Pérolas do Universo – Fascículo 9

“Se ouvirmos esse Sutra do Grande Nirvana, passamos a conhecer tudo sobre as profundezas daquilo que é dito em todos os Sutras Mahayana Vaipulya. Por exemplo, isso é como um espelho no qual um homem ou uma mulher pode ver claramente a cor e a forma. É o mesmo com o Sutra do Grande Nirvana. O Bodhisattva o apanha e vê claramente através de todas as profundezas das coisas estabelecidas nos Sutras Mahayana. Também, é como alguém com uma grande tocha, que é capaz de ver tudo numa sala escura. É o mesmo com a tocha do Sutra do Nirvana. O Bodhisattva o apanha e alcança as profundezas daquilo que é dito nos Sutras Mahayana. Também, é como o sol. Quando ele aparece, milhares de raios de luz resplandecem sobre montanhas e lugares sombrios, e os homens podem ver claramente o que está muito longe e distante. É o mesmo com a luz pura da Sabedoria desse Grande Nirvana. Ela resplandece sobre todas as profundezas do Mahayana, possibilitando àqueles dos dois veículos verem os ensinamentos Budistas. Como? Porque ouvem a Doutrina Toda-Maravilhosa deste Sutra do Grande Nirvana.”

Leia Mais em Pérolas do Universo – Fascículo 9.

pearls of universo 9.mp3

Perolas do Universo 9

Click na imagem para leitura on-line ou download

Conteúdo deste Fascículo:

A Mente Imutável do Buda  3

O Âmago do Dharma Maravilhoso   4

A Sina de Bimbisara  6

As Cinco Ações da Criança  7

Ouvir o Inaudito. 7

A Tocha da Sabedoria do Grande Nirvana  9

O Dharma e o Seu Significado   10

A Erradicação das Dúvidas  11

A Visão Correta de um Bodhisattva Mahasattva  11

Parinirvana: O Mais Profundo dos Significados  14

O Nascimento no Mundo Imutável  15

O Que é Danaparamita  19

O Que Nunca Foi Ouvido Antes  20

Os Descaminhos dos Sentidos  21

A Sabedoria da Mente Desperta  22

Os Incessantes Sofrimentos da Vida e da Morte  24

A Parábola do Pote de Óleo   25

O Encanto Maravilhoso do Grande Nirvana  26

Meu Verdadeiro Discípulo   26

A Conduta de Um Sábio   27

O Eterno Buda Shakyamuni 28

O Ego do Bodhisattva  30

Elefantes e Amigos  31


O Vazio Como ‘Não-É’ – Eterno

“Uma pessoa pode dizer: ‘O Vazio é eterno; e a sua natureza é imóvel. Esta (natureza) se junta com o que se move’. Mas, isto não é assim. Por que não? Se o Vazio é eterno, a matéria, também, deveria ser eterna. Se a matéria é não-eterna, o Vazio, também, deve ser não-eterno.”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is eternal.mp3

O Vazio Como ‘Não-É’ – Co-Existência

“Oh bom homem! Uma pessoa pode dizer: ‘O Vazio co-existe com o ‘é’ desobstruído’. Ou alguém pode dizer: ‘O Vazio existe dentro de uma coisa. É como o fruto dentro de um recipiente’. Nenhum deles é o caso. Há três tipos de co-existência, a saber: 1) coisas feitas diferentemente tornam-se unas, como no caso dos pássaros voando que se juntam numa árvore; 2) duas coisas comuns entre si tornam-se unas, como no caso de duas ovelhas que entram em contato; 3) co-existência de pares daqueles que se reúnem para existir no mesmo lugar. Dizemos ‘diferentes coisas se juntam’. Há dois tipos de diferenças. Um é uma ‘coisa’ (objeto), e o outro é o Vazio. Se a Vacuidade se junta com a coisa, essa Vacuidade deve ser não-eterna. Se uma coisa se junta com o Vazio, a coisa deixa de ser unilateral (individual, desigual, assimétrica). Se já não há nada que seja unilateral, novamente é não-eterno.”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is co-existence.mp3

O Vazio Como ‘Não-É’ – Desimpedimento

“Oh bom homem! As pessoas do mundo podem dizer: ‘Qualquer lugar do mundo onde não haja impedimento [obstáculo] é o Vazio’. Um lugar onde não há nada para obstruir é um completo ‘é’. Como pode qualquer existência ser parcial? Se for um completo ‘é’, pode-se saber que não há Vazio em outros lugares. Se for parcial, isso é uma coisa contável. Se contável, é não-eterna.”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is no hindrance.mp3

O Vazio Como ‘Não-É’ – Três Coisas

“Oh bom homem! Também, algumas pessoas dizem: ‘Ora, o Vazio nada mais é que essas três coisas: 1) Vazio, 2) Real, e 3) Vazio-Real’. Se dissermos que isto é o Vazio, dever-se-ia saber que o Vazio é não-eterno. Por quê? Porque ele não tem um lugar efetivo para existir. Se for dito que ele realmente é isto, devemos saber que o Vazio é não-eterno. Por quê? Porque não é nulo (vago). Se dissermos ‘Vazio-Real’, podemos saber que o Vazio é não-eterno. Por quê? Porque nada pode existir em dois lugares. Por isso, o Vazio é nulo.”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is three things.mp3

Lapinha da Serra – Partilha de Passeio

O Vazio Como ‘Não-É’ – Gradual

“Também, algumas pessoas dizem que o Vazio é gradual. Se for gradual, pode ser um caitasika (fator mental). Se for contável (mensurável), ele cai na categoria dos Três Tempos. Se ele pertence aos Três Tempos, como ele pode ser Eterno?”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is gradual.mp3

O Vazio Como ‘Não-É’ – Lugar

“Oh bom homem! E alguém diz que o Vazio é um lugar onde se vive. Se for um lugar onde se vive, é matéria. E todos os lugares são não-sencientes e caem na categoria dos Três Tempos. Como poderia o Vazio não ser Eterno e não cair na categoria dos Três Tempos? Se há algum lugar sobre o qual falar, dever-se-ia saber que não pode existir o Vazio [lá].”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is place.mp3

O Vazio Como ‘Não-É’ – Luz

“Também, além disso, oh bom homem! Todos os tirthikas dizem que o Vazio é luz. Se for luz, é matéria. Se o Vazio é matéria, ele é não-eterno. Se não-eterno, ele cai na categoria dos Três Tempos. Como os tirthikas podem dizer que ele não é dos Três Tempos? Se for dos Três Tempos, não é o Vazio. E como alguém pode dizer que o Vazio é não-Eterno?”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is light.mp3

O Vazio Como ‘Não-É’ – Nirvana

O Buda disse: “Oh bom homem! Você pode dizer que Nirvana não cai na categoria dos Três Tempos e desse modo é Vazio. Mas isto não é assim. Por que não? ‘Nirvana é uma existência, algo visível, aquilo que é verdadeiro, matéria, a pegada (impressão do pé), a sentença e a palavra, aquilo que é, características, o por causa, o refúgio que se toma, quietude, luz, paz, e a outra margem’. Esse é o porquê podemos dizer que ele não cai dentro da categoria dos Três Tempos. Com a natureza do Vazio, não há nada assim. Esse é o porquê dizemos ‘não-é’. Caso houvesse qualquer outra coisa senão isto (um ‘não-é’), poderíamos perfeitamente dizer que ele cai na categoria dos Três Tempos. Se a Vacuidade fosse uma coisa do ‘é’, ela não poderia ser outra coisa senão algo da categoria dos Três Tempos.”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is nirvana.mp3

« Older entries

%d blogueiros gostam disto: