A Maldade e a Pureza de um Cristal Perfeito

O Bodhisattva Kashyapa disse ao Buda: “Há quatro tipos de pessoas na Sangha. É como com a manga, que é difícil de saber quando está madura. Como podemos saber a diferença entre violação e não-violação dos preceitos?”

O Buda disse: “Oh bom homem! Baseando-se no Todo-Maravilhoso Sutra do Grande Nirvana, é fácil saber. Como alguém poderá saber olhando o Sutra do Grande Nirvana? Por exemplo: um agricultor planta arroz, e remove o joio no arrozal. Quando olhamos para o campo com os olhos carnais dizemos que é um belo campo. Mas quando vem a colheita, agora vemos que o joio e o arroz são diferentes. Assim, oito coisas mancham de fato o sacerdote. Se as erradicarmos completamente, veremos que ele é puro. Quando uma pessoa observa os preceitos e não os viola, isto é difícil distinguir com os olhos carnais. Se a maldade surge, isto é fácil ver. É como no caso do joio no arrozal, que pode facilmente ser visto. O mesmo se passa com o Monge. Se ele está apto a acabar com as oito impuras serpentes venenosas, o chamamos de puro e um santo Campo de Prosperidade. A ele serão feitos oferecimentos por humanos e deuses. Não é fácil ver claramente a retribuição cármica das ações puras com os olhos carnais”.

Excerto do Sutra do Nirvana, CAP. 08: Sobre os Quatro Fidedignos.

Os olhos carnais, dos mortais comuns, não podem ver a pureza; mas, podem ver a maldade. Isto basta para sabermos o que é puro. Maldades? São meios hábeis dos Budas para revelar a pureza do Dharma. Ai está a profunda doutrina do Cristal Perfeito (Pureza) e seus Defeitos (Impurezas e Imperfeições), sobre a qual tenho meditado nos últimos 30 anos, e que abarca todos os fenômenos.

Marcos Ubirajara.

Em 30/04/2009 às 04:00 hs.

O Sol do Grande Nirvana

Se alguém acredita num sutra Mahayana como este, as ásperas e grosseiras formas que possa ter tido no nascimento parecerão certas e corretas, em virtude do poder deste sutra; a dignidade e o semblante melhorarão dia a dia, tal que humanos e deuses sentirão prazer em vê-lo. Eles o respeitarão e o amarão, e em nenhum momento perderão a consideração por ele. Reis, ministros e familiares ouvirão, respeitarão e acreditarão nele. Se quaisquer dos meus discípulos Sravaka (Ouvinte) estiverem desejosos de realizar o primeiro ato raro, eles deveriam pregar esse sutra Mahayana para todo o mundo.

Oh, bom homem! A geada e a névoa podem desejar fortemente permanecer como elas são, mas isto somente até a hora do sol nascer. Uma vez que o sol tenha nascido, tudo se vai e nada permanece como antes. Oh, bom homem! As más ações cometidas por essas pessoas também se acumulam da mesma forma (como a neve). O poder [que podemos ter] na presente vida somente continua ao vermos a ascensão do Sol do Grande Nirvana. Quando o sol desse Grande Nirvana surge, todas as maldades que têm sido feitas morrerão. Além disso, oh bom homem! Por exemplo, podemos abandonar nossas casas, raspar nossos cabelos, vestir a Kasaya, e ainda não recebermos os dez preceitos de um Shramanera. Uma pessoa rica pode vir a convidar todos os sacerdotes [à sua casa], e aqueles que ainda não receberam os preceitos podem ser convidados, juntamente com os outros. Eles podem não ter recebido os preceitos ainda e, no entanto, poderão ser contados como sacerdotes.

Oh, bom homem! É como acontece com uma pessoa que aspira à Iluminação pela primeira vez, estuda este Sutra Mahayana do Grande Nirvana, ostenta-o, copia-o e recita-o. Ela pode ainda não ter atingido o nível dos dez estágios [de um Bodhisattva], e, no entanto, ela será contada como sendo um daqueles dos dez estágios. Se uma pessoa, quer seja um discípulo ou não, sem ganância ou medo, ou mesmo por lucro, ouvir apenas um gatha (verso) deste sutra e, tendo ouvido-o, não o calunie – saiba que essa pessoa já está próxima da Iluminação insuperável. Oh, bom homem! Por esta razão, Eu digo que as quatro pessoas [fidedignas] se tornarão os refúgios do mundo. Assim eu digo, oh bom homem, que essas pessoas nunca dirão que o que o Buda disse não é o que Ele disse. Nada deste tipo ocorrerá. Este é o porquê eu digo que esses quatro tipos de pessoas tornam-se os refúgios do mundo. Oh, bom homem! Faça oferecimentos a esses quatro tipos de pessoas.”

Excerto do Sutra do Nirvana, CAP. 08: Sobre os Quatro Fidedignos.

As Raras Delícias do Rei d’Outras Terras

O Bodhisattva Kashyapa disse ao Buda: “Oh, Honrado pelo Mundo! Mais cedo ou mais tarde, pessoas caluniarão este sutra. Oh, Honrado pelo Mundo! Quais pessoas boas e puras virão e salvarão aqueles que cometerem tais calúnias?”.

O Buda disse a Kashyapa: “Oh, bom homem! Durante os 40 anos após o meu Nirvana, este sutra florescerá no Jambudvipa. Então, ele desaparecerá. Oh, bom homem! Por exemplo, na terra onde podemos obter a cana de açúcar, arroz, caramelo, manteiga, nata (creme) e sarpirmanda, as pessoas dirão: ‘Este é o melhor de todos os sabores’. Ou pode haver pessoas que estejam vivendo em meio a uma roça de painço e capim, e que podem dizer que aquilo que eles comem é a melhor de todas as comidas. Essas são pessoas de má sorte, devido à sua retribuição cármica. Os ouvidos dos afortunados nunca ouvirão falar de celeiros de painço ou de capim. O que eles ouvirão será farelo de arroz, cana de açúcar, caramelo e sarpirmanda. O mesmo é o caso com esse maravilhoso Sutra do Grande Nirvana. Aqueles nascidos ignorantes e desafortunados não desejarão ouvi-lo, tal como aquelas pessoas, que são estúpidas e de pouca sorte, odeiam farelo de arroz e caramelo. Isto é assim com as pessoas dos dois veículos (Sravakas e Pratyekabudas), que odiarão esse insuperável Sutra do Nirvana.

Mas, há pessoas que se sentem gratificadas ao ouvir este sutra e que, tendo ouvido-o, sentirão prazer e não o caluniarão. Elas são como aquelas pessoas de boa sorte que comem farelo de arroz. Oh, bom homem! Por exemplo, existe um rei que vive nas profundezas das montanhas, num lugar localizado num precipício, de difícil acesso. Ele tem cana de açúcar, farelo de arroz e caramelo, mas uma vez que essas coisas são difíceis de obter, ele regateia e as esconde, e não as come. Temendo que elas possam acabar, ele come somente painço e capim. Então, o Rei de uma terra diferente, ouvindo sobre isto e sentindo piedade, manda farelo de arroz e cana de açúcar para ele.

O rei as recebe e as divide entre as pessoas da sua terra, que as consomem. Após comê-las, estão todos satisfeitos e dizem: ‘Por causa daquele Rei, agora fomos abençoados com esta comida’. Oh, bom homem! O mesmo se passa com os quatro tipos de pessoas. Eles tornam-se generais deste grande ensinamento. Um dos quatro tipos de pessoas vê que incontáveis Bodhisattvas de outros países estudam, copiam, ou possuem outras cópias de sutras Mahayana deste tipo visando ganhos, fama, conhecimento, proficiência ou para transação com outros sutras; mas que eles não falam deles (dos sutras Mahayana) para os outros. Sendo assim, ele (um dos quatro tipos de pessoas) pega este sutra Todo-Maravilhoso e o dá para os Bodhisattvas, tal que eles possam aspirar o Bodhichitta Insuperável e descansar pacificamente na Iluminação. Um Bodhisattva, ao obter esse sutra, fala dele aos outros que, através dele, tornam-se abençoados com a amrta [‘amrta’ – Ambrosia – o estado de imortalidade] do ensinamento Mahayana. Tudo isto é o que tem sido levado adiante por este único Bodhisattva (um dos quatro tipos de pessoas). Ele permite aos outros ouvirem o que eles não ouviram antes. Isto é como a pessoa que, através do poder daquele Rei, degusta raras delícias. O caso é similar.

Também, oh bom homem! Onde quer que esse Todo-Maravilhoso Sutra do Grande Nirvana vá, aquele lugar – saiba você – é indestrutível. As pessoas que vivem lá também são igualmente adamantinas. Qualquer pessoa que ouça este sutra atingirá a Iluminação insuperável e nunca regredirá dela. Tais pessoas obterão o que quer que desejem ter. Oh, vocês Monges! Guardem bem o que digo para vocês hoje. Quaisquer pessoas que não ouçam este sutra são, vocês devem saber, dignas de pena. Por que é assim? Porque tais pessoas não podem guardar o profundo significado de um sutra Mahayana como este”.

Excerto do Sutra do Nirvana, CAP. 08: Sobre os Quatro Fidedignos.

O Grande Caminho

“Pequenos riachos se juntam e formam o grande oceano, e minúsculas partículas de poeira se acumulam para constituir o Monte Sumeru. Quando eu, Nitiren, inicialmente abracei a fé no Sutra de Lótus, eu era como uma única gota d’água ou uma única partícula de pó em todo o país do Japão. Porém, posteriormente, quando duas pessoas, três, dez e, eventualmente, dez bilhões de pessoas vierem a recitar o Sutra de Lótus e transmití-lo aos outros, então, elas formarão um Monte Sumeru de Maravilhosa Iluminação, um grande oceano de Nirvana! Não busquem nenhum outro caminho para atingir o Estado de Buda!”.

Nitiren Daishonin em “Seleção do Tempo”, em 1275.

As Escrituras de Nitiren Daishonin, Vol. III.

Sutra do Nirvana – Capítulo 1 – Introdução

O Arhat

“A quarta (categoria) é o Arhat. Um Arhat é aquele que cortou as amarras da ilusão, que acabou com o peso que recaía sobre os seus ombros e que alcançou aquilo que ele queria ter. Uma vez que todas as coisas tenham sido cumpridas, ele vive no décimo nível. Atingindo um estado imperturbável de Sabedoria, ele realiza aquilo que os outros desejam ter e manifesta-se em (através de) muitas imagens. Se ele deseja realizar a Via do Buda, do jeito que ela deve ser realizada, ele pode fazê-lo. Dessa forma, aquele que pode realizar inumeráveis virtudes é um Arhat”.

“Estes são os quarto tipos de pessoas que aparecem, beneficiam, e sentem piedade do mundo. Assim, eles tornam-se refúgios do mundo e levam a paz e a felicidade aos seres humanos e celestiais. Eles são os mais honrados e mais soberbos dentre todos os humanos e deuses. É como no caso do Tathagata, que é o mais soberbo dentre os humanos e deuses, e é o Refúgio do mundo.”

Excerto do Sutra do Nirvana, CAP. 08: Sobre os Quatro Fidedignos.

O Anagamin

“As pessoas da terceira categoria são aquelas do estágio do Anagamim. Com elas nunca pode acontecer coisas que caluniam o Dharma Maravilhoso, possuindo empregados, homens ou mulheres, possuindo coisas impuras, ou tendo em consideração os livros (escrituras) dos tirthikas [seres deludidos, não-Budistas], sofrendo impedimentos por ilusões forasteiras (outras crenças), ou estando atado por antigas ilusões, guardando para si a verdadeira shahira [relíquia] do Tathagta, sendo atacado pelas doenças eternas (seculares) ou pelas quatro grandes serpentes venenosas [a ganância, o ódio, a ignorância e a arrogância], e persistindo no eu. Eles falam sobre altruísmo, mas nunca falam a respeito ou se apegam às coisas mundanas. Eles falam a respeito e mantêm em observância o Mahayana, mas seus corpos nunca são infectados pelos 80.000 germes. Eles removem para sempre o apetite sensual e, mesmo nos sonhos, eles nunca ejaculam coisas impuras. No último momento das suas vidas, eles nunca sentem medo. O que significa ‘Anagamim’? Significa que essa pessoa nunca volta (a renascer) ou retrocede. Como já foi dito, nenhuma falha ou doença jamais se apoderará dele. Ele vai, volta e circula. Ele é chamado Bodhisattva. Recebendo a sua profecia, ele, não muito depois disso, atinge a Iluminação Insuperável. Esta é a pessoa da terceira categoria”.

Excerto do Sutra do Nirvana, CAP. 08: Sobre os Quatro Fidedignos.

O Srotapanna e o Sakridagamin

As pessoas da segunda categoria são aquelas dos estágios de Srotapanna e Sakridagamin. Tendo encontrado o Dharma Maravilhoso, eles ostentam-no. Elas seguem e ouvem as palavras do Buda e agem de acordo como as ouviram. Tendo ouvido, eles escrevem o que ouviram, sustentam o que ouviram, recitam-no e expõem os ensinamentos aos outros. Não pode ocorrer [com estas pessoas] de elas não escreverem, não receberem, ostentarem e exporem os ensinamentos aos outros. Com elas nunca poderia ocorrer nada como dizer que o Buda lhes permite ter serventes (empregados) e aquilo que é impuro. Estas coisas se referem às pessoas da segunda categoria. Elas ainda não atingiram o segundo e o terceiro lugares de residência (abode). São chamadas ‘Bodhisattvas’. Elas já receberam a profecia do Buda de que atingirão o Estado de Buda.

Excerto do Sutra do Nirvana, CAP. 08: Sobre os Quatro Fidedignos.

Em Busca do Ideal Supremo

“Eu nasci numa região remota da terra, como pessoa de humilde posição social, destinada a uma vida de pobreza. Durante minhas transmigrações passadas pelos seis mundos mais baixos da existência, talvez tivesse nascido como um grande governador em mundos humanos ou celestes, e curvado as multidões ao meu desejo como um forte vento curva os ramos das pequenas árvores. Porém, nessas ocasiões, eu não era capaz de tornar-me um Buda.”

Nitiren Daishonin em Abertura dos Olhos.

As Escrituras de Nitiren Daishonin, Vol. II.

Para Ser Lótus – Fascículo II

Conteúdo deste Fascículo

A Via Recíproca que os Budas Exultam. Exultai!

O Segredo Essencial de Todos os Budas

A Verdadeira Conversão ao Lótus da Lei Maravilhosa

A Via do Bodhisattva

Os Três Veículos em Prol do Veículo Único do Buda

O Grande Veículo como Retribuição pela Fé

A Verdadeira Causa do Advento do Buda no Mundo Tríplice

« Older entries

%d blogueiros gostam disto: