estavam sempre lá, aproximando-se e associando-se com eles, sem nunca desistir. Sempre, através dos votos da benevolência e sabedoria universal, fizeram com que o corpo da sabedoria de todos os seres sencientes fosse preenchido. Eles haviam aperfeiçoado essas inumeráveis virtudes.


Livro Um – Os Adornos Maravilhosos dos Líderes dos Mundos

 

O Supremo e Correto Despertar

Sutra Guirlanda de Flores
Avatamsaka Sutra

Naquela ocasião, o Buda, o Honrado pelo Mundo, neste cenário, atingiu o Supremo e Correto Despertar de todas as coisas. Seu conhecimento penetrou todos os tempos (presente, passado e futuro) com completa equanimidade; seu corpo preencheu todos os mundos; sua voz anuiu universalmente com todas as terras nas dez direções. Como o espaço, que contém todas as formas, ele não fez discriminações dentre todos os objetos. E, como o espaço que se estende a todos os lugares, ele penetrou todas as terras com equanimidade. Seu corpo tornou-se onipresente para sempre, em todos os lugares da iluminação. Em meio à multidão de seres reluzentes, sua surpreendente luz brilhava com esplendor, como o sol emergente, iluminando o mundo. O Oceano de miríades de virtudes que ele praticou em todos os tempos estava completamente puro, e ele constantemente demonstrava a produção de todas as terras Búdicas, suas ilimitadas formas e esferas de luz se estendendo igualmente e imparcialmente para todo o cosmos.

Ele expôs todas as verdades, como grandes nuvens em expansão. Cada uma das pontas dos fios de seu cabelo era capaz de conter todos os mundos sem interferência, manifestando em cada um daqueles mundos imensuráveis poderes espirituais, a ensinar e civilizar todos os seres sencientes. Seu corpo estendia-se através das dez direções, entretanto, sem ir ou vir. Seu conhecimento penetrou todas as formas e percebeu a vacuidade das coisas. Todas as exibições miraculosas dos Budas do passado, presente e futuro, eram todas vistas na sua luz, e todos os adornos de inconcebíveis eras eram revelados.


Livro Um – Os Adornos Maravilhosos dos Líderes dos Mundos

 

O Cenário da Iluminação

Sutra Guirlanda de Flores
Avatamsaka Sutra

Assim eu ouvi:

 

Naquela ocasião, o Buda se encontrava na região de Magadha, em estado de pureza, no lugar da iluminação, tendo acabado de perceber o verdadeiro despertar. O chão era sólido e firme, feito de diamante, adornado com discos de joias raras e miríades de flores preciosas, com cristais puros e limpos. Um Oceano de Características de variadas cores se estendia sobre uma extensão infinita. Havia estandartes de gemas preciosas, constantemente emitindo uma luz brilhante e produzindo lindos sons. Redes de miríades de gemas e guirlandas de flores exoticamente perfumadas estavam suspensas em todo redor. As mais finas joias apareciam espontaneamente, chovendo torrencialmente incontáveis gemas e belas flores sobre a Terra. Havia fileiras de árvores de joias, seus ramos e folhagens brilhantes e exuberantes. Através do poder espiritual do Buda, ele fez com que todos os adornos dessa visão da iluminação se refletissen naquele lugar.

A árvore da iluminação era alta e exuberante. Seu tronco era de diamante, seus galhos principais eram de pedras semi-preciosas, seus ramos e ramagens eram de variados elementos preciosos. As folhas, espalhadas em todas as direções, proviam sombra, como nuvens. A floração era de várias cores, e a ramagem espalhava a sua sombra. Também, os frutos eram joias contendo um ardente esplendor. Estavam juntos com as flores em grandes arranjos. A circunferência inteira da árvore emanava luz; dentro dos raios de luz choviam pedras preciosas, e dentro de cada gema estavam seres iluminantes, em grandes multidões, como nuvens, aparecendo simultaneamente.

Também, em virtude do extraordinário poder espiritual do Buda, a árvore da iluminação constantemente emitia sons sublimes falando diversas verdades sem cessar.

O aposento do Palácio no qual o Buda estava situado era espaçoso e belamente adornado. Ele se estendia através das dez direções. Era feito de joias de variadas cores e adornado com todos os tipos de flores preciosas. Dos vários adornos emanavam luzes como nuvens; o conjunto de seus reflexos de dentro do Palácio formavam estandartes.

Uma ilimitada multidão de seres reluzentes (Iluminantes), a congregação no lugar da iluminação, estavam todos reunidos ali: através da capacidade para manifestar as luzes e inconcebíveis sons dos Budas, eles formavam redes de finas joias, das quais emergiam todos os domínios da ação dos poderes espirituais dos Budas, e nas quais estavam refletidas imagens das moradas de todos os seres.

Também, pela virtude da força do poder espiritual do Buda, eles abarcavam todo o cosmo num simples pensamento.

Seus Tronos de Leão eram altos, amplos, e maravilhosos. As bases eram feitas de joias, seus assentos de flores de lótus, seus encostos de puras e raras gemas. Eles eram adornados com variadas flores de todas as cores, sua cobertura, aposentos, escadarias e portas eram adornados com as imagens de todas as coisas. Os ramos e frutos das árvores de joias circundavam-nos, em arranjos intercalados.

Nuvens da radiância das joias se refletiam mutuamente: os Budas das dez direções invocaram pérolas régias (reais), e joias raras nos nós (topetes nos topos da cabeça, diademas) de todos os seres reluzentes emanavam luzes, as quais vinham e iluminavam-lhes.

Além disso, amparados pelo poder espiritual de todos os Budas, eles expunham a vasta perspectiva daqueles iluminados, seu som sutil a propagar-se longinquamente, não havendo lugar que não chegassem.


Livro Um – Os Adornos Maravilhosos dos Líderes dos Mundos

 

O Verso 10 do Bodhisattva Samantabhadra

Sutra Guirlanda de Flores
Avatamsaka Sutra

10. Manjushri possui sabedoria, coragem e bravura;
a conduta e sabedoria de Samantabhadra são semelhantes (em sabedoria, coragem e bravura).
Eu agora transfiro todas as boas raízes,
a fim de seguí-las na prática e no estudo.
Nos três períodos de tempo ,
todos os Budas elogiam e louvam votos como estes,
elevados e grandes.
Eu agora transfiro todas as boas raízes,
desejando realizar as práticas supremas de Samantabhadra.

Faço voto de quando minha vida aproximar-se de seu fim,
todas as obstruções serão removidas;
verei o Buda Amitabha,
e nascerei na sua terra de Bênção e Paz ilimitadas.
Quando renascer no mundo ocidental,
realizarei e cumprirei completamente, sem exceções, esses grandes votos,
para deleitar e beneficiar todos os seres.

A assembleia do Buda Amitabha será completamente pura;
quando de um incomparável lótus eu renascer.
Contemplarei a imensurável luz do Buda,
quando ele aparecer diante de mim,
para proferir uma profecia do Estado de Buda.

Ao receber a profecia do Buda,
assumirei incontáveis aparências e formas,
e com vasto e grande poder da sabedoria,
interpenetrarei as dez direções
para beneficiar todos os domínios dos seres viventes.

Os domínios dos mundos no espaço vazio podem chegar a um fim,
e os seres viventes, (seus) karmas e aflições serem extintos;
mas eles nunca se esgotarão,
nem tampouco meus votos.
Com miríades de joias em ilimitadas terras em todas as direções,
farei ornamentações e oferecimentos aos Budas,
por eras tão numerosas quanto os grãos de pó em todas as terras,
trarei a suprema paz para deuses e humanos.

No entanto, se alguém acredita nesses grandes votos,
na medida que passem pelos (seus) ouvidos uma única vez,
e na busca do Bodhi avidamente deseje esses votos,
os méritos e virtudes obtidos superarão aqueles oferecimentos.

Com os maus conselheiros deixados para trás para sempre,
dos maus caminhos ele parte para a eternidade,
para em breve ver o Buda da ilimitada luz,
e realizar os supremos votos de Samantabhadra.
Facilmente obtendo as bênçãos de longa vida,
e seguro de um nobre renascimento no reino humano,
tão logo ele realizará e completará
as práticas de Samantabhadra.

No passado, devido à carência do poder da sabedoria,
ele cometeu as cinco ofensas de extrema maldade;
em um pensamento elas podem ser enxugadas
pela recitação dos grandes votos de Samantabhadra.

Seu clã, raça, feições e características,
com sua sabedoria,
serão todas aperfeiçoadas e completas;
demônios e externalistas não terão meios para causar-lhe danos,
e ele será um campo de méritos no Mundo Tríplice.

Para a magneficente árvore do Bodhi, ele rapidamente irá,
e lá sentado subjugará as hordas de demônios,
supremamente e perfeitamente iluminado,
ele girará a Roda-da-Lei,
para beneficiar todos os seres sencientes.

Se alguém puder ler, recitar, receber, e ostentar
os votos de Samantabhadra e proclamá-los,
sua retribuição somente o Buda saberá,
e ele alcançará a Suprema Iluminação.

Se alguém recita os votos de Samantabhadra,
falarei sobre uma parte de suas boas raízes:
num único pensamento,
ele pode cumprir os votos puros dos seres sencientes.

As supremas e infinitas bênçãos da conduta de Samantabhadra,
eu agora transfiro universalmente;
que cada ser vivente, afogando-se e à deriva,
possa logo retornar à Terra Pura,
à Terra da Luz Ilimitada!

Quando o grande Bodhisattva Samantabhadra terminou de falar esses versos puros sobre os grandes Votos de Samantabhadra diante do Buda, o jovem Sudhana ficou tomado por esfuziante alegria. Todos os Bodhisattvas ficaram extremamente felizes também, e o Buda aplaudiu dizendo: “Bom de fato, Bom de fato”.


As Práticas e Votos do Bodhisattva Samantabhadra

 

O Verso 9 do Bodhisattva Samantabhadra

Sutra Guirlanda de Flores
Avatamsaka Sutra

 

9. Posto um fim aos sofrimentos dos maus caminhos,
e a todos igualmente trazendo alegria,
que eu possa por eras (aeons) tão numerosas quanto os grãos de pó de todos os mundos,
sempre beneficiar todos nas dez direções,
sempre em harmonia com os seres viventes,
cultivando por todas as eras futuras,
a vasta conduta de Samantabhadra,
realizarei o insuperável Bodhi.

Faço votos de sempre encontrar os Budas frente-a-frente,
e as multidões de discípulos que se reúnem em torno deles;
fomentarei oferecimentos, que sejam vastos e grandes,
incansavelmente até o fim das eras futuras.

Ostentarei bem alto o sutil e maravilhoso Dharma,
e iluminarei todas as práticas do Bodhi;
serei finalmente puro na via de Samantabhadra,
praticando até o final dos tempos.

Inesgotáveis bênçãos e sabedoria,
eu cultivarei através de todos os mundos;
através da concentração, sabedoria, meios hábeis, e samadhis,
obterei um interminável repositório de méritos e virtudes.

Em um (único) grão de pó estão terras tão numerosas quanto os grãos de pó;
em cada terra encontra-se um incalculável número de Budas.
Em cada lugar onde os Budas se encontram,
eu vejo a multidão em assembleia,
interminavelmente a proclamar todas as práticas do Bodhi.

Em todos os lugares nas dez direções,
através do mar de terras,
cada ponta de cabelo abrange oceanos do passado, presente e futuro.
Assim, também, há um mar de Budas, um mar de terras Búdicas;
Interpenetrando-as todas,
eu cultivo pelos mares de tempos intermináveis.

A fala de todos os Budas é pura;
cada palavra contém um oceano de sons.
De acordo com o que os seres apreciam ouvir,
os mares da eloquência dos Budas flui…

Eu posso penetrar o futuro
e abarcar todas as eras num simples pensamento.
Num simples pensamento eu condenso
todas as eras dos três períodos de tempo.
Em um pensamento eu vejo todos os ‘Leões dos Humanos’
do passado, presente, e futuro;

Eu constantemente penetro os estados dos Budas,
seus mágicos samadhis e força surpreendente.
Sobre a ponta de extremamente fino fio de cabelo,
aparecem terras cobertas de joias do passado, presente e futuro;
terras sobre pontas de fios de cabelo tão numerosas quanto os grãos de pó de todas as terras das dez direções,
penetro-as profundamente, adorno e purifico…
Os mares de terras que em todos os lugares eu adorno e purifico,
e liberto todos os seres viventes, sem exceções.
Com cuidado eu faço seleções dentre os mares de Dharmas
e adentro profundamente no oceano da Sabedoria…

Cada Buda tem um discípulo sênior chamado Samantabhadra,
Honrado.
Eu agora transfiro todas as boas raízes,
e faço um voto de perpetrar boas ações de sabedoria idêntica a dele.
Faço voto que meu corpo, fala e mente serão sempre puros,
e que todas as práticas e terras também o serão.
Faço voto de ser o mesmo (idêntico), em todos os sentidos,
na sabedoria de Samantabhadra.
Purificarei totalmente a conduta de Samantabhadra,
bem como os grandes votos de Manjushri.
Cumprirei todas as suas ações,
nada deixando por fazer.
Até o final dos tempos, nunca me cansarei.
Infinita e incomensurável é a minha cultivação;
ilimitados méritos e virtudes eu obtenho.
Em meio às ilimitadas práticas,
eu resido em paz,
e penetro a força dos poderes espirituais.


As Práticas e Votos do Bodhisattva Samantabhadra

 

O Verso 8 do Bodhisattva Samantabhadra

Sutra Guirlanda de Flores
Avatamsaka Sutra

8. E estudo (aprendo) com os Budas
e pratico a perfeita conduta de Samantabhadra;
eu faço oferecimentos a todos os Budas do passado
e para todos os Budas do presente através das dez direções.
Todos os futuros “Mestres de Deuses e Humanos’,
cujas aspirações e votos se completarem,
eu seguirei no estudo através dos três períodos de tempo
e rapidamente atingirei o grande Bodhi.
Faço voto que cada ser em todas as direções
será pacífico, feliz, e sem preocupações.
Que eles possam obter a profunda ajuda do Dharma correto,
e possam suas aflições serem afastadas,
sem exceção.
Em minha prática, esforçando-me para o Estado de Buda,
ganharei o conhecimento de minhas vidas passadas,
em todos os destinos.
Sempre deixarei a vida familiar e
cultivarei os puros preceitos,
sem omissão, nunca quebrá-los, e sem máculas.
Sejam eles Deuses, Dragões, Yakshas, ou Kumbhandas,
Humanos, Não-Humanos, e os demais,
nos muitos idiomas de todos esses seres viventes,
com cada som eu falarei o Dharma.
Cultivarei os puros Paramitas com vigor,
e nunca abandonarei a Mente do Bodhi.
Banirei todas as obstruções e impurezas,
e cumprirei todas as maravilhosas práticas.
De todas as ilusões, karmas, e estados demoníacos,
em meio a todos os caminhos mundanos, serei libertado,
como o lótus que não toca a água,
como o Sol e a Lua que não param no espaço.

 


As Práticas e Votos do Bodhisattva Samantabhadra

 

Para a Consecução da Via

Om Namo Ratnatraya
Om Namo Aryavalokiteshvaraya Bodhisattvaya Mahasattvaya Maha Karuna Kaya!

Então o Bodhisattva Avalokiteshvara disse aos Brahmas: “Recitem esse Mantra cinco vezes, usem fios de 5 cores para dar nós, e então recitem o Dharani 21 vezes, amarrem 21 nós, e coloque-os no pescoço. Este Mantra tem sido pregado pelos Budas pretéritos tão numerosos quanto os grãos de areia de 9.9 bilhões de Rios Ganges.

Aqueles Budas pregaram esse Mantra para praticantes dos Seis Paramitas, mas que ainda não os haviam completado, para conduzi-los ao sucesso rapidamente;

Àqueles que ainda não haviam despertado o Coração-do-Bodhi, faze-los despertar o Coração-do-Bodhi rapidamente;

Aos Sravakas (Ouvintes) que ainda não haviam alcançado as fruições, faze-los alcançar as fruições rapidamente;

A todos os deuses e seres sobrenaturais nos três mil grandes sistemas de mil mundos, que ainda não despertaram o insuperável Coração-do-Bodhi, faze-los despertar o Coração-do-Bodhi rapidamente;

A todos os seres viventes que ainda não ganharam a raiz da fé no Mahayana, com o poderoso poder sagrado desse Dharani, suas sementes do Mahayana e Brotos-do-Dharma crescerão rapidamente; com o poder dos meus meios habilidosos, misericórdia e compaixão, todas as suas necessidades serão atendidas.

Para aqueles seres viventes dos três maus caminhos, que vivem nas regiões sombrias dos três mil grandes sistemas de mil mundos, quando eles ouvirem esse Mantra, todos estarão livres do sofrimento;

Para Bodhisattvas que ainda não alcançaram o primeiro Estágio (Bhumi), faze-los alcançar rapidamente, e faze-los alcançar mesmo até o décimo Estágio, e mesmo até o Estado de Buda, com as trinta e duas marcas distintivas e oitenta característas de excelência naturalmente alcançadas.

Se um Ouvinte (Sravaka) uma vez escuta esse Dharani passar por seus ouvidos, se ele pratica e escreve esse Dharani, e se estabelece com um coração sincero em concordância com o Dharma, então ele naturalmente alcançará as Quatro Fruições do Sramana mesmo que ele não busque aquelas fruições.

Suponha que todas as montanhas, rios, penhascos e oceanos nos três mil grandes sistemas de mil mundos pudessem ser fervidos, e que as montanhas Sumeru e Cakravada pudessem ser sacudidas e reduzidas a pó. (Aqueles Budas pregaram esse Mantra ) Para seres viventes tão numerosos quanto aqueles grãos de pó alcançarem o insuperável Coração do Bodhi.


Om Namo Vipashina Buddha
Om Namo Avalokiteshvara Bodhisattva Dharani Sutra

 

Fim do Sutra Vajra Prajna Paramita

Sutra:

Após o Buda ter pregado esse sutra o Longevo Subhuti, todos os monges, monjas, leigos, leigas, e o mundo com seus deuses, humanos e asuras, ouviram o que o Buda pregara, regozijaram, acreditaram, receberam, reverenciaram, e praticaram com alegria.

Comentário:

Após o Buda encerrar a pregação da Prajna da verdadeira vacuidade, o Sutra Diamante, o Longevo Subhuti, que tinha dez tipos de condutas virtuosas; os monges, monjas, leigos, leigas, os deuses, pessoas, bem como os asuras, que tinham as bênçãos dos céus mas não o status (de seres celestiais); ao ouvirem a Prajna da existência maravilhosa e a verdadeira vacuidade, sentiram grande alegria, acreditaram, aceitaram, e respeitosamente praticaram o sutra. Todos estavam tão felizes como se tivessem obtido uma gema preciosa, e de fato a obtiveram: a joia da sabedoria, a joia do dharma da Prajna. Eles acreditaram. Perderam todos os seus desejos, colocando-os de lado. Eu espero que quando terminarmos o estudo do Sutra Diamante você possa afastar para longe todos os seus pensamentos de cabeça-para-baixo. Livre-se do prazer da comida. Livre-se do desejo pelo sono. Bane seus esforços pela fama. Abole seu desejo de tornar-se rico. Afaste todos os aspectos dos desejos do seu coração para algum lugar bem distante. Se você pode livrar-se dos desejos pela riqueza, sexo, fama, comida e sono, você pode cortar as raízes do inferno, e avançar para a posição da fruição do Estado de Buda – a Eternamente Brilhante Terra Pura.

Isto é o fim do Sutra Diamante. Qualquer um que estude este sutra deve transformar o seu corpo de tal forma que ele se torne tão resistente quanto o Diamante. Ele deve fazer o seu voto, sua determinação e sua fé tão afiadas quanto o Diamante. E deve fazer sua sabedoria tão brilhante quanto o Diamante.

Ele deve aceitar completamente o princípio maravilhoso da Prajna, e praticá-lo pessoalmente para que alcance a prajna paramita, chegue à outra margem.

Aqueles que praticarem não cairão para trás. Não caia para trás! Seja corajoso e siga em frente. Avance, cada um de vocês, com vigor. Esteja determinado a ser o primeiro a atingir o Estado de Buda!

Por que então, você perguntaria, o Mestre fez o voto de não atingir o Estado de Buda até que cada um dos seus discípulos se tornasse um Buda?

Não me imite: eu sou apenas um pessoa ordinária. Eu já me esqueci. A razão de ter vindo é ajudar aos outros. Vim plantar os campos, mas não me preocupo com o meu próprio campo. Assim, não se preocupem comigo. Para que todos saibam, talvez eu já o tenha atingido antes de vocês!

Sutra Diamante – Capítulo 32 – Os Corpos de Retribuição e de Transformação são Ilusórios.

Original

A Equanimidade de Seres Viventes e Budas

  1. A equanimidade dos seres viventes e Budas. Quando eu tinha dezesseis anos, eu escrevi um dístico (estrofe de dois versos) combinado após a leitura do Sutra do Sexto Patriarca. Tendo estudado o lugar onde o texto diz: “O dharma não é súbito ou gradual, confusão e iluminação são lentas e rápidas”. Eu pensei: “Como pode ainda haver um súbito e um gradual? O que é súbito? O que é gradual? Súbito e gradual são diferentes? São duas coisas?” Assim, escrevi o seguinte:

Embora súbito e gradual sejam diferentes,

após a realização eles são um.

Por que fazer divisões de Norte e Sul?

 

Sábios e comuns são partes de um:

a natureza básica é absolutamente a mesma.

Não discuta Leste e Oeste.

“Embora súbito e gradual sejam diferentes, após a realização eles são um”. Súbito se refere à realização instantânea do Estado de Buda; gradual se refere à lenta cultivação para o Estado de Buda. Súbito e gradual são dois métodos distintos, mas quando se encerra o trabalho, não há nem súbito e nem gradual em evidência. Eles não mais existem.

“Por que fazer divisões de Norte e Sul?” O sul se refere ao Sexto Patriarca, o Grande Mestre Hwei Neng que ensinou dharmas súbitos; norte se refere ao Grande Mestre Shen Syou que advogou dharmas graduais. No sul os discípulos do Sexto Patriarca diziam: “Nós somos a verdadeira, a autêntica seita Zen (Chan)”. No norte, os discípulos do Grande Mestre Shen Syou diziam: “Nosso Mestre esteve com o Quinto Patriarca durante várias décadas. Todo o âmago do dharma do Quinto Patriarca lhe foi transmitido”. Cada seguidor dos discípulos arguia que seu mestre era autêntico. Deixe-me esclarecer neste ponto que não importa quem você conheça, você não deve defender o seu Mestre pleiteando o seu caso. Ao invés de afirmar que o seu Mestre transmite o dharma apropriado (correto), você pode dizer: “Nosso Mestre é vazio, falso, e irreal. Não há dharma que possa ser pregado. Não há nem verdadeiro, nem falso, nem certo e nem errado. Não se deve falar dos pontos positivos das pessoas ou de suas falhas”. Isto é o que você deve dizer. Não seja como os discípulos do Sexto Patriarca e do Grande Mestre Shen Syou que levaram adiante uma constante batalha na qual eles criticavam um o mestre do outro. A sua contenda cresceu até que se transformou nas divisões dos ensinamentos Súbito e Gradual, Norte e Sul. Quando eu li o Sutra do Sexto Patriarca, eu pensei que a referência ao Súbito e Gradual carecia de equanimidade, assim eu escrevi a linha: “Embora súbito e gradual sejam diferentes, após a realização eles são um”. Qual é a origem do súbito? Embora se atinja subitamente a iluminação, cultiva-se vida após vida por um longo tempo dentro do Budadharma antes daquela iluminação. Quando se colhe o fruto do longo processo de cultivação, isto é chamado súbito. Gradual se refere ao longo processo de cultivação, mas o dia em que a cultivação se completa, há a iluminação súbita. Por essa razão eu digo que não há súbito ou gradual.

“Por que fazer divisões de Norte e Sul?” Quanto mais fazer divisões como localidades. O que é sul? Você pode chamar um certo local de sul, mas se você vai ao sul dele, ele torna-se norte. No Sutra Sarangama há uma discussão do meio (intermédio), “quando visto do leste, ele é oeste, e quando visto do sul, ele é norte”. Sul e norte também são assim. Não há realmente norte ou sul, então por que fazer tais distinções em seu coração?

“Sábio e comum são partes de Um”. Sábio refere-se ao Buda; comum refere-se aos seres viventes. O mundo é dividido nesses dois tipos, mas “a natureza básica é absolutamente a mesma”. Estado de Buda é a realização da Natureza de Buda. Os seres viventes também podem revelar a sua Natureza de Buda.

“Não discuta leste e oeste”. Não diga que no oeste Amitabha é um Buda, e no leste todas as criaturas são apenas seres viventes. Não faça tais discriminações em seu coração. A Canção da Certificação para o Caminho do Grande Mestre Yung Jya diz: “Não existem pessoas e nem Budas. Os reinos como os grãos de areia em mil mundos são como uma bolha no oceano”. Se você compreende o Budadharma, não há nada a que você possa se apegar. Se você ainda tem um apego, você ainda não compreendeu o Budadharma.

“Não discuta leste e oeste”. Por que inventar tantas questões? Afinal, de onde vêm tantas questões? Essas questões nos lembram de Yajnadatta, que olhou no espelho em certa manhã e viu que a pessoa refletida tinha uma cabeça, momento em que ele compreendeu que nunca havia visto a sua própria cabeça, e concluiu que ela estava perdida. O pensamento levou-o à loucura, e ele correu desesperadamente à procura de sua cabeça. Realmente a sua cabeça não estava perdida. Ele mesmo havia chegado a essa conclusão. As pessoas que se tornam apegadas ao Budadharma são também assim. Elas se envolvem na busca pelo Budadharma. Como você realmente encontra o Budadharma? Volte-se para si; isto é o Budadharma. Voltar-se para si significa despertar. Desperte! Isto é o Budadharma. Se você não despertou, você ainda está dentro do Budadharma, mas você não compreende o que você é.

Para continuar a discussão sobre a equanimidade de seres viventes e o Buda, seres viventes são Budas pretéritos que tornaram-se seres viventes. Para seres viventes tornarem-se Budas novamente, eles necessitam apenas retornar à origem e estabelecer o Estado de Buda. Portanto ele diz: “Sábio e comum são partes de Um. A natureza básica é absolutamente a mesma”.

Sutra Diamante – Capítulo 31 – Nem Conhecimento e Nem Visão são Produzidos.

Original

« Older entries

%d blogueiros gostam disto: