O Lago do Lótus

Quero compartilhar com os(as) visitantes deste blog, imagens do local onde costumo passar meus finais de semana. Ali, como por uma dádiva, temos a flor de lótus em abundância. Sinta a tranqüilidade do local. Este é o tal do sítio da Dôra, onde fotografo a flor de lótus para ilustrar os posts de Cristal Perfeito. Se quizer compartilhar as imagens por uns poucos momentos, assista ao vídeo abaixo.

A Dança de Guanshiyin, o Provedor da Coragem

Tai Lihua, diretora de arte da Companhia para Desenvolvimento Artístico de Pessoas Portadoras de Deficiências Físicas da China, dirigiu 20 dançarinas(os) surdas(os) na representação do “Bodhisattva das Mil Mãos, Avalokitesvara (sânscrito)”, ou Bodhisattva Guanshiyin (chinês), ou Contemplador dos Sons do Mundo (português), também conhecido como o Bodhisattva da Compaixão, o nome em tibetano desse Bodhisattva é Chenrezig, e seu mantra: Om Mani Padme Hung (*). Foi publicado no YouTube por asiapacificarts em 03 de dezembro de 2007.

Sobre essa divindade, não deixe de ler o CAP. 25: O Portal Universal do Bodhisattva Guanshiyin, onde são revelados os muitos poderes desse Bodhisattva para o benefício de todos os seres.

(*) Colaborou Emer do blog Samsara.

A Prática do Sutra de Lótus como Ensinada pelo Buda

“Além disso, Ajita, se alguém ouvir a respeito da longa duração da extensão da vida do Buda e compreender a importância dessas palavras, os méritos e virtudes que tal pessoa obterá serão sem fronteiras ou limites, porque possibilitarão àquela pessoa ascender à suprema sabedoria do Tathagata. Quanto mais não será o caso para aquele que possa ouvir este Sutra extensivamente; induzir outros a ouvir; mantê-lo para si; induzir outros a
mantê-lo; copiá-lo em si; induzir outros a copiá-lo; ou usar flores, incenso, contas, estandartes, bandeiras, dosséis de seda, óleos fragrantes ou velas para fazer oferecimentos a este Sutra. Os méritos e virtudes de tal pessoa serão ilimitados e infinitos, porque possibilitarão àquela pessoa ascender à Sabedoria que Abarca Todos os Fenômenos[1]”.

 


[1] Nesta passagem o Buda faz uma distinção entre os imensuráveis benefícios auferidos “se alguém ouvir a respeito da longa duração da extensão da vida do Buda e compreender a importância dessas palavras”; e os auferidos por alguém que, além disso, “possa ouvir este Sutra extensivamente; induzir outros a ouvir; mantê-lo para si; induzir outros a mantê-lo; copiá-lo em si; induzir outros a copiá-lo; ou usar flores, incenso, contas, estandartes, bandeiras, dosséis de seda, óleos fragrantes ou velas para fazer oferecimentos a este Sutra”. Essa distinção é fundamental porque o Buda a faz entre aquele que abraça parte do sutra (que ouve, acredita e entende a longa duração da vida do Tathagata) e aquele que o abraça na íntegra (“que possa ouvir este Sutra extensivamente”), levando a cabo práticas de Bodhisattva (“induzir outros a ouvir; mantê-lo para si; induzir outros a mantê-lo; copiá-lo em si; induzir outros a copiá-lo, etc.”.).

Extraído do CAP. 17: Distinção dos Méritos e Virtudes.

Recitação do Hoben Pon e Ji Ga Gue

Esta é a recitação da parte inicial do CAP. 02: Meios Hábeis e da parte final em versos do CAP. 16: A Duração da Vida do Tathagata, do Sutra de Lótus, que faz parte da prática diária dos seguidores de Nitiren Daishonin.

A Cerimônia de Urabon

Este post é uma homenagem aos meus pais Theóphilo Fortunato de Camargo, meu pai, falecido em 18/04/1972, e Yolanda de Carvalho e Camargo, minha mãe, falecida em 17/08/2005. Saudade dos meus pais!

A seguir, a recitação da parte inicial do CAP. 02: Meios Hábeis e da parte final em versos do CAP. 16: A Duração da Vida do Tathagata, do Sutra de Lótus, que faço em retribuição aos débitos de gratidão aos meus pais.

O-Bon ou Urabon são Cerimônias Memoriais realizadas em Julho ou Agosto em homenagem à Buda e reverência aos ancestrais e outras pessoas que já tenham falecido. Também expressa gratidão a todos os seres vivos.

A Recitação do Sutra de Lótus

A agradabilíssima recitação, ainda que de uma sentença ou parte do Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa, é uma das práticas ensinadas reiteradamente pelo Buda, e que fazem parte dos exercícios diários dos muitos adeptos do Budismo. Os Budas possuem o Samadhi da Compreensão da Fala de Todos os Seres. Isto significa que a recitação ou cântico dos Sutras têm o mesmo efeito, independente da língua falada.

Esta é uma recitação de parte do Cap. 02 – Meios Hábeis e do CAP. 16 – A Duração da Vida do Tathagata do Sutra de Lótus, que faz parte da liturgia da Nitiren Shoshu. Foi publicada por jbfoyle no YouTube.

%d blogueiros gostam disto: