CAP. 15: Emergindo da Terra

Sutra de Lótus

Naquela ocasião, na grande assembléia, os Bodhisattvas Mahasattvas que haviam vindo de outras terras, em números que excedem os grãos de areia de oito Rios Ganges, levantaram-se, juntaram as palmas das mãos, fizeram reverência, e disseram ao Buda: “Honrado pelo Mundo, se permitir-nos, após a extinção do Buda, aqui neste mundo Saha, com um sempre crescente vigor, protegeremos, manteremos, leremos, recitaremos, copiaremos e faremos oferecimentos à este Sutra, e o proclamaremos longínqua e amplamente através desta
terra[1]”.

O Buda então disse à multidão de Bodhisattvas Mahasattvas: “Basta! Bons homens, vocês não necessitam proteger e manter este Sutra. Por que não? Dentro deste meu mundo Saha há Bodhisattvas Mahasattvas iguais em número às areias de sessenta mil Rios Ganges, tendo cada um deles um séqüito igual em número às areias de sessenta mil Rios Ganges. Após a minha extinção, todos eles protegerão, ostentarão, lerão, recitarão e proclamarão vastamente este Sutra[2]”.

Tão logo o Buda disse isto, nos três mil grandes sistemas de mundos do Mundo Saha a terra tremeu e abriu-se, e do seu interior ilimitadas dezenas de bilhões de Bodhisattvas Mahasattvas emergiram simultaneamente. Todos aqueles Bodhisattvas possuíam os corpos da cor dourada, as trinta e duas marcas distintivas, e inconcebível luz. Eles residiam sob o Mundo Saha, no espaço vazio pertencente a este mundo[3]. Ouvindo o som da voz do Buda Shakyamuni, todos aqueles Bodhisattvas vieram de baixo.

Cada um daqueles Bodhisattvas era um líder que instruía e conduzia uma grande multidão. Cada um tinha um séqüito tão numeroso quanto os grãos de areia de sessenta mil Rios Ganges. Alguns outros tinham um séqüito tão numeroso quanto os grãos de areia de cinqüenta mil, quarenta mil, trinta mil, vinte mil, ou mesmo dez mil Rios Ganges. Outros ainda tinham um séqüito tão numeroso quanto os grãos de areia de um Rio Ganges, metade de um Rio Ganges, um quarto, e sucessivamente abaixo, até um milésimo de um décimo milésimo de um milionésimo de um nayuta de Rios Ganges.

Outros tinham um séqüito numeroso contado em bilhões de nayutas. Outros tinham seu séqüito contado em centenas de milhões. Outros tinham um séqüito contado em dezenas de milhões, milhões ou menos, até de dezenas de milhares. Outros tinham um séqüito de apenas mil, cem e até menos que dez discípulos. Outros tinham cinco, quatro, três, dois ou mesmo um discípulo. Ainda outros chegavam sozinhos, preferindo o isolamento. E assim eles eram em número ilimitado, inconcebível, para além do poder de cálculo ou da analogia para se fazer conhecido.

Tendo emergido da terra, todos os Bodhisattvas vieram à Torre Maravilhosa dos Sete Tipos de Jóias suspensa no espaço, onde o Tathagata Muitos Tesouros e o Buda Shakyamuni se encontravam. Chegando lá, eles circundaram os dois Honrados pelo Mundo e curvaram-se com suas cabeças aos pés daqueles Budas. Então, eles dirigiram-se para onde todos os Budas encontravam-se sentados em tronos de leão sob as árvores de jóias, curvaram-se para eles, circundaram-nos três vezes pelo lado direito, juntaram as palmas das suas mãos respectivamente, e louvaram-nos com vários louvores de Bodhisattva. Então, eles afastaram-se para um lado e contemplaram alegremente os dois Honrados pelo Mundo.

Desde o primeiro momento em que os Bodhisattvas Mahasattvas emergiram da terra, e enquanto eles louvavam os Budas com vários louvores de Bodhisattva, um período de cinqüenta pequenos kalpas transcorreu. Durante aquele tempo, o Buda Shakyamuni permaneceu sentado em silêncio, e a assembléia dos quatro tipos de crentes ficou igualmente silenciosa durante os cinqüenta pequenos kalpas. Em virtude do poder espiritual do Buda, todos na grande assembléia sentiram ter passado apenas a metade de um dia. Naquela ocasião a assembléia dos quatro tipos de crentes, em virtude do poder espiritual do Buda, foi capaz de ver todos os Bodhisattvas preenchendo totalmente o espaço de ilimitadas centenas de milhares de miríades de milhões de terras.

Em meio às multidões de Bodhisattvas Mahasattvas havia quatro líderes. O primeiro era chamado Práticas Superiores, o segundo era chamado Práticas Ilimitadas, o terceiro era chamado Práticas Puras, e o quarto era chamado Práticas Seguras (Firmemente Estabelecidas). Esses quatro Bodhisattvas, em meio à assembléia, eram líderes supremos, porta-vozes e guias. Diante das grandes multidões, eles juntaram as palmas das suas mãos, contemplaram o Buda Shakyamuni, fizeram profunda reverência curvando seus corpos a partir da cintura e disseram: “O Honrado pelo Mundo encontra-se gozando de boa saúde e livre de preocupações? Encontra-se em paz e feliz em sua prática? Aqueles a serem salvos estão receptivos aos ensinamentos? Eles não têm causado algum cansaço ao Honrado pelo Mundo”?

Os quatro Grandes Bodhisattvas então falaram versos, dizendo:

“O Honrado pelo Mundo encontra-se feliz e em paz,

livre de preocupações e enfermidades?

No ensinamento e conversão dos seres,

está livre de cansaço?

E, além disso,

têm os seres viventes recebido a conversão facilmente?

Eles não causam fadiga ao Honrado pelo Mundo”?

O Honrado pelo Mundo então, em meio à grande multidão de Bodhisattvas, disse isto: “Muito bem, muito bem, bons homens. O Tathagata encontra-se em paz e feliz, livre de enfermidades ou preocupações. Todos os seres viventes são fáceis de converter e salvar, e eles não me causam cansaço. Por que isto? Porque todos os seres viventes, em existência após existência, têm sempre recebido meus ensinamentos, e também têm prestado reverência e venerado os Budas do passado, plantando, portanto, as raízes da benevolência. Quando esses seres viventes viram-me e ouviram meus ensinamentos pela primeira vez, todos, exceto aqueles que anteriormente praticaram e estudaram o Pequeno Veículo, imediatamente os compreenderam, os aceitaram e entraram na sabedoria do Tathagata. Agora, tornarei possível a tais pessoas ouvirem este Sutra e adentrar a sabedoria do Buda”.

Naquele momento os Grandes Bodhisattvas falaram estes versos:

“Excelente, excelente,

Grande Herói, Honrado pelo Mundo,

que todos os seres viventes sejam fáceis de converter e salvar,

que eles possam indagar acerca da profunda sabedoria do Buda

e, tendo ouvido-a, compreendam-na e pratiquem-na.

Todos nós regozijamos em concordância”.

Então o Honrado pelo Mundo elogiou os líderes de todos aqueles Grandes Bodhisattvas: “Excelente, excelente, que vocês, bons homens, tenham enchido seus corações de alegria em concordância com o Tathagata”.

Naquela ocasião o Bodhisattva Maitreya e os Bodhisattvas na multidão, tão numerosos quanto os grãos de areia de oito mil Rios Ganges, todos tiveram este pensamento: “Desde o remoto passado, nunca vimos ou ouvimos acerca destes grandes Bodhisattvas Mahasattvas que emergiram da terra e encontram-se diante do Honrado pelo Mundo, com as palmas das mãos unidas, fazendo oferecimentos, curvando-se desde a cintura, e indagando-o sobre o seu bem-estar”.

Então o Bodhisattva Mahasattva Maitreya, sabendo os pensamentos que iam na mente dos Bodhisattvas e os outros, tão numerosos quanto os grãos de areia de oito mil Rios Ganges, bem como desejando resolver suas próprias dúvidas, juntou as palmas das suas mãos, olhou fixamente para o Buda, e disse versos:

“Estes ilimitados milhares de miríades de kotis de Bodhisattvas formam uma grande multidão,

tal como nunca vimos antes.

Rogamos ao Honrado Duplamente Realizado,

que nos diga de onde eles vieram,

e por que eles estão reunidos aqui.

Eles possuem corpos enormes,

grandes poderes de penetrações espirituais,

e inconcebível sabedoria.

Eles são firmes e resolutos em sua intenção e pensamento,

e possuem o grande poder da paciência.

Os seres viventes deleitam-se ao vê-los.

Mas, de onde eles vieram?

Cada um daqueles Bodhisattvas apresentou um séqüito de seguidores ilimitado em número,

tal como os grãos de areia do Ganges.

Alguns daqueles Bodhisattvas conduzem um séqüito de seres tão numeroso quanto os grãos de areia de sessenta mil Rios Ganges.

Tais são as grandes assembléias que formam,

em pensamento único,

buscando a Via do Buda.

Esses Grandes Mestres,

em número como os grãos de areia de sessenta mil Rios Ganges,

vieram todos para fazer oferecimentos ao Buda e para proteger e ostentar este Sutra.

Aqueles com séqüitos abrangendo os grãos de areia de cinqüenta mil Rios Ganges são ainda mais numerosos.

Aqueles com séqüitos em número de quarenta ou trinta mil,

vinte mil, menos de dez mil, um mil, uma centena,

e assim por diante,

até menos que os grãos de areia de um único Rio Ganges;

e aqueles com metade, um terço, ou um quarto disso,

até menos de um décimo milésimo de um milionésimo disso,

ou um milésimo de um décimo milésimo de um nayuta disso,

e aqueles com dezenas de milhares de milhões de discípulos, ou somente metade de um milhão,

são ainda mais numerosos.

Há também aqueles com centenas ou dezenas de milhares,

ou dez milhares, milhares, ou centenas, cinqüenta, ou dez,

menos que três, dois, ou um,

e aqueles que chegaram sozinhos sem seguidores,

preferindo o isolamento.

Todos estes vieram para diante do Buda em número ultrapassando os já descritos acima[4].

Tão grande é a assembléia,

que se fossemos contá-la durante kalpas,

mais numerosos que os grãos de areia do Ganges,

ainda assim não poderíamos conhecê-la totalmente.

Quem pregou o Dharma para todos estes de grande e extraordinária virtude – esta vigorosa multidão de Bodhisattvas – ensinando, convertendo e conduzindo-os à realização?

Quem os induziu originalmente a decidirem-se pela busca da iluminação?

Qual Lei Búdica que eles louvam e proclamam?

Quais sutras eles recebem, ostentam e praticam?

E em qual Via do Buda eles perseveram?

Os poderes de penetrações espirituais e grande sabedoria desses Bodhisattvas são tais que,

através das quatro direções,

a terra treme e abre-se,

e então eles emergem dela.

Honrado pelo Mundo,

desde o remoto passado,

nunca vi tal coisa.

Rogo que diga-nos os nomes das terras de onde eles vieram.

Eu estou sempre em trânsito através das terras,

mas nunca havia visto esta assembléia.

Eu não reconheço sequer um deles.

Subitamente eles emergiram da terra.

Rogo que exponhas por que razão.

Agora, nesta grande assembléia,

as ilimitadas centenas de milhares de milhões de Bodhisattvas,

todos desejam compreender esse evento:

as causas e relações, da primeira à última,

desta multidão de Bodhisattvas.

Oh! Honrado pelo Mundo de ilimitadas virtudes,

somente rogamos que elimine as dúvidas da assembléia[5]”.

Naquele momento todos os Budas que eram emanações do Buda Shakyamuni, que haviam chegado de ilimitados milhares de miríades de kotis de terras das outras direções[6], sentaram na postura de lótus nos tronos de leão sob as árvores de jóias através das oito direções. Os assistentes daqueles Budas, vendo esta grande assembléia de Bodhisattvas de três mil grandes sistemas de mundos emergindo da terra nas quatro direções e estabelecendo-se no espaço, cada um disse ao seu respectivo Buda: “Honrado pelo Mundo, de onde vieram todos esses ilimitados, incomensuráveis asamkhyas de Bodhisattvas nesta grande multidão”?

Cada um daqueles Budas então disse ao seu assistente: “Todos vocês, bons homens, aguardem apenas um momento! Há um Bodhisattva Mahasattva chamado Maitreya, a quem o Buda Shakyamuni concedeu uma profecia de que ele será o próximo Buda. Ele já indagou sobre este assunto, e o Buda está para responder-lhe. Por esta razão, todos vocês devem ouvi-lo a respeito”.

O Buda Shakyamuni então disse ao Bodhisattva Maitreya: “Excelente, excelente, Ajita, que você possa indagar o Buda sobre tão importante assunto. Todos vocês devem em pensamento único vestir a armadura da diligência e tomar uma firme resolução. O Tathagata agora deseja descortinar e proclamar a sabedoria de todos os Budas, o poder da soberania e das penetrações espirituais de todos os Budas, o poder do leão no ataque de todos os Budas, e o poder da extraordinária coragem e poderosa força de todos os Budas”.

Naquela ocasião, o Honrado pelo Mundo, desejando enfatizar estes princípios, disse versos:

“Sejam todos diligentes e de um único pensamento,

porque desejo explanar sobre este assunto.

Não alimentem dúvidas ou pesares.

A sabedoria dos Budas é inconcebível.

Agora devem, portanto, utilizar o poder da fé,

e perseverar na paciência e benevolência,

para uma Lei que desde o remoto passado nunca foi ouvida,

e que vocês agora estão para ouvir.

Estou encorajando-lhes agora,

assim não tenham dúvidas ou receios.

Os Budas nunca pregam falsidades,

e sua sabedoria não pode ser medida.

Aquela Lei Suprema que eles obtiveram é extremamente profunda, além do discernimento.

Como tal, ela agora será explanada,

devendo todos ouvir em pensamento único”.

O Honrado pelo Mundo, tendo recitado estes versos, então disse ao Bodhisattva Maitreya: “Nesta grande assembléia, farei agora este anúncio para todos vocês: Ajita! Esses incalculáveis asamkhyas de grandes Bodhisattvas Mahasattvas, que emergiram da terra e a quem vocês nunca viram antes, são aqueles a quem ensinei, converti e conduzi neste Mundo Saha após ter atingido o Anuttara-Samyak-Sambodhi. Eu domei e dominei os pensamentos desses Bodhisattvas, fazendo-lhes tomar a decisão pela Via. Todos esses Bodhisattvas vivem no espaço vazio sob o Mundo Saha. Eles leram e recitaram todos os Sutras
até penetrarem-lhes completamente. Eles ponderaram seus significados em detalhes e estão devidamente cientes deles”.

“Ajita! Todos esses bons homens não se deleitam em permanecer com as multidões ou em muita conversa. Eles sempre apreciam viver em lugares
quietos onde praticam com diligência e vigor, nunca descansando. Eles não aceitam residir com humanos ou seres celestiais[7]. Eles sempre se deleitam na profunda sabedoria e não têm obstáculos. Eles também sempre se deleitam nas Leis de todos os Budas. Com diligência e pensamento único, eles buscam a suprema sabedoria”.

Naquela ocasião, o Honrado pelo Mundo, desejando enfatizar este significado, falou versos, dizendo:

“Ajita, agora você sabe que,

durante incontáveis kalpas,

todos esses Grandes Bodhisattvas cultivaram e praticaram a sabedoria dos Budas.

Eu ensinei-lhes tudo,

causando-lhes a tomada da grande decisão pela Via.

Eles são todos meus discípulos.

Residindo neste sistema de mundos,

sempre praticando o trabalho de dhuta,

eles deleitam-se nos lugares tranqüilos.

Renunciam à agitação das massas,

e não se deleitam em muita conversa.

Esses discípulos estudam e praticam o Dharma da minha Via.

Sempre vigorosos, dia e noite,

eles buscam a Via do Buda.

Eles residem no espaço vazio sob este Mundo Saha,

firmes e poderosos em sua resolução e vontade.

Eles são sempre diligentes, buscando a sabedoria.

Eles pregam várias Doutrinas Maravilhosas,

sem medo em seus corações.

Na cidade de Gaya,

sentando sob a árvore Bodhi,

alcancei a mais correta iluminação,

e girei a suprema Roda-da-Lei.

Somente então os ensinei e os converti,

fazendo-lhes pela primeira vez tomar a decisão pela Via.

Agora todos eles residem na não-regressão,

e todos se tornarão Budas.

Agora prego a verdade;

vocês devem compreendê-la com um pensamento único.

Durante infindáveis kalpas,

ensinei e converti essas multidões”.

Naquele momento o Bodhisattva Mahasattva Maitreya e os incontáveis Bodhisattvas deram lugar às dúvidas em seus pensamentos. Perplexos diante deste anúncio sem precedentes, eles pensaram: “Como poderia o Honrado pelo Mundo, em tão curto espaço de tempo, ter ensinado e convertido esses ilimitados, inconcebíveis asamkhyas de Grandes Bodhisattvas e lhes feito estabelecerem-se no Anuttara-Samyak-Sambodhi”?

Então eles falaram ao Buda, dizendo: “Honrado pelo Mundo, quando o Tathagata era um príncipe da coroa, ele deixou o palácio dos Shakyas e foi para um lugar não muito longe da cidade de Gaya onde sentou no Bodhimanda (lugar da iluminação) e atingiu o Anuttara-Samyak-Sambodhi. Desde aquele tempo até agora, somente quarenta e poucos anos se passaram. Como, em tão curto espaço de tempo, poderia o Honrado pelo Mundo ter realizado tão grande trabalho de Buda? Foi através dos extraordinários poderes, méritos e virtudes do Buda para ensinar e converter essas ilimitadas multidões de Grandes Bodhisattvas que eles puderam atingir o Anuttara-Samyak-Sambodhi”?

“Honrado pelo Mundo, as multidões de Grandes Bodhisattvas são tantas que se uma pessoa fosse tentar contá-las ao longo de milhares de miríades de milhões de kalpas, ela não terminaria ou encontraria o seu limite. Durante intermináveis kalpas, na presença de ilimitado, incomensurável número de Budas, eles plantaram as boas raízes e atingiram a Via do Bodhisattva, sempre praticando a conduta Brahma”?

“Honrado pelo Mundo, um assunto como este é difícil para o mundo compreender. É como se, através da analogia, existisse um belo homem, de vinte e cinco anos e com brilhantes cabelos negros, que apontasse para homens de cem anos e dissesse: ‘Estes são meus filhos’. Então suponha que os homens de cem anos apontassem para aquele jovem homem e dissessem: ‘Ele é nosso pai, aquele que gerou-nos e criou-nos’. Tal coisa seria difícil de compreender”.

“O Buda também é assim. Não faz realmente muito tempo desde que ele atingiu a Via. Por outro lado, as grandes multidões de Bodhisattvas, através de ilimitados milhares de miríades de milhões de kalpas, já praticaram com diligência e vigor em prol da Via do Buda. Eles estão perfeitamente aptos a entrar, sair ou permanecer em ilimitadas centenas de milhares de miríades de milhões de Samadhis. Eles obtiveram grandes poderes espirituais e cultivaram exaustivamente a conduta Brahma. Eles estão perfeitamente aptos a praticar em
sucessão todas as boas doutrinas, e suas perguntas e respostas são inteligentes. Eles são jóias em meio à raça humana, extremamente raros no mundo. Ainda assim, há poucos momentos, o Honrado pelo Mundo disse que somente quando o Buda atingiu a Via ele os fez primeiramente tomar a decisão e que; ensinando-os, convertendo-os e guiando-os, ele levou-os para o Anuttara-Samyak-Sambodhi”.

“Não faz muito tempo que o Honrado pelo Mundo atingiu o Estado de Buda, e ainda assim ele foi capaz de realizar tão grande e meritória façanha! Entendemos que o Buda prega de acordo com o que é apropriado, que o Buda nunca prega falsidades, que a compreensão do Buda é perfeita e penetrante. Todavia, quando os Bodhisattvas que recentemente tomaram a decisão ouvirem estas palavras após a extinção do Buda, eles podem não compreendê-las ou aceitá-las. Do contrário, eles podem criar causas e relações constituindo um karma de ofensas que incorra na destruição da Lei. Este sendo o caso, Honrado pelo Mundo, nós esperamos que expliques no sentido de dissipar nossas dúvidas, e de tal forma que aquelas boas pessoas do futuro que ouçam sobre este assunto também não dêem lugar às dúvidas”.

Naquela ocasião, o Bodhisattva Maitreya, desejando enfatizar este significado, falou versos, dizendo:

“No passado,

o Buda do Clã dos Shakyas deixou o lar e dirigiu-se à próxima cidade de Gaya para sentar sob a árvore Bodhi,

não passando longo tempo desde então.

Todos aqueles discípulos do Buda,

incalculáveis em seu número,

praticaram longamente a Via do Buda,

e agora possuem o poder das penetrações espirituais.

Eles estudaram satisfatoriamente a Via do Buda.

Incorruptíveis pelas doutrinas mundanas,

como uma Flor de Lótus flutuando sobre a água,

eles emergiram da terra.

Todos demonstram comportamentos reverentes,

como se já estivessem estado diante do Honrado pelo Mundo.

Tal coisa é difícil de conceber,

como pode ser compreendida?

O Buda apenas recentemente atingiu a Via,

ainda assim suas conquistas são tão grandes.

Por favor, dissipe as dúvidas da assembléia,

e diga-nos como isto pode de fato acontecer.

É como se um homem jovem e forte,

com apenas vinte e cinco anos de idade,

apontasse para homens de cem anos,

com cabelos brancos e as faces enrugadas,

e dissesse: ‘Estes são meus filhos’.

Um pai tão jovem com filhos tão velhos,

é uma coisa difícil para o mundo entender.

O Honrado pelo Mundo também é assim;

ele atingiu a Via apenas recentemente e todos esses Bodhisattvas de firme convicção,

nem fracos ou indecisos,

ao longo de ilimitados kalpas praticaram a Via do Bodhisattva.

Inteligentes ao responder questões difíceis,

eles não têm receio em suas mentes.

Resolutos na sua paciência,

eles são altivos e dignos,

possuindo extraordinária virtude.

Elogiados pelos Budas das dez direções,

polidos na sua habilidade para fazer distinções e explicar,

eles não se deleitam em estar com as multidões,

preferindo sempre a concentração Dhyana.

Em razão de buscarem a Via do Buda,

eles estavam residindo no espaço abaixo.

Ouvindo isto do Buda,

não temos dúvida sobre este assunto,

mas esperamos que o Buda,

em prol daqueles do futuro,

dê explicações para fazê-los compreender.

Pois se eles derem lugar às dúvidas e falharem em compreender este Sutra,

eles poderiam dessa forma cair nos maus caminhos.

Indagamos agora por esta explicação sobre aqueles ilimitados Bodhisattvas,

e como, em tão curto espaço de tempo,

ensinou-os e converteu-os,

levando-os a tomar a decisão,

e a residirem no Estágio de Não-Regressão[8]”.


[1] Aqui, os Bodhisattvas Mahasattvas reiteram o seu voto de propagar o Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa no mundo Saha. Isso se dá após a exposição pelo Buda das regras monásticas no Capítulo 14 – Conduta para a Prática Bem-Sucedida, que atenuariam ou até eliminariam os percalços preconizados no Capítulo 13 – Exortação para Abraçar o Sutra.

[2] Merece destaque a expressão “Dentro deste meu mundo Saha”. Neste momento, mesmo diante dos insistentes apelos dos Bodhisattvas Mahasattvas vindos das terras das outras direções; e mesmo diante do seu voto de “com um sempre crescente vigor, proteger, manter, ler, recitar, copiar e fazer oferecimentos a este Sutra, e o proclamar longínqua e amplamente através desta terra”, o Buda não lhes dá a incumbência de levar a cabo esta tarefa, fazendo menção aos numerosos Bodhisattvas Mahasattvas deste seu mundo Saha. Com relação a esses Bodhisattvas da Terra o Buda afirma: “Após a minha extinção, todos eles protegerão, ostentarão, lerão, recitarão e proclamarão vastamente este Sutra”.

[3] “espaço vazio pertencente a este mundo”, neste sentido, denota o vácuo imponderável donde emerge a fenomenologia do mundo tríplice. A ciência de hoje, sem poder descrevê-lo ou mensurá-lo, trata essa dimensão simplesmente como “vácuo” ou “campo primordial”.

[4] Essa relação pode ser compreendida imaginando-se uma pirâmide, sendo que os mais numerosos e sós são os elementos que se encontram na base da pirâmide, crescendo exponencialmente o séqüito de seguidores na medida em que aqueles em menor número ocupam as posições acima da base. No vértice superior da pirâmide encontra-se o Buda Shakyamuni e no primeiro nível abaixo se encontram 4(quatro) posições ocupadas pelos líderes dos Bodhisattvas da Terra. Imaginem-se quatro esferas justapostas sobre as quais se apóia uma esfera ao centro. Este é o “Real Pico da Águia Sagrada”. Aqueles que o galgam trazem consigo um séqüito de um inconcebível número de seguidores. Essa é a inalienável função do Bodhisattva, numa direção; e é o inconcebível poder do Buda de adentrar este mundo salvando todos os seres.

[5] O aparecimento dos Bodhisattvas da Terra suscitou dúvidas nos membros da grande assembléia formada por imensuráveis centenas, milhares, milhões de bodhisattvas; e mesmo nos assistentes dos Budas que eram emanações do Buda Shakyamuni e tinham chegado de imensuráveis milhares, dezenas de milhar, milhões de terras das outras direções.

[6] Quando no capítulo sobre o “Aparecimento da Torre de Tesouro” o Buda purifica as terras búdicas, ele o faz nas 8(oito) direções, que vão do estado de inferno ao estado de absorção, nomeadamente: inferno, fome, animalidade, ira, tranqüilidade, alegria, erudição e absorção. Todos esses Budas que são suas emanações, que se originam destas direções, são Budas transitórios de terras impuras. As duas direções remanescentes (Bodhisattva e Buda) apontam para o “espaço vazio” sob o mundo Saha, que tudo detém em sua essência imponderável. Esses Bodhisattvas da Terra, assim chamados, emergem do “mundo” do Buda do remoto passado através dos seus poderes transcendentais. Eles residem no estado de pureza absoluta e não poderiam ser conhecidos ou vistos pelos Budas e Bodhisattvas das 8(oito) direções, onde toda a fenomenologia é transitória e impermanente, a não ser através dos poderes do Buda do tempo sem começo.

[7] Então, esses Bodhisattvas Mahasattvas somente aceitam manifestar-se como Bodhisattvas nos mundos das oito direções; ou seja, aqueles Bodhisattvas dos mundos das oito direções, à semelhança dos Budas, são emanações desses Bodhisattvas Originais, são transitórios e impermanentes.

[8] Esta dúvida dos Bodhisattvas das terras das 8(oito) outras direções presentes na assembléia é que suscita a revelação da duração da vida do Buda no capítulo seguinte. Esta é uma das grandes revelações do Sutra de Lótus, descortinando os ensinos essenciais.

N.T. As notas e comentários introduzidos nesta tradução do Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa para a língua portuguesa falada no Brasil são da autoria e inteira responsabilidade de seu tradutor Marcos Ubirajara de Carvalho e Camargo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: