Quem foi Kumarajiva

Kumarajiva foi o filho de Kumarayana, o qual recusou-se a herdar a alta posição do seu pai no sentido de deixar a vida familiar e cultivar a Via. Durante suas viagens como um mendicante, Kumarayana foi recebido pelo Rei de Kucha, um pequeno reinado da India central, que o convidou a ser Mestre Nacional em seu reino. Mais tarde, através de um decreto imperial, Kumarayana foi forçado a se casar com a filha do Rei, chamada Jiva. Enquanto ela carregava seu filho Kumarajiva, a sua sabedoria e poder de aprendizado cresceram notavelmente, um fenômeno que também ocorrera enquanto Shariputra estava no útero de sua mãe.

Mais tarde, a mãe de Kumarajiva quis deixar a vida familiar. Finalmente, após um período de jejum, ela obteve a permissão de seu relutante marido que, embora anteriormente um monge, havia então adquirido um forte apego à sua bela esposa. Após Jiva tornar-se uma monja, ela rapidamente se certificou para a primeira fruição do Arhatship.

O nome do Sânscrito Kumarajiva significa “jovem maduro”, porque mesmo ainda jovem ele possuía a conduta virtuosa de um idoso. Em um dia ele era capaz de memorizar mais de trinta e seis mil palavras. Em dois dias ele era capaz de recitar o Sutra Flor do Dharma inteiro de memória. Aos sete anos Kumarajiva deixou o lar. Um dia, enquanto visitava um templo em Kashgar na companhia de sua mãe, ele pegou um incensário enorme que estava sobre um dos altares e o colocou sobre sua cabeça como um oferecimento aos Budas. Após assim proceder, ele pensou: “Isto é muito pesado para eu sustentar”, e essa conscientização, ou discriminação,  o tornou incapaz de segurar o incensário, de tal forma que ele teve que apelar para sua mãe para ajudá-lo. A partir dessa experiência, ele chegou à súbita e completa compreensão de que todas as coisas são unicamente produtos da mente.

Durante a Dinastia Fu Chin na China, um astrólogo previu que um grande sábio adviria. O Imperador Fu Jyan reconheceu que o sábio era Kumarajiva, e enviou um numeroso exército comandado pelo General Lyu Gwang para escoltar o Mestre do Dharma para a China. O Rei de Kucha, ignorando o conselho de Kumarajiva de que as tropas em avanço não eram beligerantes, combateu a “invasão”. Na batalha que se seguiu, o Rei de Kucha foi morto e seu exército derrotado. Muitas mudanças políticas se sucederam, as quais retardaram a chegada de Kumarajiva à China até a Dinastia Yau Chin. Kumarajiva estabeleceu um centro de tradução em Chang An, a cidade capital, onde ele traduziu mais de trezentos volumes dos textos dos sutras, em meio aos quais o Sutra Vajra Prajna Paramita, volume 577 do Grande Sutra Prajna.

Original

Por muccamargo

Físico, Mestre em Tecnologia Nuclear USP/SP-Brasil, Consultor de Geoprocessamento, Estudioso do Budismo desde 1987.

2 comentários

  1. Gostaria de saber se foi feito um filme da sua história. Se sim, qual o nome. Por favor.

    1. Boa tarde, Jakeline! Não sei nada a respeito, nem mesmo se sua história maravilhosa fez parte de algum outro documentário. Que pena, né? Quem sabe alguma outra pessoa possa trazer essa contribuição aqui. Eu ficaria imensamente grato!

Deixar um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s