Oferecimento de Flores

2.    Flores. Quanto mais finas as flores que você oferece ao Buda, maior o mérito e virtude que você recebe pelo oferecimento. Não gaste todo o seu dinheiro apenas com boas coisas para comer; reserve um pouco para um oferecimento ao Buda. A retribuição pelos oferecimentos de flores é que você terá feições perfeitas e será muito belo ou extremamente elegante em sua próxima vida. As pessoas se apaixonarão por você à primeira vista. Mulheres serão fortemente atraídas por você se for um homem, e homens serão incapazes de resistir sua beleza se você for uma mulher. “Isto é muito problemático”, você poderá dizer. “Eu não quero me envolver com isso”.

Se você não quer esse tipo de problema, tanto melhor. O Buda Shakyamuni tinha feições perfeitas como resultado do oferecimento de incenso e flores para Budas em suas existências anteriores. Se você teme o problema que uma aparência perfeita pode trazer, você pode imitar o Patriarca Bodhidharma que tinha uma barba rala e feições horríveis! Cabe a você (escolher). Uma vez que você goste, você pode conseguí-lo.

Sutra Diamante – Capítulo 15 – O Mérito e a Virtude da Ostentação do Sutra.

Original

Oferecimento de Incenso

1.    Incenso. O mais fino e caro incenso deve ser oferecido para o Buda. Se você fosse comprar incenso velho que o lojista estava para descartar e o adquiriu como um oferecimento para o Buda, o seu coração estaria carente de sinceridade. Por outro lado, se você oferecesse Gosirsa-Cândana, incenso “Sândalo Cabeça-de-Boi”, sua doação, envolvendo um considerável sacrifício de sua parte, seria considerada sincera. O incenso “Cabeça-de-Boi” é frequentemente mencionado nos ensinamentos do Buda. O Sutra Sarangama explica que esse incenso era tão fragrante que podia ser sentido dentro de um raio de treze milhas quando estava sendo queimado na cidade de Sravasti durante as assembleias do Buda. No Sutra do Bodhisattva Provedor da Terra (Earth Store Bodhisattva Sutra) a mulher Brâmane vendeu sua casa e sacrificou sua fortuna no sentido de fazer um grande oferecimento para o Tathagata Rei do Samadhi Auto-Existente da Flor da Iluminação. Sua sinceridade era tão grande que ela vendeu o próprio topo de sua cabeça (escalpo) no sentido de fazer os melhores oferecimentos para o Buda.

A retribuição pelo oferecimento de incenso ao Buda é que no futuro o seu corpo será fragrante. Uma essência rara constantemente exalará da boca do Buda Shakyamuni e de cada poro do seu corpo. O corpo de uma pessoa comum tem um odor tão desagradável que pode ser sentido a milhas. Se você não acredita nisso, apenas considere que um cão policial é capaz de rastrear o cheiro de um humano a uma distância de três a cinco milhas. Todavia, se você faz oferecimentos de incenso ao Buda com a esperança de obter um corpo fragrante, então você perdeu o ponto. Você não deve procurá-lo. Quando o seu mérito e virtude forem suficientes, seu corpo tornar-se-á fragrante naturalmente. Os deuses, por exemplo, têm corpos fragrantes porque fizeram oferecimentos de incenso para o Buda nas vidas anteriores. Até que seus méritos e virtudes sejam suficientes, você continuará a ter um corpo mal-cheiroso comum não importa o quanto você se esforce para atingir um odor fragrante.

Sutra Diamante – Capítulo 15 – O Mérito e a Virtude da Ostentação do Sutra.

Original

Homenagem Póstuma

Richie Havens (1941 – 2013): “I WAS EDUCATED BY MYSELF”

Faleceu Richie Havens a 22 de abril de 2013. Em 1977, quando estive nos Estados Unidos em programa de treinamento em Berkeley, comprei esse disco “quentinho” e o trouxe para o Brasil. Meu irmão, o Hamiraldo, ouvia essa música e sempre dizia: “Marcos, não entendo nada de inglês, mas eu sei o que ele está dizendo. Por favor, quando eu morrer, quero que toque essa música“.

O tempo passou, o disco sumiu e, quando Hamiraldo morreu, a música não tocou. A morte desse fabuloso Richie Havens me leva a prestar essa dupla homenagem, trazendo a recordação do “post” abaixo, o qual publiquei quando Hamiraldo morreu.

Eis o “post”.

A vida é uma escrita. Um dia, a tinta acaba, como de fato aconteceu quando escrevia uma homenagem póstuma ao meu irmão Hamiraldo do Amaral Camargo, no dia do seu falecimento. A escrita fica.

Namu-Myoho-Rengue-Kyo.

the ink ran out.mp3

A Tinta Acabou

A Torre Diamantina

Sutra:

“E por quê? Subhuti, aquele que se deleita em dharmas menores é apegado a uma visão do ‘eu’, uma visão dos outros, uma visão dos seres viventes, e uma visão de uma vida. Ele não pode ouvir, receber, ostentar, ler, ou recitar o sutra e explicá-lo para outros.”

 “Subhuti, os deuses, os humanos, e os asuras do mundo fazem oferecimentos em qualquer lugar onde este sutra seja encontrado. Você deve saber que tal lugar é uma Torre (Stupa) onde todos deveriam respeitosamente curvar-se, circundá-la, e espalhar incenso e flores.”

Comentário:

Uma pessoa que assume a responsabilidade do trabalho do Buda não é alguém que desfruta dos dharmas do Pequeno Veículo. Aqueles estudam os dharmas do Pequeno Veículo são apegados a uma visão do ‘eu’, que é uma espécie de cobiça. Eles são apegados a uma visão dos outros, que é uma espécie de hostilidade. Eles são apegados a uma visão dos seres viventes e a uma vida, o que é uma espécie de estupidez. Tal pessoa não pode ouvir, receber ou recitar o conteúdo do Sutra Diamante. Em razão de nutrirem afeição apenas pelos dharmas do Pequeno Veículo, são incapazes de receber os princípios maravilhosos do Grande Veículo, o dharma da Marca Real que é destituído de marcas. Tais pessoas não podem (elas mesmas) acreditar no Sutra Diamante e nem podem explicá-lo para outros. Seus corações também são pequenos, e sua capacidade mental é estreita demais para compreender o dharma do Grande Veículo.

Todos os seres viventes mundanos e transcendentais do reino do dharma, os deuses, humanos e asuras, sendo que estes últimos são seres com as bênçãos dos céus mas carentes das qualidades virtuosas dos deuses, devem fazer oferecimentos ao sutra onde quer que o encontrem.

Sutra Diamante – Capítulo 15 – O Mérito e a Virtude da Ostentação do Sutra.

Original

Os Sustentáculos do Trabalho do Buda

Ele é pregado pelo Tathagata para aqueles que se propuseram ao Grande Veículo. O Tathagata não pregou o sutra para Ouvintes do pequeno fruto. Foi em prol de pessoas que inicialmente eram Bodhisattvas do Grande Veículo que o sutra foi pregado.

Aqueles que se propuseram ao Grande Veículo (ou Veículo Supremo). O sutra não foi proferido apenas para aqueles que se propuseram à Via do Bodhisattva, mas também para aqueles que miravam diretamente a Via do Buda e queriam levar multidões de seres viventes à travessia – isto é, para aqueles do mais elevado e insuperável Veículo do Buda.

Se uma pessoa recebe, ostenta, lê, recita e preleciona o sutra para outros, o Tathagata vê e conhece tal pessoa através do poder do olho celestial. Essa pessoa obtém inexprimível mérito e virtude e sustenta o trabalho do Buda. Ela pode obter o Anuttara-Samyak-Sambodhi, a Insuperável, Própria e Plena Iluminação Correta.

Sutra Diamante – Capítulo 15 – O Mérito e a Virtude da Ostentação do Sutra.

Original

O Descortinar da Iluminação

Sem reservas significa que o ouvinte não tem certeza, mas acredita sinceramente. Quando se usa a vida e o corpo como uma oferenda, se está praticando meramente a doação de riqueza. Quando alguém ouve o sutra, ele recebe a doação do dharma através da qual a sabedoria é adquirida. No sentido de descortinar a iluminação e atingir o Estado de Buda, requer-se a sabedoria devida. Se alguém tem apenas a retribuição de bênçãos e carência da verdadeira sabedoria, ele não pode descortinar a iluminação. Portanto, aquele que ouve o sutra e é abençoado com sabedoria aufere bênçãos que são maiores que as anteriores. Quanto mais isto é verdadeiro quando se usa uma caneta e tinta para escrever o Sutra Diamante, ou receber, ostentar, ler, recitar e pregá-lo para outros. Subhuti, o mérito e virtude do sutra não pode ser concebido, pregado, louvado adequadamente ou calculado. Os princípios do sutra são realmente ilimitados.

Sutra Diamante – Capítulo 15 – O Mérito e a Virtude da Ostentação do Sutra.

Original

O Mérito e a Virtude da Ostentação do Sutra

Sutra:

“Subhuti, um bom homem, ou uma boa mulher, pode pela manhã doar tantos corpos quanto os grãos de areia que há no Rio Ganges, e novamente à tarde doar tantos corpos quanto os grãos de areia que há no Rio Ganges, e novamente à noite doar tantos corpos quanto os grãos de areia que há no Rio Ganges, doando corpos daquela maneira ao longo de incontáveis milhões de kalpas. Mas se alguém caso ouvisse esse sutra e nele acreditasse sem reservas, suas bênçãos superariam aquelas anteriores. Quanto mais seria se uma pessoa pudesse escrever, copiar, ostentar, ler, recitar e explicá-lo para outros. Subhuti, o mérito e virtude desse sutra são inexprimíveis, inconcebíveis, ilimitados, e além de todos os louvores. Ele é pregado pelo Tathagata para aqueles que se propuseram ao Grande Veículo, aqueles que se propuseram ao Veículo Supremo. Se há pessoas que possam receber, ostentar, ler, recitar e explicá-lo para outros, essas pessoas são completamente conhecidas pelo Tathagata; elas são completamente assistidas pelo Tathagata. Essas pessoas alcançaram imensuráveis, inexprimíveis, ilimitados, inconcebíveis méritos e virtudes, e assim sustentam o Anuttara-Samyak-Sambodhi (Insuperável, Própria e Plena Iluminação Correta) do Tathagata.

Comentário:

O Buda Shakyamuni novamente admoestou Vazio Nato: “Subhuti, se um homem ou uma mulher que cultiva os cinco preceitos e as dez boas ações, doasse seu corpo tantas vezes quanto os grãos de areia que há no Rio Ganges pela manhã, à tarde e à noite”. O Buda havia previamente falado da doação do corpo de alguém como oferenda. Agora ele fala da doação do corpo de alguém repetidamente, tantas vezes quanto os grãos de areia que há no Rio Ganges. Não apenas a pessoa doa aqueles muitos corpos pela manhã, mas também à tarde. Além disso, ele doa seu corpo tantas vezes quanto os grãos de areia que há no Rio Ganges à noite. Nem é o oferecimento por apenas um dia, mas ao longo de incontáveis milhões de kalpas. Ainda assim, as bênçãos e virtudes auferidas quando uma pessoa meramente ouve o sutra e acredita-o sem reservas superam aquelas da pessoa que doa corpos tão numerosos quanto os grãos de areia que há no Rio Ganges pela manhã, à tarde, e à noite através de inumeráveis milhões de kalpas.

Sutra Diamante – Capítulo 15 – O Mérito e a Virtude da Ostentação do Sutra.

Original

Edgware, England, Reino Unido

Nesses lugares estão pessoas que visitam Cristal Perfeito. Faça-lhes uma visita de cortesia!

Click na imagem e arraste.

Se for da sua vontade, click no botão abaixo e diga:

.

A um Passo da Sabedoria

Um Bodhisattva quando não é apegado ao praticar a doação é como um homem à luz do dia. Ao cultivar a doação incondicionada ele produz um fruto que não tem fluxo (resultado), isto é, verdade, sabedoria real. A luz do dia representa a sabedoria, através da qual se torna capaz de ver as coisas claramente.

Se houver uma pessoa no futuro que possa receber o Sutra Diamante em seu coração e praticá-lo com o seu corpo, que possa respeitosamente ostentá-lo, que possa lê-lo em um livro, ou que possa recitá-lo de memória, o Tathagata saberá completamente desse cultivo e verá completamente aquela pessoa.

Aquela pessoa alcançará ilimitado e incomensurável mérito e virtude. Onde é que mais mérito e virtude podem ser encontrados? Nenhum lugar. Não seja apegado. Se você se tornar apegado, você não o encontrará em lugar algum. Se você não se tornar apegado, ele estará logo ali.

Sutra Diamante – Capítulo 14 – Extinção Tranquila Isenta de Marcas.

Original

A Retribuição da Doação Condicionada

Se o Bodhisattva ao cultivar a Via considerar necessário apegar-se aos dharmas condicionados, sua doação permanecerá dentro dos limites do apego às marcas. Tal doação condicionada pode apenas conquistar o nascimento nos céus ou o renascimento em meio aos humanos como sua retribuição.

Doação condicionada que colhe uma bênção celestial

assemelha-se a brandir uma espada no espaço vazio;

assim como quando o braço cansa e a espada deve cair,

vidas posteriores falharão em sustentar tais alturas (dos céus).

Aqueles que apenas sabem como cultivar bênçãos e não sabem como cultivar a Via, descerão em meio aos humanos quando sua recompensa celestial terminar, e serão compelidos a suportar mais sofrimento. Doação que tem fluxo (resultado) não colhe a recompensa ultimada.

O apego às marcas na doação é análogo a um homem num lugar tão escuro que ele não pode ver algo. Embora a doação condicionada com apego às marcas possa garantir um renascimento nos céus, ela não pode ajudar alguém a obter sabedoria. Sem verdade, sem sabedoria real, não há luz, e a ausência de luz é comparável à escuridão experimentada pelo homem na analogia. Tal pessoa será incapaz de ouvir o Budadharma.

Sutra Diamante – Capítulo 14 – Extinção Tranquila Isenta de Marcas.

Original

« Older entries

%d blogueiros gostam disto: