O Avatar

Minha vida vinha passando por grandes transformações. Andava solitário, introspectivo, não era mais aquele urbanóide de outrora. Buscava lugares quietos, longe das multidões e de muita conversa. Inclinava-me para uma vida mais despojada, quando em janeiro de 2004, eu e a Dôra, fizemos uma visita ao seu irmão Júlio, um ambientalista militante, que vive em André do Mato Dentro, um subdistrito isolado pertencente ao município de Santa Bárbara-MG, diga-se de passagem, de difícil acesso. Adorei aquele lugar. Andamos no mato e, instruídos por Júlio, um profundo conhecedor da flora do cerrado, viríamos a estreitar os laços com a natureza daquele lugar maravilhoso.

Visitamos então uma cachoeira após longa caminhada. Na volta, no dia 07 de janeiro de 2004, Júlio fez essa foto que adotei como meu avatar. Aquela pessoa caminhando à frente é Maria Auxiliadora (Dôra).

Avatar de Muccamargo

A Trilha do Grande Veículo

Foi aí! Aí que eu começaria a empreender a longa jornada. Entendi que essa trilha era o Caminho. Por essa razão, o primeiro blog chamaria “Cristal Perfeito – A Trilha do Grande Veículo”, o Veículo Único, o veículo da igualdade entre todas as coisas. Ideias que eu vinha fomentando desde os idos de 1979 começavam a se cristalizar. A tão procurada Natureza de Buda não estava em lugar algum, mas eu é que estava nela, imerso, como a impureza num Cristal Perfeito.

Continua no próximo episódio semanal de:

A História da Tradução do Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa

por Marcos Ubirajara de Carvalho e Camargo.

Episódios Anteriores:

O Fato Motivador da Tradução do Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa

O Último Dia

Pérolas do Universo – Fascículo XII

“O que é fé? O Bodhisattva-Mahasattva acredita que existe recompensa nos Três Tesouros e na doação. As duas realidades [isto é, a relativa e a ultimada] e a Via do Veículo Único [‘ekayana’] não são diferentes. Ele acredita que todos os Budas e Bodhisattvas desdobram as coisas em três (veículos), de tal maneira que todos os seres alcancem rapidamente a Emancipação. Ele acredita na ‘Paramartha-satya’ [‘a verdade da Realidade Última’] e nos bons meios hábeis. Isto é fé.

Uma pessoa que assim acredita não pode ser derrotada por quaisquer Shramanas, Brâmanes, Marapapiyas, Brahma, ou quem quer que seja. Quando uma pessoa baseia-se nessa fé, ela ganha a natureza de um sábio sagrado. Ela pratica a doação – quer seja grande ou pequena – e tudo isto leva ao Mahaparinirvana, e dessa forma essa pessoa não cai no (ciclo do) nascimento e morte. O mesmo se passa com a observância dos preceitos morais, com a audição da Via, e com a Sabedoria, também. Isto é fé.”

Leia mais em Pérolas do Universo – Fascículo XII.

Perolas do Universo 12

Click na imagem para leitura ou download

English Version

Conteúdo deste Fascículo:

As Profundezas do Caminho Médio   3

O Que é Fé. 4

O Que é Mente Correta  5

A Qualidade Daquele Que Indaga  5

Os Nove Fatores das Relações Causais nas Doenças  6

A Harpa e o Rei 7

A Natureza da Nata  8

Pais e Filhos. 9

A Natureza Original de Todas as Coisas  10

O Rugido do Leão. 11

Os Passos do Leão. 14

Natureza de Buda. 15

A Visão dos 12 Elos da Interdependência  17

A Iluminação Insuperável Final de Todos os Seres  18

O Absoluto. 19

A Natureza de Buda de Todos os Seres  20

Cores à Luz do Dia  21

Os Doze Elos do Surgimento Interdependente  22

A Grama dos Himalayas  24

Desejar Pouco e Sentir-se Satisfeito   25

Os Três Tipos de Desejo   25

O Esforço para o Mahaparinirvana  26

Visão e Audição Sobre a Natureza de Buda  27

O Absoluto

“Oh bom homem! Sobre o absoluto, existem dois tipos. Um é o absoluto no adorno, e o outro é o absoluto ultimado (final). Um é o absoluto no sentido secular, e o outro é o absoluto no sentido supramundano. Por absoluto no adorno se entende os seis paramitas; o absoluto ultimado é o Veículo Único que os seres obtêm. O Veículo Único é a Natureza de Buda. Este é o porquê eu digo que todos os seres possuem a Natureza de Buda. Todos os seres possuem o Veículo Único. Como a ignorância encobre-lhes, eles não podem ver. Oh bom homem! No Uttarakuru, a fruição do Céu Trayastrimsa não pode ser vista pelos seres porque há o encobrimento [da ignorância]. É o mesmo com relação à Natureza de Buda. Os seres não podem vê-la em razão do encobrimento pelas impurezas.”

Sutra do Nirvana, Capítulo 33, sobre o Bodhisattva Rugido do Leão 1.

the absolute.mp3

O Que é Fé

What is Faith.mp3

“O que é fé? O Bodhisattva-Mahasattva acredita que existe recompensa nos Três Tesouros e na doação. As duas realidades [isto é, a relativa e a ultimada] e a Via do Veículo Único [‘ekayana’] não são diferentes. Ele acredita que todos os Budas e Bodhisattvas desdobram as coisas em três, de tal maneira que todos os seres alcancem rapidamente a Emancipação. Ele acredita na ‘Paramartha-satya’ [‘a verdade da Realidade Última’] e nos bons meios hábeis. Isto é fé.

Uma pessoa que assim acredita não pode ser derrotada por quaisquer Shramanas, Brâmanes, Marapapiyas, Brahma, ou quem quer que seja. Quando uma pessoa baseia-se nessa fé, ela ganha a natureza de um sábio sagrado. Ela pratica a doação – quer seja grande ou pequena – e tudo isto leva ao Mahaparinirvana, e dessa forma essa pessoa não cai no (ciclo do) nascimento e morte. O mesmo se passa com a observância dos preceitos morais, com a audição da Via, e com a Sabedoria, também. Isto é fé.”

Sutra do Nirvana, Capítulo 32, sobre o Bodhisattva Rei Altamente-Virtuoso 6.

O Voto do Bodhisattva em Doação de Veículos

“Também, além disso, oh bom homem! Quando o Bodhisattva-Mahasattva, com o seu coração de amor-benevolente, oferece veículos, ele deveria sempre orar: ‘Compartilharei o que ofereço agora com todos os seres e, em razão disto, farei com que todos os seres se tornem perfeitos no Mahayana e residam nele. E eles não retroagirão deste veículo que será inabalável e adamantino. O que será buscado não será o veículo do Sravaka ou do Pratyekabuda, mas o Veículo do Buda, um veículo imbatível [indestrutível], um veículo que não é fraco e não está ausente em parte alguma, que não cai ou naufraga, o veículo insuperável, o veículo dos dez-poderes, o veículo da grande-virtude, o veículo incomparável, o veículo mais raro, o veículo difícil de encontrar, o veículo ilimitado, e o veículo onisciente’. Oh bom homem! Quando o Bodhisattva-Mahasattva, com seu coração de amor-benevolente, oferece um veículo, ele deveria sempre fazer esse voto.”

Excerto do Sutra do Nirvana, CAP. 21 – Sobre Ações Puras 1.

O Mais Profundo dos Ensinos do Buda

“Todos os Budas, Honrados Duplamente Realizados,
sabem que todos os fenômenos são eternamente desprovidos de uma natureza.
A semente do estado de Buda germina das causas e condições;
sendo assim, eles pregam o Veículo Único.

Esta Lei permanece latente e imutável,
residindo eternamente nos aspectos mundanos.
Alcançando a compreensão disto no Lugar da Iluminação,
o Mestre Guia ensina-o através dos meios hábeis“.

Este ensino foi exaltado por todos os Budas das dez direções que com o som Brahma bradaram:

‘Excelente, Oh Shakyamuni,
Supremo Mestre Guia.
Tendo atingido a Lei insuperável,
você segue o exemplo de todos os Budas,
ao empregar o poder dos meios hábeis.
Igualmente, nós também obtivemos essa Lei insuperável,
a mais maravilhosa.
Para os vários tipos de seres viventes,
fizemos distinções e ensinamos os Três Veículos.
Aqueles de pouca capacidade,
que se comprazem nas leis inferiores,
não compreendem que eles podem tornar-se Budas.
Essa é a razão de usarmos os meios hábeis,
para fazer distinções e ensinar os vários objetivos.
Mas, embora Três Veículos sejam ensinados,
o são unicamente em prol da instrução de Bodhisattvas’.

Este é chamado O Giro da Roda da Lei.

Excerto do CAP. 02 – Meios Hábeis, pág. 53.

Muito interessante também, veja
Meios Hábeis do Buda
O Pedido do Brahma Buda
no blog Samsara.

O Doce Sabor da Chuva Universal

Nas montanhas, rios e vales íngremes,

nos profundos recessos,

lá crescem as gramas, árvores e ervas,

tanto as grandes como as pequenas,

as sementes, brotos e plantas,

a cana-de-açúcar e a uva do vinho;

todas são nutridas pela chuva,

e nunca falham em tornarem-se ricas.

 

Quando o solo ressequido é embebido,

as ervas e árvores florescem juntas.

Emanando daquela nuvem,

a água de um único sabor umedece as gramas,

árvores e florestas.

Cada uma, de acordo com a sua medida,

todas as árvores grandes, médias ou pequenas,

de acordo com o seu tamanho,

podem crescer e desenvolver-se.

Quando encontradas por aquela singela chuva,

as raízes, troncos, galhos e folhas,

flores e frutos com seu brilho e cor,

todos são refrescados e limpos.

De acordo com a sua substância,

características e natureza,

sejam grandes ou pequenas,

elas igualmente recebem a umidade,

e cada uma floresce.

 

O Buda, da mesma forma,

manifesta-se neste mundo como uma grande nuvem,

recobrindo todas as coisas.

Uma vez no mundo,

em prol dos seres viventes,

ele discrimina[1] e expõe a realidade de todos os Fenômenos.


[1] Embora a Chuva do Dharma seja abundante para todos e de um único sabor, o sabor do Veículo Único do Buda, em prol dos seres viventes, e de acordo com as suas capacidades, os Budas os discriminam e pregam como se fossem três: o sabor do Veículo do Ouvinte, o sabor do Veículo do Pratyekabuda e o sabor do Veículo do Bodhisattva.

Excerto do CAP. 05 – Ervas Medicinais pág. 127.

Chuva Universal
Foto de Marcos Ubirajara. Local: Sítio da Dôra em 05/04/2008.

Ver em Cristal Perfeito:

O Daimoku do Sutra de Lótus

Os Reis de Todos os Fenômenos

Os Budas são raros de encontrar.
Ilimitados, imensuráveis e inconcebíveis são os poderes das suas grandes penetrações espirituais.
Sem falhas e não-condicionados,
eles são os Reis de Todos os Fenômenos.
Em prol dos mais fracos,
eles esforçam-se neste trabalho.
Para as pessoas comuns apegadas às aparências,
eles ensinam o que é apropriado.

Os Budas, em relação às Leis,
atingiram total liberdade.
Eles compreendem todos os seres viventes,
seus vários desejos e prazeres,
bem como a força da sua vontade,
e de acordo com as suas capacidades,
usando ilimitadas metáforas,
eles ensinam-lhes a Lei,
de acordo com as raízes de virtudes plantadas nas existências anteriores dos seres viventes.

E conhecendo aqueles que amadureceram,
e aqueles que não amadureceram ainda,
através de cálculos,
discriminam e compreendem,
e no ensinamento do Veículo Único,
eles apropriadamente pregam como se fossem três”.

Excerto do CAP. 04 – Fé e Compreensão, pág. 121.

Ver em Cristal Perfeito

A Metáfora do Mundo Saha

A Metáfora do Corpo Físico

Os Três Veículos em Prol do Veículo Único do Buda

“Então o velho homem teve esta idéia: ‘A casa já está em brasas com o grande incêndio. Se meus filhos e eu[1] não nos retirarmos a tempo, certamente seremos queimados. Deverei então utilizar-me de um meio hábil, de tal forma a evitar esse desastre’”.

 “O pai, conhecendo as predileções dos seus filhos e as preferências de cada um por diversos brinquedos preciosos e brincadeiras raras, aos quais eles respondiam com felicidade, falou-lhes o seguinte: ‘As coisas com as quais vocês realmente gostariam de brincar são raras e difíceis de obter[2]. Se vocês não as aceitarem, certamente arrepender-se-ão mais tarde. Coisas tais como: uma variedade de carros puxados por carneiros, puxados por cervos e por bois[3]; encontram-se agora do lado de fora da casa para o seu divertimento. Saiam todos rapidamente desta casa em chamas e eu darei tudo quanto vocês queiram’”.

 “Então, as crianças, ouvindo seu pai falar desses preciosos brinquedos que correspondiam exatamente aos seus maiores desejos[4], impeliram-se avidamente acotovelando-se uns aos outros em louca disparada, todos brigando para sair da casa em chamas”.

 


[1] “Meus filhos e Eu” significando que o Buda entra no mundo tríplice para salvar seus filhos dos fogos do nascimento, da doença, da velhice e da morte. Nos domínios de Samsara, esse ciclo se perpetua para aqueles de pouca sabedoria.

[2] Essas predileções por brinquedos preciosos e brincadeiras raras significam que os filhos do Buda possuem a sabedoria inata, necessitando apenas das causas e relações para revelá-las. Todavia, a mais rara das oportuninades está em receber, acatar e ter fé na instrução do Pai Benevolente que se utiliza dos meios hábeis para salvar seus filhos.

[3] Constituindo os 3 (três) veículos do Ouvinte, do Pratyekabuda e do Bodhisattva; utilizados então como um meio hábil do Buda para conduzir os seus filhos através da única e estreita porta de saída da casa em chamas; isto é, a Via do Bodhisattva ou Veículo Único.

[4] Neste contexto, desejos são causa para a iluminação. Os veículos do Ouvinte e do Pratyekabuda ainda encontram-se nos domínios dos desejos; pois, ainda constituem uma prática para si. Muitas pessoas, oprimidas pelos sofrimentos e pela delusão, acabam buscando nas Doutrinas do Buda o alívio para suas dores e incompreensões. Em razão das suas incapacidades para compreender a Lei Maravilhosa, os Budas pregam os três veículos, utilizando os desejos dessas pessoas como uma força transformadora em prol da sua própria salvação.

Excerto do CAP. 03 – A Parábola (da Casa em Chamas), pág. 74.

O Segredo Essencial de Todos os Budas

Shariputra, todos vocês,
os Ouvintes e Bodhisattvas,
devem saber que esta Lei Maravilhosa é o segredo essencial de todos os Budas.

No mundo da maldade das cinco impurezas,
seres que estão alegremente apegados aos prazeres e desejos,
nunca buscarão a Via do Buda.
Pessoas más do futuro, em sua delusão,
ouvindo o Buda pregar o Veículo Único,
não o aceitarão ou compreenderão,
mas o caluniarão e cairão nos maus caminhos.
Mas, para aqueles com humildade e pureza,
que resolutamente buscam a Via do Buda,
às pessoas como essas,
eu exalto o caminho do Veículo Único, extensivamente.

Shariputra, agora você sabe,
que a Lei de todos os Budas é como esta.
Através de milhões de meios hábeis,
eu prego a Lei Insuperável de acordo com o que é apropriado.
Mas aqueles que não a estudam,
nunca virão a compreendê-la.
Uma vez que vocês já sabem que todos os Budas,
Mestres do Mundo,
trabalham através de meios hábeis,
vocês não devem mais ter dúvidas.
Deixem seus corações encherem-se de alegria,
porque agora sabem que atingirão o Estado de Buda”.

Excerto do CAP. 02 – Meios Hábeis, pág. 59.

« Older entries

%d blogueiros gostam disto: