O Manifesto da Terra

O Manifesto da Terra

“… Bandidos, degredados de outras esferas de mundo, o que querem aqui?”

“Sou a Terra que lhes fala, feita da mais pura gema jamais imaginada ou encontrada pelos próprios humanos, meus hóspedes neste sistema de mundos. O que querem aqui?…”

“. ..Aqui, estarão sujeitos ao Caminho Médio, quer sejam boas ou más as suas devidas retribuições. Aqui, o coxo poderá andar livremente, pensando estar sonhando. Aqui, o magnífico tomará da mesma água, da mesma fonte daqueles destituídos da sorte que lhes fora atribuída por suas obras passadas. Aqui, o pêndulo irá para o repouso, forçosamente, porque o Cristal Perfeito, a gema das gemas, dissolverá a iniqüidade em suas mais diversas vertentes, que os estudiosos da Via, entre vocês, chamam de “energias”. Aqui, certamente, não será o lugar para a perpetuação da vilania que impera nos mundos de onde vieram. Então, o que querem aqui?”

“A Terra é Sagrada, o Mundo Saha é Sagrado. Como podem imaginá-lo à sua semelhança, semelhança essa que nem lhes pertence? Vocês são semelhança da negação. Mais além, são semelhança da dualidade da vida e da morte, que atormenta seus sonhos de poder e auto-pertencimento. A Terra não lhes proverá o tesouro que almejam. Então, o que querem aqui?”

“Mas, não tenham dúvidas, a Terra lhes proverá um destino, qual seja o lugar de onde vieram”.

Os Três Requisitos para o Estado de Buda

“Tudo neste mundo – uma folha de capim, uma árvore, uma pedra ou mesmo um punhado de pó – tem os três requisitos para o Estado de Buda: uma Natureza de Buda inata, o potencial para compreendê-lo e a causa para levar a Natureza de Buda a se desenvolver”.

O Capítulo 2 – Meios Hábeis, do Sutra de Lótus, contém a passagem: “Os Budas aparecem neste mundo a fim de possibilitar às pessoas desenvolverem a sabedoria do Buda”.

Nitiren Daishonin em “O Verdadeiro Objeto de Adoração” ou “Kanjin no Honzon Sho” – em 25/abril/1273.

Por que Tudo Isto

Oh, Orroz! Você me indaga por que tudo isto?

Digo-lhe que é porque você perdeu a compostura devida a um magistrado, em primeiro lugar. Ato contínuo, perdeu a compostura devida a um humano, seja da alta ou da mais baixa casta, ao despojar sua alma pelo poder mundano.

Aqui, Orroz, neste Tribunal da Equanimidade, este é um crime de grau superlativo, que reclassifica todos os demais crimes possíveis como meros meios expedientes de um serviçal do Reino Obscuro; e isto já está estampado em suas “caras e bocas”, em sua postura insolente ao tomar assento na Casa do Povo daquele país distante, que fica a oeste daqui, e que se chama Ingratidão.

Basta, Orroz!

“Aquela gente aprenderá a ficar de pé, ironicamente por causa de ti”.

Por que as aspas? Porque essa é a sua sentença!

A Lenda de ORROZ

Orroz em “O Diário de um Tolo

No Palácio das Retribuições

Aquela voz interpenetrava de átomos a estrelas, galáxias…

Dizia: “Fiquem tranquilos, pois não restará um de vós sem a merecida retribuição!”

É assim, é assim!

Antigos, Angkor, Templos De Angkor Wat, Budismo

Site de origem: Pixabay – Visite-o clicando no link.

 

%d blogueiros gostam disto: