O Direito de Defesa

ORROZ

Não, ORROZ ! Eu não sou a sua consciência[1]. Posso manifestar-me na sua consciência, mas posso manifestar-me na consciência dos outros. Aí está! Quando você aprendeu a acusar, na aula seguinte se discorreu sobre o amplo espaço que se deve abrir para a manifestação da consciência do acusado, o que se chama Amplo Direito de Defesa. O que aconteceu, ORROZ? Ao cercear esse direito, o senhor tentou calar-me. Ora, eu não me calo, ORROZ. Eu sou o Direito, o bom conselheiro que o senhor não poderia abandonar num momento tão crucial em sua carreira de magistrado. Lembra-se de mim?


[1] Consciência aqui é um dos cinco skandhas (ou agregados). Os agregados que formam a consciência de um humano são: tato (forma, matéria, rupa), sensação (sentimento), percepção (intuição), volição (compulsão), e têm-se consciência. Estes são os cinco skandhas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: