PI e o Pé de Feijão – Episódio 3

Em ‘PI e o Pé de Feijão – Episódio 3’

(*) Ahá! Essa relação é ótima na presença da fertilidade, que é uma propriedade da semente, mas também do meio-ambiente. A fertilidade pode ser entendida como uma harmonia capaz de adornar a vida da planta com robustez, beleza e potencial de propagação da sua própria natureza. Essa harmonia é conferida pela Lei, mas deve ser buscada. Nihi!!!

Sim, PI. Bem falado! A fertilidade como uma propriedade inerente da semente é o seu carma passado, inscrito pelas relações causais de outrora. A fertilidade como uma propriedade do meio-ambiente é a causa presente devido às relações causais de agora. E você toca num ponto muito importante ao colocar a fertilidade, ou o conjunto das ações que operam no presente, como uma harmonia capaz de adornar a vida de um ser. Poderíamos chamar essa harmonia de ´boas ações´ na cultivação da planta, e que guarda um paralelo perfeito com todas as outras formas de vida. Como? Ora, feijão é um alimento, e alimento é vida para outras formas como a humana, apenas como exemplo. E mais sutilmente, a frase ´essa harmonia é conferida pela Lei, mas deve ser buscada´, nos diz que um bom carma passado (conferido pela Lei do Carma) pode trazer más retribuições caso não se busque as boas ações no presente. E quando se pratica a Via Sagrada, pode-se cortar eternamente os laços de servidão que nos prendem ao ciclo do nascimento e da morte anunciado acima. E para respaldar esse ponto, recorro novamente ao Sutra do Grande Nirvana, onde se lê:

“Oh você! Saiba que todos os seres têm carma do passado e a causa do presente. Embora os seres tenham o carma da vida passada, eles têm que depender das relações causais do alimento na presente vida. Oh você! Pode-se dizer que os seres sofrem as aflições e são abençoados com felicidade, e que tudo está definitivamente baseado nas causas cármicas originais da vida passada. Mas a situação não é assim. Por que não? Oh você! Por exemplo, é como quando uma pessoa acaba com o inimigo do Rei, em consequência do que ela ganha um tesouro e é abençoada com felicidade na vida presente. Essa pessoa gera a causa da felicidade nesta presente vida e colhe a recompensa da felicidade nesta presente vida. Por exemplo, isto é análogo a um homem que mata o filho do Rei e através disto perde sua vida. Essa pessoa engendra a causa do sofrimento agora, e colhe a retribuição cármica nesta presente vida. Oh você! Todos os seres, agora nesta presente vida, encontram o sofrimento e a felicidade dos quatro grandes elementos, as estações, a terra, e o povo. Esse é o porquê Eu digo que todos os seres não colhem necessariamente o sofrimento e a felicidade principalmente do seu carma passado. Oh você! Se uma pessoa pode chegar à Emancipação através das relações causais de cortar o carma, poderíamos dizer que todos os sábios não podem alcançá-la. Por que não? Porque o carma original dos seres não tem início e nem fim. Esse é o porquê Eu digo que quando se pratica a Via Sagrada, essa Via realmente acaba com o carma que não tem cabeça nem cauda.

Sutra do Nirvana – Capítulo 46 – Sobre Kaundinya 2.

Selo Comemorativo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: