Homenagem Póstuma

Richie Havens (1941 – 2013): “I WAS EDUCATED BY MYSELF”

Faleceu Richie Havens a 22 de abril de 2013. Em 1977, quando estive nos Estados Unidos em programa de treinamento em Berkeley, comprei esse disco “quentinho” e o trouxe para o Brasil. Meu irmão, o Hamiraldo, ouvia essa música e sempre dizia: “Marcos, não entendo nada de inglês, mas eu sei o que ele está dizendo. Por favor, quando eu morrer, quero que toque essa música“.

O tempo passou, o disco sumiu e, quando Hamiraldo morreu, a música não tocou. A morte desse fabuloso Richie Havens me leva a prestar essa dupla homenagem, trazendo a recordação do “post” abaixo, o qual publiquei quando Hamiraldo morreu.

Eis o “post”.

A vida é uma escrita. Um dia, a tinta acaba, como de fato aconteceu quando escrevia uma homenagem póstuma ao meu irmão Hamiraldo do Amaral Camargo, no dia do seu falecimento. A escrita fica.

Namu-Myoho-Rengue-Kyo.

the ink ran out.mp3

A Tinta Acabou

A Torre Diamantina

Sutra:

“E por quê? Subhuti, aquele que se deleita em dharmas menores é apegado a uma visão do ‘eu’, uma visão dos outros, uma visão dos seres viventes, e uma visão de uma vida. Ele não pode ouvir, receber, ostentar, ler, ou recitar o sutra e explicá-lo para outros.”

 “Subhuti, os deuses, os humanos, e os asuras do mundo fazem oferecimentos em qualquer lugar onde este sutra seja encontrado. Você deve saber que tal lugar é uma Torre (Stupa) onde todos deveriam respeitosamente curvar-se, circundá-la, e espalhar incenso e flores.”

Comentário:

Uma pessoa que assume a responsabilidade do trabalho do Buda não é alguém que desfruta dos dharmas do Pequeno Veículo. Aqueles estudam os dharmas do Pequeno Veículo são apegados a uma visão do ‘eu’, que é uma espécie de cobiça. Eles são apegados a uma visão dos outros, que é uma espécie de hostilidade. Eles são apegados a uma visão dos seres viventes e a uma vida, o que é uma espécie de estupidez. Tal pessoa não pode ouvir, receber ou recitar o conteúdo do Sutra Diamante. Em razão de nutrirem afeição apenas pelos dharmas do Pequeno Veículo, são incapazes de receber os princípios maravilhosos do Grande Veículo, o dharma da Marca Real que é destituído de marcas. Tais pessoas não podem (elas mesmas) acreditar no Sutra Diamante e nem podem explicá-lo para outros. Seus corações também são pequenos, e sua capacidade mental é estreita demais para compreender o dharma do Grande Veículo.

Todos os seres viventes mundanos e transcendentais do reino do dharma, os deuses, humanos e asuras, sendo que estes últimos são seres com as bênçãos dos céus mas carentes das qualidades virtuosas dos deuses, devem fazer oferecimentos ao sutra onde quer que o encontrem.

Sutra Diamante – Capítulo 15 – O Mérito e a Virtude da Ostentação do Sutra.

Original

%d blogueiros gostam disto: