A Derrota do Deus Alavaka

Através do seu poder divino, o Buda sabia do desejo do Rei. Ele voou através do ar e veio à árvore de Alavaka. Lá, ele sentou.

O Deus o viu. Começou a caminhar em sua direção, mas, subitamente, tornou-se impotente. Seus joelhos tremiam. A fúria se apoderou dele.

“Quem é você?”, ele perguntou, ferozmente.

“Um ser muito mais poderoso do que você”, respondeu o Buda.

Alavaka ficou com uma raiva terrível. Ele gostaria de torturar este homem que estava sentado no chão diante dele, este homem a quem ele não podia alcançar; ele gostaria de torturá-lo até a morte. O Buda, em nenhum momento, perdeu sua compostura.

Alavaka finalmente recobrou o controle de si. Ele pensou que a astúcia talvez tivesse sucesso onde a força falhou, e numa voz amigável ele disse:

“Vejo que você é um homem sábio, meu Senhor; é sempre um prazer para mim questionar homens de sabedoria. Coloco-lhes quatro questões. Se puderem responder, estarão livres para ir onde quer que queiram; se não puderem responder, permanecerão meus prisioneiros, e eu lhes devoro quando estiver disposto.”

“Coloque-me as questões”, disse o Buda.

“Devo adverti-lo”, disse Alavaka, “que nunca niguém as respondeu. Você encontrará, espalhados ao redor, os ossos daqueles que eu interroguei no passado.”

“Coloque-me as quatro questões”, respondeu o Buda.

“Muito bem”, disse Alavaka, “como pode um homem evitar o rio das paixões? Como pode ele atravessar o mar das existências e encontrar um porto seguro? Como pode ele escapar das tempestades do mal? Como pode ele permanecer intocado pela tempestade dos desejos?”

Numa voz calma, o Buda respondeu:

“O homem evita o rio das paixões se ele acredita no Buda, na Lei e na Comunidade (Sangha); ele atravessa o mar das existências e encontra um porto seguro se ele compreende as obras de santidade; ele escapa das tempestades do mal se ele realiza obras de santidade; ele permanece intocado pela tempestade dos desejos se ele conhece o caminho sagrado que conduz à libertação.”

“Rei”, disse o Deus (Alavaka), “libertá-lo-ei da sua promessa”.

O rei ficou mais feliz do que jamais esteve antes. Quando ele soube quem havia lhe salvado, ele gritou:

“Acredito em vós, meu Senhor, que salvou a mim e ao meu povo; acredito em vós, e dedicarei minha vida a proclamar a Vossa glória, a glória da Lei (Dharma) e a glória da Comunidade (Sangha)”.

A vida do Buda, tr. para o francês por A. Ferdinand Herold [1922], tr. para o inglês por Paul C. Blum [1927], rev. por Bruno Hare [2007], tr. para português brasileiro por Marcos U. C. Camargo [2011].

Fonte: Sacred-Texts em http://www.sacred-texts.com/bud/lob/index.htm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: