A Prática Para Si e a Prática do Bodhisattva

“Além disso, Ajita, se alguém ouvir a respeito da longa duração da extensão da vida do Buda e compreender a importância dessas palavras, os méritos e virtudes que tal pessoa obterá serão sem fronteiras ou limites, porque possibilitarão àquela pessoa ascender à suprema sabedoria do Tathagata. Quanto mais não será o caso para aquele que possa ouvir este Sutra extensivamente; induzir outros a ouvir; mantê-lo para si; induzir outros a mantê-lo; copiá-lo em si; induzir outros a copiá-lo; ou usar flores, incenso, contas, estandartes, bandeiras, dosséis de seda, óleos fragrantes ou velas para fazer oferecimentos a este Sutra. Os méritos e virtudes de tal pessoa serão ilimitados e infinitos, porque possibilitarão àquela pessoa ascender à Sabedoria que Abarca Todos os Fenômenos[1]”.

 


[1] Nesta passagem o Buda faz uma distinção entre os imensuráveis benefícios auferidos “se alguém ouvir a respeito da longa duração da extensão da vida do Buda e compreender a importância dessas palavras” – descrita no CAP. 16: A Duração da Vida do Tathagata – ; e os auferidos por alguém que, além disso, “possa ouvir este Sutra extensivamente; induzir outros a ouvir; mantê-lo para si; induzir outros a mantê-lo; copiá-lo em si; induzir outros a copiá-lo; ou usar flores, incenso, contas, estandartes, bandeiras, dosséis de seda, óleos fragrantes ou velas para fazer oferecimentos a este Sutra“. Essa distinção é fundamental porque o Buda a faz entre aquele que abraça parte do sutra (“que ouve, acredita e entende a longa duração da vida do Tathagata“) e aquele que o abraça na íntegra (“que possa ouvir este Sutra extensivamente“), levando a cabo Práticas do Bodhisattva (“induzir outros a ouvir; mantê-lo para si; induzir outros a mantê-lo; copiá-lo em si; induzir outros a copiá-lo, etc”.).

Excerto do CAP. 17: Distinção dos Méritos e Virtudes, pág. 308.

%d blogueiros gostam disto: