Ensinamentos de Nitiren Daishonin

“O ovo de um pássaro não contém senão líquido, mas dele se desenvolve um bico, dois olhos e todas as partes que formam um pássaro, e pode voar pelos céus. Nós também somos como o ovo, ignorantes e vis, mas, quando nutridos pela recitação do Namu Myoho Rengue Kyo, desenvolvemos o bico das trinta e duas feições do Buda e as penas das suas oitenta características, e ficamos livres para voar nos céus da realidade última. O Sutra do Nirvana afirma que todas as pessoas estão envolvidas pela casca da ignorância, faltando-lhes o Bico da Sabedoria. O Buda volta a este mundo, tal como o pássaro-mãe retorna ao seu ninho e quebra a casca para que todas as pessoas, como aqueles filhotes, possam deixar seu ninho e voar nos céus da Iluminação.”

Nitiren Daishonin em Carta a Niike, em 1280.
As Escrituras de Nitiren Daishonin, Vol. IV.

Leia mais em …

Conteúdo deste Fascículo:

Tatsunokuti, A Boca do Dragão

A Natureza de Nossas Vidas

Impermanência

O Espelho das Verdades Imutáveis

O Respeito Devido à Sangha

Sobre Devotar a Vida

Um Dia na Vida

A Teoria e a Prática

Respeito-os Profundamente

A Herança da Lei Última da Vida

Por Que Devemos Respeitar Uns aos Outros

A Felicidade Real

Quando Devemos Calar

O Presente de Arroz

O Sutra de Lótus e a Crise Mundial

Amor Filial e Lealdade

Em Busca do Ideal Supremo

O Grande Caminho

Uma Vida Pacífica Neste Mundo

A Felicidade Neste Mundo

Um Navio Para Atravessar o Mar do Sofrimento

A Terra Sagrada

Admoestação Contra o Apego

O Verdadeiro Itinen Sanzen

A Doutrina Máxima do Itinen Sanzen

O Preceito do Cálice de Diamante

Lua de Outono

Os Ventos da Fama e da Fortuna

O Bico da Sabedoria

A Flor do Lótus

A Flor do Lótus

Myoho-Rengue-Kyo é comparada ao lótus. A flor de mahamandarava no céu e a flor de cerejeira no mundo humano são celebradas, mas o Buda não escolheu nenhuma delas para ser equiparada ao Sutra de Lótus. De todas as flores, ele selecionou a Flor de Lótus para simbolizar o Sutra de Lótus. Há uma razão para isto. Algumas plantas primeiro florescem e depois produzem frutos, ao passo que em outras os frutos aparecem antes das flores. Algumas geram somente uma flor, mas muitos frutos; outras lançam frutos sem florirem. Deste modo, há várias espécies de plantas, mas o lótus é o único que produz flores e frutos simultaneamente. Os benefícios de todos os outros sutras são incertos, pois ensinam que a pessoa deve primeiro fazer boas causas e, só então, poderá tornar-se um Buda em algum tempo a seguir. O Sutra de Lótus é completamente diferente. Uma mão que o segura imediatamente atinge a iluminação, e uma boca que o recita instantaneamente entra no Estado de Buda, assim como a lua é refletida na água no momento em que se eleva por detrás das montanhas do leste, ou como o som e seu eco surgem concomitantemente.”

Nitiren Daishonin em Wu-Lung e I-Lung, em 1281.

As Escrituras de Nitiren Daishonin, Vol. IV.

O Bico da Sabedoria

“O ovo de um pássaro não contém senão líquido, mas dele se desenvolve um bico, dois olhos e todas as partes que formam um pássaro, e pode voar pelos céus. Nós também somos como o ovo, ignorantes e vis, mas, quando nutridos pela recitação do Nam-Myoho-Rengue-Kyo, desenvolvemos o bico das trinta e duas feições do Buda e as penas das suas oitenta características e ficamos livres para voar nos céus da realidade última. O Sutra do Nirvana afirma que todas as pessoas estão envolvidas pela casca da ignorância, faltando-lhes o Bico da Sabedoria. O Buda volta a este mundo, tal como o pássaro-mãe retorna ao seu ninho e quebra a casca para que todas as pessoas, como aqueles filhotes, possam deixar seu ninho e voar nos céus da Iluminação.”

Nitiren Daishonin em Carta a Niike, em 1280.

As Escrituras de Nitiren Daishonin, Vol. IV.

Os Ventos da Fama e da Fortuna

“Nas profundezas das Montanhas Nevadas (Himalayas) vive um pássaro chamado Kankutyo que, torturado pelo frio paralisante, chora dizendo que fará um ninho na manhã seguinte. Todavia, quando o dia irrompe, ele se esquece das horas na luz morna da manhã, deixando de construir o seu ninho. Dessa forma, continua chorando em vão durante toda a vida. Isso é também verdadeiro com as pessoas. Quando caem no inferno e se sufocam em suas chamas, desejam renascer humanas e juram deixar tudo de lado para servir os Três Tesouros e atingir a iluminação na existência seguinte. Porém, mesmo nas raras ocasiões em que renascem sob a forma humana, os ventos da fama e da fortuna sopram com violência e a luz da prática Budista é facilmente apagada. Sem qualquer escrúpulo, desperdiçam suas riquezas em insignificâncias, mas restringem mesmo a menor contribuição ao Buda, à Lei e ao Sacerdote. Isso é muito sério, pois estão sendo influenciados pelos mensageiros do inferno. Este é o significado de ‘o bem aos centímetros convida o mal aos metros’.”

Nitiren Daishonin, em Carta a Niike, em 1280.

As Escrituras de Nitiren Daishonin, Vol. IV.

Lua de Outono

“Empenhe-se no desenvolvimento da fé até o último dia da sua vida. Caso contrário, arrepender-se-á. Por exemplo, a viagem de Kamakura a Quioto leva doze dias. Se viajar durante onze dias e parar antes de completar o décimo-segundo dia, como poderá admirar a lua da linda capital? Em qualquer circunstância, aproxime-se do sacerdote que conhece a essência do Sutra de Lótus, continue aprendendo dele a verdade do Budismo e prossiga a sua viagem de fé.

Como passam depressa os dias! Isso nos faz perceber como são curtos os anos que deixamos. Os amigos admiram as flores de cerejeira nas manhãs de primavera e então partem, levados como as flores pelos ventos da impermanência, nada deixando senão os nomes. Embora as flores tenham sido dispersadas, as cerejeiras florescerão outra vez com a chegada da primavera, mas quando renascerão aquelas pessoas? Os companheiros com quem compusemos poemas admirando a lua, nas noites de outono, desapareceram com a lua atrás das nuvens passageiras. Somente suas imagens mudas continuam em nossos corações. A lua se pôs atrás das montanhas do ocidente, mas nós iremos compor poemas sob a mesma no próximo outono. Mas onde estão os nossos companheiros que faleceram? Mesmo quando o Tigre da Morte ruge próximo a nós, não o ouvimos. Quantos dias restam ainda ao cordeiro destinado ao sacrifício?”

Nitiren Daishonin em Carta a Niike, em 1280.

As Escrituras de Nitiren Daishonin, Vol. IV.

O Preceito do Cálice de Diamante

“Os cinco caracteres do Myoho-Rengue-Kyo, o âmago do ensino essencial do Sutra de Lótus, contém todos os benefícios acumulados pelas práticas benéficas e atos meritórios de todos os Budas por todo o passado, presente e futuro. Deste modo, como que esta frase não incluiria os benefícios obtidos através da observação de todos os preceitos do Buda? Uma vez que o praticante abrace este preceito perfeitamente dotado, ele não pode quebrá-lo mesmo que tente. É, portanto, denominado Preceito do Cálice de Diamante.”

Nitiren Daishonin, em Ensino, Prática e Prova, em 1275.

As Escrituras de Nitiren Daishonin, Vol. IV.

Interessante ler O Sutra do Cálice Vazio de Cristal Perfeito.

A Doutrina Máxima do Itinen Sanzen

“O Sutra de Lótus contém vinte princípios notáveis. Entre esses vinte, o mais vital é a revelação do capítulo Juryo (CAP. 16: A Duração da Vida do Tathagata) de que Shakyamuni atingiu a iluminação pela primeira vez em Gohyaku-Jintengo. As pessoas podem muito bem tentar imaginar o que o Buda quiz dizer com isto. Através desta revelação, ele ensinou que mortais comuns como nós, que estiveram submersos nos sofrimentos de nascimento e morte desde o tempo sem início e que jamais sequer sonharam alcançar a margem da iluminação, são, em essência, Budas originalmente dotados com as três propriedades iluminadas. Ou seja, ele ensinou a doutrina máxima do Itinen Sanzen. Nesta perspectiva, o senhor deve asseverar a supremacia do Sutra de Lótus entre todos os ensinos do Buda.”

Nitiren Daishonin, em “Ensino, Prática e Prova“, em 1275.

As Escrituras de Nitiren Daishonin, Vol. IV.

O Verdadeiro Itinen Sanzen

“Quando chegamos ao capítulo Juryo (Capítulo 16 – A Duração da Vida do Tathagata) do ensino essencial, a crença de que Shakyamuni atingiu o Estado de Buda pela primeira vez na Índia é demolida e os efeitos (iluminação) dos quatro ensinos são identicamente demolidos. Quando os efeitos dos quatro ensinos são demolidos, suas causas são igualmente demolidas. ‘Causas’ neste contexto indicam a prática Budista (para atingir a iluminação) ou o estágio dos discípulos dedicados à prática. Assim, as causas e efeitos, na forma exposta tanto nos ensinos pré-Sutra de Lótus como no ensino teórico do Sutra de Lótus, são extirpadas, e as causas e efeitos dos Dez Mundos no ensino essencial são revelados. Esta é a doutrina da causa original e do efeito original. A mesma ensina que os nove mundos estão todos presentes no Estado de Buda sem início, e que o Estado de Buda existe nos nove mundos sem início. Esta é a verdadeira possessão mútua dos Dez Mundos, os verdadeiros cem mundos e mil fatores, o verdadeiro Itinen Sanzen.”

Nitiren Daishonin em A Essência do Capítulo Juryo.

As Escrituras de Nitiren Daishonin, Vol. IV.

Leia também Itinen Sanzen aqui no Cristal Perfeito.

Admoestação Contra o Apego

“Faz parte da natureza dos mortais comuns não saber o que os aguarda no futuro. Aqueles que têm boa ciência do assunto são chamados sumidades ou sábios. Omitindo exemplos do passado, citarei um do presente. O Lorde Hojo Yoshimasa renunciou aos seus dois domínios e tornou-se um sacerdote leigo. Soube que, no final, ele abandonou todas as suas muitas propriedades, deixou seus filhos e filhas, e também sua esposa, e isolou-se do mundo. O senhor não possui nem filhos nem irmãos com quem possa contar. Os seus dois feudos são tudo que possui. Esta vida é como um sonho. A pessoa não sabe nem se estará viva amanhã. Mesmo que o senhor se torne o mais miserável dos mendigos, jamais desonre o Sutra de Lótus. Como de qualquer modo a vida é tão breve, o senhor não deve chorar por causa do seu destino. Como o senhor mesmo escreveu em sua carta, deve agir e falar sem o mínimo servilismo. Adulação e lisonja somente lhe causarão maiores danos. Mesmo que os seus feudos sejam confiscados ou que o senhor próprio seja expulso, pense que isso se deva à ação das Dez Deusas, e confie-se a elas.

Não tivesse eu, Nitiren, sido exilado e tivesse permanecido em Kamakura, certamente teria sido morto na batalha. De maneira análoga, como o fato de continuar a serviço do seu lorde poderia vir a ser prejudicial ao senhor, o Buda Shakyamuni pode muito bem ter projetado os acontecimentos.”

Nitiren Daishonin em Uma Admoestação Contra o Apego ao Feudo, em 1277.

As Escrituras de Nitiren Daishonin, Vol. IV.

A Terra Sagrada

“Esta é uma região montanhosa distante de qualquer habitação humana. Não há uma única vila em qualquer direção. Embora eu more em uma cabana tão abandonada, no fundo desta carne mortal, eu preservo a Lei Secreta Máxima, herdada do Buda Shakyamuni no Pico da Águia. O meu coração é onde todos os Budas entram no Nirvana. Minha lingua, onde eles giram a roda da doutrina. Minha garganta, onde eles nascem neste mundo, e meus lábios, onde eles atingem a iluminação. Esta montanha é onde habita o magnífico devoto do Sutra de Lótus. Portanto, como pode ser menos sagrada que a terra pura do Pico da Águia? Por ser a Lei suprema, a Pessoa é digna de respeito. Como a Pessoa é digna de respeito, a Terra é Sagrada.”

Nitiren Daishonin em Resposta ao Lorde Nanjo, em 1281.

As Escrituras de Niriren Daishonin, Vol. III.

A Terra Sagrada

A Terra Sagrada

« Older entries

%d blogueiros gostam disto: