A Herança de uma Vida

Sutra Guirlanda de Flores
Avatamsaka Sutra

 “Além disso, quando uma pessoa que recita esses votos está à beira da morte, no último instante da vida, quando todas as suas faculdades se dispersam e ela aparta-se de seus parentes, quando todo o poder e status estiverem perdidos e nada mais sobreviver, quando seu ‘Primeiro Ministro, grandes oficiais, seu reino e cidades, elefantes, cavalos, carruagens e tesouros de joias preciosas’ não puderem mais acompanhá-la, somente esses grandes votos estarão com ela. Em todos os momentos eles guiarão aquela pessoa e num instante ela renascerá na terra da suprema felicidade e, ao chegar lá, verá o Buda Amitabha, o Bodhisattva Manjushri, Samantabhadra, Avalokiteshvara, Maitreya, e outros. A aparência desses Bodhisattvas será magneficente e suas virtudes e méritos serão completos. Todos juntos, eles a rodearão.

Essa pessoa se verá nascer de uma flor de lótus e receberá uma profecia do Estado de Buda. Portanto, ela passará através de incalculável número de aeons e, com seu poder da sabedoria, ela estará em sintonia com as mentes dos seres viventes de forma a beneficia-los onde quer que estejam, em todos os incontáveis mundos das dez direções.

Logo ela sentará diante do Bodhi-mandala (lugar da iluminação), subjugará os exércitos de Mara, atingirá a suprema e perfeita iluminação e girará a maravilhosa Roda-da-Lei. Ela fará com que seres viventes em mundos tão numerosos quanto os finos grãos de pó das Terras Búdicas desenvolvam a Mente do Bodhi (Mente da Iluminação).

De acordo com suas inclinações e naturezas básicas, ela lhes ensinará, transformará, e lhes conduzirá à maturidade.

Até o esgotamento dos oceanos das eras (aeons) futuras, aquela pessoa beneficiará grandemente os seres viventes.”


As Práticas e Votos do Bodhisattva Samantabhadra

 

O Décimo Voto

Sutra Guirlanda de Flores
Avatamsaka Sutra

“Além disso, bom homem, transferir todos os méritos e virtudes universalmente explica-se assim: todos os méritos e virtudes (auferidos), desde o primeiro voto, que é ‘prestar homenagem e respeitar’, até o voto de ‘confortar e beneficiar todos os seres viventes em todo o reino do Dharma e até os limites do espaço vazio’. Faço voto de que todos os seres viventes serão constantemente felizes, sem doenças ou sofrimentos. Faço voto de que ninguém conseguirá fazer qualquer maldade, mas que rapidamente todos aperfeiçoarão o seu cultivo do bom karma. Faço voto de fechar a porta para os maus destinos e abrir os bons caminhos dos humanos, deuses e do Nirvana. Pelos seres viventes, suportarei e receberei todos os frutos extremamente severos do sofrimento que eles provoquem com seu mau karma. Libertarei todos esses seres viventes e finalmente os conduzirei à realização do insuperável Bodhi (Estado de Buda). O Bodhisattva cultiva a transferência (dos méritos e virtudes) dessa maneira.

Mesmo quando os domínios do espaço vazio estiverem esgotados, os domínios dos seres viventes estiverem esgotados, o karma dos seres viventes estiverem esgotados, e as aflições dos seres viventes estiverem esgotadas (extintas), eu transferirei todos os méritos e virtudes interminavelmente, continuamente, em pensamento após pensamento sem cessar. Meu corpo, fala e mente nunca cansarão dessas ações.

Bom homem, estes são os dez grandes votos dos grandes Bodhisattvas em sua totalidade. Se todos os Bodhisattvas puderem seguir e persistir por esses grandes votos, então serão bem sucedidos na condução de todos os seres viventes à maturidade. Serão capazes de concordar com o caminho da suprema e perfeita iluminação, e de atravessar o mar da conduta e votos de Samantabhadra. Portanto, bom homem, você deve conhecer o significado disto.”


As Práticas e Votos do Bodhisattva Samantabhadra

 

De Volta à Montanha dos Sete Tesouros

Bodhisattva sculpture, Ming dynasty, China

Escultura do Bodhisattva na Dinastia Ming, China Image via Wikipedia

“No Caminho do Bodhi, não há alguém que retorne. Oh bom homem! Aquele que se arrependeu após ter começado, agora vê os que foram antes e que obtiveram tesouros, os vê voltarem imperturbáveis, e fazerem oferecimentos aos seus pais, darem aos seus parentes, desfrutando de muita paz. Ao ver isto, um fogo queima novamente em sua mente, ele adorna o seu corpo, reinicia no caminho outra vez, não mede esforços, enfrenta todos os tipos de dificuldades, e vai à Montanha dos Sete Tesouros.

Assim acontecem as coisas com o Bodhisattva retroativo.”

Sutra do Nirvana, Capítulo 34, sobre o Bodhisattva Rugido do Leão 2.

back to the mountain of the seven treasures.mp3

Parábola da Fonte Límpida

“Oh bom homem! Não diga que os seres não têm a Natureza de Buda apenas em razão da mente retroativa. Por exemplo, duas pessoas ouvem: ‘Numa outra terra, existe uma montanha feita dos sete tesouros. Na montanha, existe uma fonte límpida, cuja água é doce. Caso uma pessoa encontre essa fonte, ela acabará com a pobreza, e qualquer um que beba a sua água obterá longa vida. Mas, o caminho até lá é longo e escarpado. Então, ambos desejam ir até lá. Uma das pessoas vai equipada com vários utensílios de viagem, enquanto a outra vai despreparada, não portando sequer as rações de alimentos. Elas estão caminhando juntas, quando ao longo do caminho encontram um homem que tem abundância de tesouros, completos nas sete raridades. Os dois vão a essa pessoa e indagam: ‘Existe alguma montanha dos sete tesouros naquela terra’? O homem responde: ‘Realmente, existe essa terra, isto não é falso. Eu já obtive os tesouros. Degustei a água. A única coisa a preocupar é que o caminho é escarpado, e há muitos ladrões, cascalhos e espinhos; plantas aquosas (suculentas) são raras. Milhares de milhões (de pessoas) vão, mas poucos são os que chegam ao fim’. Ao ouvir isto, um dos homens arrepende-se e diz: ‘O caminho é longo e há mais que um problema. Incontáveis são aqueles que vão e poucos chegam ao fim. Como posso esperar encontrar esse lugar? No presente, tenho o que necessito ter. Se me apegar ao que tenho, não perderei minha vida. Se a vida estiver em jogo, como poderei pensar em longevidade’? O outro homem também diz: ‘As pessoas, de fato, vão; eu também irei. Se eu realmente alcançar aquele lugar, terei as raridades e o doce sabor da água. Se eu não puder, deixarei minha vida terminar lá’. Ora, um se arrepende após ter começado e retorna, enquanto o outro segue, alcança a montanha e as raridades, e saboreia a água que ele deseja degustar. Carregando tudo o que ele obteve, ele volta para onde ele vive, serve seus pais e seus ancestrais.

Então, aquele arrependido após ter começado a viagem, e que voltou, vê isto e é acometido de uma febre. ‘Ele foi e agora voltou. Como posso ficar aqui’? E, equipando-se, reinicia a viagem novamente.

Os sete tesouros podem ser comparados ao Grande Nirvana, a água doce à Natureza de Buda, as duas pessoas a dois Bodhisattvas que inicialmente aspiram ao Bodhi, o caminho escarpado ao nascimento e à morte, o homem que eles encontraram no caminho ao Buda-Honrado-pelo-Mundo, os ladrões aos quatro Maras, os cascalhos e espinhos às impurezas, a falta de plantas aquosas a não-prática da Via do Bodhi, aquele que retorna ao Bodhisattva retroativo, e aquele que segue sozinho a um Bodhisattva não-retroativo.”

Sutra do Nirvana, Capítulo 34, sobre o Bodhisattva Rugido do Leão 2.

parable of the clear spring.mp3

Causa e Condição do Insuperável Bodhi

“Oh bom homem! Você diz que se os seres possuíssem a Natureza de Buda, não haveria necessidade das relações causais, uma vez que o caso é análogo àquele do leite e a manteiga. Mas, isto não é assim. Por que não? Isto é como dizer que cinco relações causais evocam a manteiga fresca. Saiba que o caso com a Natureza de Buda é o mesmo. Por exemplo, em várias pedras encontramos ouro, prata, cobre e ferro. Todas são (compostas) dos quatro grandes elementos. Cada uma tem um nome e uma qualidade. E o lugar de onde elas vêm não é o mesmo. O surgimento [isto é, o aparecimento desses metais] sempre depende da soma total das várias relações causais e virtudes dos seres, (conhecimento de) metalurgia, e das habilidades dos humanos. O assunto se estabelece assim. Em razão disto, temos de saber que originalmente não existe a natureza do ouro. A Natureza de Buda dos seres não é Buda. Através do trabalho conjunto de todas as virtudes e relações causais, alguém vê a Natureza de Buda e torna-se o Buda. Não é correto dizer: ‘Se todos os seres possuem a Natureza de Buda, por que você não a vê’? Por que não? Porque todas as relações causais ainda não estão em conjunção. Oh bom homem! Por essa razão, Eu disse que das duas causas, a causa direta e a condição, a causa direta é a Natureza de Buda, e a condição é a mente que aspira ao Bodhi. Através dessas duas causas, atinge-se o Insuperável Bodhi, como no caso de uma pedra da qual surge o ouro.”

Sutra do Nirvana, Capítulo 34, sobre o Bodhisattva Rugido do Leão 2.

cause and condition of unsurpassed bodhi.mp3

%d blogueiros gostam disto: