CAP. 08: A Concessão de Profecias aos Quinhentos Discípulos

Sutra de Lótus

Naquela ocasião, Purnamaitreyaniputra tendo ouvido sobre a sabedoria e os meios hábeis do Buda que prega a Lei de acordo com o que é apropriado; tendo ouvido todos os grandes discípulos receberem profecias da consecução do Anuttara-Samyak-Sambodhi; e além disso, tendo ouvido sobre as causas e relações das vidas passadas; e mais, tendo ouvido sobre a grande liberdade e o poder das penetrações espirituais obtidas pelo Buda, e que ele nunca possuiu; sentiu seu pensamento purificado e exultou-se.

Com isso, ele levantou-se do seu assento, curvou-se com a sua cabeça aos pés do Buda, e postou-se a um lado, fitando a face do Honrado pelo Mundo fixamente, sem piscar os olhos.

Ele então pensou: “O Honrado pelo Mundo é Inigualável. Suas aparições são raras. Ele aquiesce com as várias disposições dos seres no mundo e, utilizando-se de meios hábeis com sabedoria e visão, ele prega a Lei para eles, libertando-os de toda a sorte de ambições e apegos. Nós nunca poderíamos expressar plenamente em palavras os méritos e virtudes do Buda. Somente o Buda, o Honrado pelo Mundo, pode saber nossas mais profundas
intenções e votos do passado”.

Naquela ocasião, o Buda disse aos Monges: “Vocês vêem este Purnamaitreyaniputra? Eu constantemente o reputo como sendo o maior entre aqueles que pregam o Dharma, e exalto suas várias qualidades meritórias, seus vigorosos e diligentes esforços para ajudar a proclamar a minha Lei. Em meio à assembléia dos quatro tipos de crentes, ele pode demonstrar o ensino para deleite e benefício de todos. Ele interpreta perfeitamente a Lei Correta do Buda, beneficiando enormemente seus companheiros praticantes da conduta
Brahman. Com exceção ao Tathagata, não há quem possa apreciar plenamente a sua eloqüência na discussão”.

“Nunca digam que Purnamaitreyaniputra é apenas apto a proteger, apoiar e ajudar a propagar somente a minha Lei. Ele também esteve na presença de noventa milhões de Budas do passado, protegeu, apoiou e ajudou a propagar a Lei Correta daqueles Budas, sendo o maior em meio aos pregadores da Lei”.

“Além disso, ele compreendeu completamente a Lei do vazio pregada por aqueles Budas, e ganhou as Quatro Sabedorias sem Obstruções. Ele está sempre apto a pregar a Lei, pura e precisamente, sem dúvidas. Ele adquiriu o poder das penetrações espirituais do Bodhisattva. Ao longo de toda a sua vida, ele cultivou a conduta Brahman. Todos os Budas contemporâneos falaram dele como sendo um Ouvinte, mas isto foi apenas um meio hábil que eles usaram em prol do benefício de ilimitadas centenas de milhares de seres viventes. Além disso, ele converteu ilimitados Asamkhyas de pessoas, fazendo com que elas viessem a perseverar no Anuttara-Samyak-Sambodhi. No sentido de purificar as terras Búdicas, ele constantemente realizou o trabalho do Buda no ensino e na conversão dos seres viventes”.

“Oh! Monges, Purnamaitreyaniputra foi o mais eloqüente pregador do Dharma para os sete Budas do passado, e ele é também o mais eloqüente pregador do Dharma sob a minha lei. Ele também será o mais eloqüente pregador do Dharma sob a lei de todos os Budas que farão advento no Kalpa da Sabedoria, aos quais ele protegerá, reverenciará e auxiliará na propagação das Leis daqueles Budas. Ele também protegerá, reverenciará e auxiliará na propagação do Dharma de ilimitados, incontáveis Budas do futuro, ensinando, convertendo e beneficiando ilimitados seres viventes, fazendo com que venham a perseverar no Anuttara-Samyak-Sambodhi. No sentido de purificar as terras Búdicas, ele sempre será vigoroso e diligente no ensino e conversão dos seres viventes”.

“Ele gradualmente realizará a Via do Bodhisattva, e após ilimitados Asamkhyas de kalpas, nesta terra, ele atingirá o Anuttara-Samyak-Sambodhi. Seu nome será Tathagata Brilho da Lei, Merecedor de Ofertas, de Conhecimento Correto e Universal, de Lucidez e Conduta Perfeitas, um Bem-Aventurado que Compreende o Mundo, Senhor Supremo, um Herói que Subjuga e Doma, um Mestre de Seres Celestiais e Humanos, Buda, Honrado pelo Mundo”.

“Este Buda terá inconcebíveis milhões de mundos, numerosos como as areias do rio Ganges, como sua terra Búdica, sendo suas terras feitas das sete jóias. Suas terras serão planas como a palma de uma mão. Não existirão montanhas, morros, desfiladeiros, ravinas ou valas. Serão preenchidas com pavilhões e palácios feitos das sete jóias. Os palácios dos seres celestiais ficarão no espaço próximo aos seres humanos, tal que seres celestiais e humanos poderão comunicar-se e verem uns aos outros. Não haverão maus caminhos e nem diferentes gêneros, masculino ou feminino. Todos os seres viventes nascerão por transformação[1] e não terão desejo sexual”.

“Eles obterão grandes poderes de penetrações espirituais. Seus corpos emitirão luz, bem como serão aptos a voar. Sua convicção será sólida. Serão vigorosos e sábios. Todos possuirão a cor do ouro, e serão adornados com as Trinta e Duas Marcas Distintivas. Os seres viventes naquelas terras se alimentarão sempre de dois tipos de comida: a primeira, a comida da Alegria do Dharma; a segunda, a comida da Felicidade da Meditação Dhyana”.

“As multidões de Bodhisattvas serão em número de ilimitados Asamkhyas de milhares de miríades de milhões de Nayutas. Eles atingirão grandes poderes de penetrações espirituais e as Quatro Sabedorias sem Obstruções, serão habilidosos no ensinamento e conversão de todos os seres viventes. As multidões de Ouvintes serão em número inconcebível. Todos possuirão os Seis Poderes Transcendentais, as Três Compreensões e as Oito Emancipações”.

“A realização dessa terra Búdica será assim adornada com ilimitadas virtudes meritórias. O kalpa chamar-se-á ‘Brilho do Tesouro’. A terra chamar-se-á ‘Boa e Pura’. A duração da vida daquele Buda será de ilimitados Asamkhyas de kalpas e sua Lei perdurará por muito longo tempo. Após a extinção daquele Buda, torres feitas das sete jóias serão erguidas por toda a parte naquela terra”.

Naquela ocasião, o Honrado pelo Mundo, desejando reforçar o significado das suas palavras, falou em versos, dizendo:

“Todos vocês, Monges, ouçam bem!

O caminho trilhado pelos filhos do Buda,

em razão de eles serem bem instruídos nos meios hábeis,

é inconcebível.

Sabendo que as multidões deleitam nas Leis menores,

e que também temem a grande sabedoria,

por essa razão os Bodhisattvas tornam-se Ouvintes e Pratyekabudas.

Empregando incontáveis meios hábeis,

eles convertem toda a variedade de seres viventes.

Eles proclamam-se como sendo Ouvintes,

muito afastados da Via do Buda.

Assim, eles salvam ilimitadas multidões,

conduzindo todos à realização.

Mesmo aqueles de pequena aspiração e que são remissos,

são gradualmente levados a tornarem-se Budas.

Intimamente os filhos do Buda praticam como Bodhisattvas,

enquanto externamente eles manifestam-se como Ouvintes.

Eles parecem ter poucos desejos,

e que desprezam o nascimento e a morte,

enquanto na realidade eles estão purificando as suas terras Búdicas.

Demonstrando para as multidões os Três Venenos[2],

parecendo possuir visões distorcidas,

dessa forma meus discípulos,

expedientemente salvam seres viventes[3].

Fosse eu discorrer completamente sobre seus vários métodos de conversão dos seres viventes, ouvindo-os,

vocês poderiam guardar dúvidas dentro das suas mentes[4].

Agora, este Purnamaitreyaniputra,

sob as leis de bilhões de Budas no passado,

cultivou diligentemente sua prática da Via proclamando e protegendo a Lei de todos aqueles Budas.

Buscando a sabedoria insuperável,

na presença dos Budas,

ele apareceu como o líder dos discípulos.

Com muito conhecimento e com sabedoria,

ele pregou sem medo,

levando a assembléia a exultar-se,

sem jamais se deixar fatigar na participação no trabalho do Buda.

Tendo já adquirido grandes poderes de penetrações espirituais,

e tendo adquirido as Quatro Sabedorias sem Obstrução,

ele conhecia as capacidades dos seres viventes,

se aguçadas ou deficientes,

e sempre pregava a pura Lei.

Proclamando princípios tais como este,

ele ensinou milhares de milhões de multidões a residirem na Lei do Grande Veículo,

enquanto purificava a sua própria terra Búdica.

No futuro, também,

ele fará oferecimentos a ilimitados, incontáveis Budas,

ajudando a proclamar a Lei Correta,

e também purificando a sua própria terra Búdica.

Sempre usando meios hábeis,

ele pregará o Dharma sem medo,

salvando incalculáveis multidões,

tal que essas multidões possam alcançar a Grande Sabedoria.

Tendo feito oferecimentos ao Tathagata,

protegido e mantido os preciosos repositórios da Lei,

ele então se tornará um Buda chamado Brilho da Lei.

Sua terra será chamada ‘Boa e Pura’,

sendo feita das sete jóias.

Seu kalpa será chamado ‘Brilho do Tesouro’.

As multidões de Bodhisattvas, muito grandes,

preencherão inteiramente aquela terra;

contados em número de ilimitados milhões,

todos com grandes poderes de penetrações espirituais,

serão perfeitamente dotados de extraordinária virtude;

os Ouvintes também serão incontáveis.

Possuindo as Três Compreensões,

as Oito Emancipações e as Quatro Sabedorias sem Obstruções,

esses Ouvintes constituirão a Sangha daquela terra.

Os seres viventes daquela terra estarão todos libertos dos desejos sexuais,

nascerão puramente a partir da transformação,

tendo seus corpos adornados com as marcas da perfeição.

Alimentando-se da Alegria da Lei e da Felicidade da Meditação,

eles não pensarão em qualquer outro tipo de comida.

Não existirão ali diferentes gêneros,

nem quaisquer tipos de maus caminhos.

O Monge Purna,

tendo aperfeiçoado as suas virtudes,

ganhará uma terra pura como essa,

com uma multidão de sábios de grande dignidade.

Tais são as ilimitadas coisas sobre as quais eu tenho pregado agora senão de uma forma abreviada”.

Naquela ocasião, os mil e duzentos Arhats, cujas mentes
haviam atingido o autocontrole, tiveram este pensamento:

“Todos nós exultamos, tendo atingido o que nunca houvéramos atingido antes. Se o Honrado pelo Mundo viesse a conferir uma profecia para nós, como o fez para os outros grandes discípulos, isto não seria um motivo para deleite”?

O Buda, conhecendo os pensamentos que iam em suas mentes, disse a Mahakashyapa: “Eu agora conferirei a esses mil e duzentos Arhats, em sucessão, uma profecia do Anuttara-Samyak-Sambodhi”.

“Nesta assembléia, meu grande discípulo, o Monge Kaundinya, fará oferecimentos a sessenta e dois bilhões de Budas. Tendo feito isto, ele então se tornará um Buda chamado Tathagata Brilho Universal, Merecedor de Ofertas, de Conhecimento Correto e Universal, de Lucidez e Conduta Perfeitas, um Bem-Aventurado que Compreende o Mundo, Senhor Supremo, um Herói Disciplinado e Justo, Mestre de Pessoas e Seres Celestiais, um Buda, Honrado pelo Mundo”.

“Os quinhentos Arhats, Uruvilvakashyapa, Gayakashyapa, Nadikashyapa, Kalodayin, Udayin, Aniruddha, Revata, Kapphina, Vakula, Cunda, Svagata, e todos os outros, atingirão o Anuttara-Samyak-Sambodhi, todos com o mesmo nome de Brilho Universal”.

Naquela ocasião, o Honrado pelo Mundo desejando reforçar o significado das suas palavras, falou em versos, dizendo:

“O Monge Kaundinya verá ilimitados Budas,

e após Asamkhyas de kalpas,

atingirá a iluminação imparcial e correta.

Sempre emitindo uma potente luz,

e perfeitamente dotado de todos os poderes espirituais,

seu nome será ouvido nas dez direções,

e ele será reverenciado por todos.

Ele sempre pregará a Via Insuperável,

e por essas razões chamar-se-á Brilho Universal.

Sua terra será pura,

com Bodhisattvas corajosos e heróicos.

Todos eles erigirão torres maravilhosas,

e viajarão através das terras das dez direções,

oferecendo-as como presentes a todos os Budas,

em ato de suprema doação.

Tendo feito esses oferecimentos,

com suas mentes repletas de alegria,

eles retornarão instantaneamente para suas próprias terras.

Tais são os poderes espirituais que eles possuirão.

A duração da vida daquele Buda será de sessenta mil kalpas,

sua Lei Correta perdurará por duas vezes aquele período.

Sua Lei Adulterada perdurará por duas vezes aquele período também.

Quando sua Lei se extinguir,

os seres celestiais e humanos lamentarão.

Aqueles quinhentos Monges tornar-se-ão Budas,

todos chamados Brilho Universal.

Em sucessão, cada um concederá profecias a seus sucessores, dizendo:

‘Após a minha extinção,

fulano de tal tornar-se-á um Buda.

O mundo no qual ele ensinará será como o meu hoje.

Os adornos da sua terra,

seus poderes espirituais,

suas multidões de Bodhisattvas e Ouvintes,

suas Leis Correta e Adulterada,

e o número de kalpas de duração da sua vida,

serão como estabeleci.[5]

Kashyapa, agora você sabe o futuro acerca desses quinhentos discípulos que atingiram o autocontrole.

Com relação aos demais Ouvintes,

seu futuro será semelhante.

Àqueles que não estão presentes na assembléia,

você deve expor-lhes esses assuntos[6]”.

Naquela ocasião, os quinhentos Arhats, tendo recebido as profecias do Buda, saltaram de alegria. Eles levantaram-se dos seus assentos e foram para diante do Buda, e curvaram-se com suas cabeças aos seus pés. Arrependendo-se dos seus erros, eles reprovaram-se, dizendo: “Honrado pelo Mundo, sempre pensamos que já tínhamos obtido a extinção final. Agora sabemos que éramos como ignorantes. Por que isto? Porque poderíamos ter obtido a sabedoria do Tathagata, mas ao invés disso contentamo-nos com a pequena
sabedoria”.

“Honrado pelo Mundo, é como uma pessoa que vai à casa de um amigo íntimo, embriaga-se de vinho e adormece. Seu amigo, que precisa ir a um importante encontro de negócios, introduz uma pérola de valor inestimável no forro da sua roupa como um presente, e então sai. Aquela pessoa, no auge da embriagues, nada percebe. Levantando-se, ela prossegue a sua viagem indo a um outro país, onde, na busca de roupa e comida, ela despende muitos esforços, empreende trabalhos pesados, e está satisfeita com o pouco que consegue ganhar”.

“Mais tarde, seu amigo íntimo encontra-se com ele novamente e diz: ‘Hei amigo! Como você pôde, por roupa e comida, chegar a essa situação? Há tempos atrás, desejando dar-lhe paz, felicidade, e a satisfação dos Cinco Desejos; em tal dia, mês e ano; eu introduzi uma pérola de valor inestimável no forro da sua roupa. Desde aquele tempo até agora, ela está ai, mas você não sabe dela. Por essa razão você tem labutado e sofrido para ganhar
sua subsistência. Quão estúpido você foi. Você pode pegar essa jóia agora, trocá-la pelo que você necessita, e terá sempre o que desejar e ficará livre da pobreza’”.

“O Buda também é como aquele amigo. Quando ele era um Bodhisattva, ele ensinou e converteu-nos, fazendo com que aspirássemos a Grande Sabedoria. Mas, mais tarde esquecemo-nos completamente, tornando-nos ignorantes e inconscientes. Tendo atingido a Via do Arhat, dissemos acerca de nós mesmos que havíamos obtido a extinção. Em meio à dificuldade de manter a nossa subsistência, ficávamos satisfeitos com o pouco que ganhávamos. Todavia, nossos votos para residir na Grande Sabedoria não foram perdidos. Agora, o Honrado pelo Mundo, nos desperta, dizendo: ‘Monges! Aquilo que vocês obtiveram não é a
extinção final! Há longo tempo eu os tenho levado a plantar boas raízes para o estado de Buda. Como um meio hábil, eu mostrei-lhes os sinais do Nirvana. Vocês disseram acerca de vocês mesmos, que haviam efetivamente atingido a extinção’”.

“Honrado pelo Mundo, agora sabemos que pelo menos somos
verdadeiramente Bodhisattvas[7],
tendo obtido uma profecia para o Anuttara-Samyak-Sambodhi. Por esta razão alegramo-nos grandemente, tendo ganhado o que nunca tivéramos antes.[8]

Naquela ocasião, Ajnatakaundinya e os outros, desejando reforçar o significado das suas palavras, falaram em versos, dizendo:

“Ouvindo o supremo som da profecia de paz e tranqüilidade,

alegramo-nos ganhando o que nunca possuíramos,

e curvamo-nos diante do Buda da sabedoria imensurável.

Agora, na presença do Honrado pelo Mundo,

arrependemo-nos das nossas faltas e erros.

Dentre as ilimitadas jóias do Buda,

havíamos ganhado não mais que uma pequena porção do Nirvana,

e, como pessoas ignorantes, insensatas,

contentamo-nos com aquilo.

É como uma pessoa pobre,

que vai à casa de um amigo íntimo,

uma casa muito rica e luxuosa,

abarrotada de preciosidades.

Pegando uma pérola de valor inestimável,

o amigo a introduz no forro da roupa daquele pobre homem e parte silenciosamente, sem nada dizer,

enquanto o pobre homem dorme inconsciente.

Quando o homem acorda,

ele viaja para uma outra terra,

onde, à procura de comida e roupas para sobreviver,

ele sofre passando por muitas dificuldades e,

satisfazendo-se com o pouco que consegue obter,

não alimenta desejo por nada melhor.

Ele está inconsciente de que dentro da sua roupa há uma pérola de valor inestimável.

O amigo que lhe deu a pérola,

mais tarde encontra-se com o pobre homem novamente,

e repreendendo-o duramente,

mostra-lhe a pérola que ele introduziu em sua roupa.

Vendo a pérola, o coração do pobre homem encheu-se de grande alegria.

Tornando-se rico e afortunado,

ele satisfez os cinco objetos de desejo.

Nós, também, somos como aquele homem.

Durante a longa noite,

o Honrado pelo Mundo constantemente compadeceu-se cuidando, ensinando, convertendo e induzindo-nos a plantar os votos supremos.

Mas, em razão de ter-nos faltado sabedoria,

tornamo-nos inconscientes e ignorantes,

e obtendo uma pequena porção do Nirvana,

satisfizemo-nos e nada mais procuramos.

Agora o Buda despertou-nos,

dizendo que isto não é verdadeiramente a extinção.

Quando obtivermos a suprema sabedoria do Buda,

aquela sim é a verdadeira extinção.

Agora, tendo ouvido o Buda acerca dessas profecias e dotações de adornos,

e essas profecias sendo concedidas em sucessão,

exultamo-nos no corpo e na mente”.


[1] De acordo com os ensinamentos budistas, existem quatro formas de nascimento envolvendo todos os seres, a saber: do ventre, do ovo, da umidade (germinação) e da transformação.

[2] Da avareza, da ira e da estupidez.

[3] A passagem acima é uma preciosa visão da “possessão mútua” dos dez estados de vida, ou da cristalização do Veículo Único. Os versos “por essa razão os Bodhisattvas tornam-se Ouvintes e Pratyekabudas. Empregando incontáveis meios hábeis, eles convertem toda a variedade de seres viventes” revelam essa “possessão mútua” em sua profunda essência, qual seja, o porquê da transmissão da veia vital da Lei ter sido confiada aos Bodhisattvas da Terra, que são os mortais comuns manchados pelas cinco impurezas. E não há, evidentemente, outro caminho para alcançar ou conduzir os seres viventes ao caminho do Buda.

[4] Pode-se entender que as diferentes formas e muitas manifestações através das quais um Bodhisattva ensina a Lei do Grande Veículo abranjam os 10(dez) mundos, estando além da compreensão dos seres viventes a sabedoria assim empregada através de meios hábeis para converter os diferentes tipos de seres viventes.

[5] Nos versos acima está a essência da Transmissão da Veia Vital da Lei.

[6] Desta forma o Buda estende a profecia a toda a multidão de Ouvintes e, também, aos que não estão presentes. Lembrando que o Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa é uma Lei para instruir Bodhisattvas, o Buda admoesta para que este ensino seja exposto aos não presentes.

[7] Este é o verdadeiro propósito da pregação deste Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa: despertar os seres presentes na assembléia para a Via do Bodhisattva ou Veículo Único. Em várias passagens deste sutra o Buda admoesta: “…um ensino para instruir Bodhisattvas”. No Capítulo 2 – Meios Hábeis, o Buda faz uma rigorosa admoestação: Shariputra, se um discípulo meu autodenomina-se Arhat ou Pratyekabuda, mas nunca ouviu ou soube que de fato todos os Budas, os Tathagatas, somente ensinam e convertem Bodhisattvas, então ele não é um discípulo do Buda, nem é um Arhat, e nem um Pratyekabuda”. Outra profunda sabedoria contida no ensino do Veículo Único é a de que a Via do Bodhisattva nunca deixa de conduzir um discípulo à Iluminação
do Buda
, pois para esse discípulo que a abraça, a consecução de Anuttara-Samyak-Sambodhi foi profetizada pelo Buda no remoto passado.

[8] Somente um Bodhisattva pode receber uma profecia do Anuttara-Samyak-Sambodhi, consagrando o princípio de unicidade entre Pessoa (Bodhisattva) e Lei (Buda), subjacente ao ensino do Veículo Único do Buda, também interpretado aqui como Via Recíproca.

N.T. As notas e comentários introduzidos nesta tradução do Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa para a língua portuguesa falada no Brasil são da autoria e inteira responsabilidade de seu tradutor Marcos Ubirajara de Carvalho e Camargo.

6 Comentários

  1. carolina said,

    23/04/2008 às 18:32

    eu estou na 5ª serie e preciso fazer um texto sobre profecia como sera nosso planeta no futuro a questão do lixo a situação da agua a questão indigena a devastação das matas e florestas

  2. muccamargo said,

    23/04/2008 às 20:11

    Carolina,

    O futuro do nosso planeta está sendo determinado pelas ações das pessoas adultas de hoje, células de uma sociedade doentia (você assistiu os Simpsons?). Nem mesmo as assim chamadas “Profecias” deixam de estar sujeitas às relações de causa-e-efeito.
    Então, a melhor das “Profecias” para o nosso planeta seria a certeza da cura da sociedade do futuro, enviando-lhe células sadias desde já, jovens como você. Ficam ai as minhas sugestões:

    Que tal profetizarmos um planeta maravilhoso, onde todos os seres vivam em harmonia, onde todos se contentem com o que têm, sem desigualdades de gênero, de raça, de cor, de credo?

    Que tal profetizarmos um planeta sem fronteiras (como já o imaginara John Lennon), sem bandeiras, sem brigas nos estádios, sem brigas entre pais e filhos?

    Que tal profetizarmos um planeta onde todos os seres (como animais, vegetais, minerais, etc.) formem um todo harmonioso, doando-se mutuamente e compartilhando os benefícios de uma vida melhor para todos?

    Enfim, que tal profetizarmos um planeta onde as pessoas possam caminhar sobre tapetes de flores, respirar a doce fragrância do sândalo do litoral, caminhar entre as árvores tala, ouvir e cantar as mais belas canções celestiais?

    Se jovens como você acreditarem nesta “Profecia”, nosso planeta estará salvo!

    Sei que você se sairá bem!

    Um abraço.

    Marcos Ubirajara

  3. 27/08/2010 às 1:56

    Tenho que ler mais

  4. Lair Valio Alves said,

    21/02/2012 às 12:29

    Palavras extranhas vindo de um ser que se diz Budista, como voce, Marcos Ubirajara!!??
    Este mundo é desta maneira com bem e mal porque talvez seja o unico mundo possivel e porque não enxergamos a verdade Verdadeira. Sansara ou nirvana, depende unicamente de voce(nós) Pelo Buda aprendemos a aceitar todas as coisas , quer a julguemos boas ou mas,nao sabemos na realidade. Como voce pode dizer, isto é bom, aquilo é mal???
    De qualquer maneira seu site é maravilhoso, e fiquei muito feliz de encontra-lo. Continue sem parar, voce chegara la, sem duvida!

  5. muccamargo said,

    21/02/2012 às 19:16

    Olá Lair Valio,

    Vamos por parte. Em que Sutra o Buda ensina que devemos “aceitar todas as coisas, quer as julguemos boas ou más…”? Editei a sua frase por conveniência, pois, sou do português à antiga. O Buda, Honrado pelo Mundo, o abandonou, não foi? Quando e como isso poderia significar “aceitar todas as coisas”?

    Sobre “isto é bom, aquilo é mal”, ainda das suas palavras, recomendo a leitura atenta do Capitulo 02 – Meios Hábeis – do Sutra de Lótus, quando o Buda, através dos seus poderes espirituais, retira aqueles cinco mil Monges da assembléia. Se ainda houver dúvidas sobre esse ou aquele ensino, eu adianto a você que fico com o Rei dos Sutras, o Sutra de Lótus.

    Respeitosamente,

    Marcos Ubirajara.

  6. Lair Valio Alves said,

    21/02/2012 às 21:35

    Ola Marcos Ubirajara,
    Em primeiro lugar quero dizer que não quis ofende-lo de maneira nenhuma ou criar um debate por nenhum meio possível.
    Eu achei um tesouro quando encontrei sua pagina e para mim isto basta. Sou muito grato a você, porque embora eu leia bem o inglês, nada como ter um texto desses na lingua mãe!
    Veja, eu não sou budista convertido e não convertido, apenas não sei realmente o que é o bem e o que é o mal, ou se tais coisas existem com certeza absoluta. Como eu vivo neste mundo e como não sou um iluminado e nem perto ainda cheguei disso e ainda mais, não sei nem um milésimo do que você sabe sobre budismo, embora eu ache que de certa forma já nasci budista. Fui criado na Igreja cristã, mas sempre duvidei de seus dogmas. Mas vamos parar por aqui. A minha intenção foi apenas chamar atenção para a verdade que realmente não temos certeza das coisas e desejar um mundo melhor, é querer muda-lo. Isso realmente não é possível. Só podemos mudar a nós mesmo.
    Mas de qualquer maneira peço desculpas pela minha indelicadeza.
    Lair (lvalio@terra.com.br)


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: