A Casa do Tesouro

Beyond all coming and going of phenomena: the ...

Tathagata: aquele que está para além de todas as idas e vindas dos fenômenos - Imagem via Wikipedia

O Bodhisattva Kashyapa disse ao Buda: “Oh Honrado pelo Mundo! O que é ação pura?”

O Buda disse: “Todas as coisas são nada mais que ações puras.”

O Bodhisattva Kashyapa disse: “Oh Honrado pelo Mundo! Todas as coisas não são determinadas no significado. Por quê? O Tathagata as chama de boas ou não-boas. Às vezes, ele diz que essa é a meditação das quatro recordações, ou às vezes, das 12 esferas, ou do Bom Mestre da Via, ou dos 12 elos da interdependência, ou do ser, da visão correta, da visão errônea, dos 12 tipos de sutra, ou das duas verdades; ou o Tathagata agora diz que todas as coisas são ações puras. Tudo somado, o que você quer dizer com ‘todas as coisas’?”

O Buda disse: “Bem falado, bem falado, oh bom homem! O Todo-Maravilhoso Sutra do Grande Nirvana é a Casa do Tesouro de todas as leis (dharmas). É como o grande oceano, que guarda todos os tesouros. É o mesmo com o Sutra do Nirvana. Este é o Repositório Secreto que contém todos os significados de todas as palavras.

Oh bom homem! Assim como o Monte Sumeru é a fonte raiz de todos os remédios, assim esse Sutra é a fonte raiz dos preceitos do Bodhisattva.

Oh bom homem! É como com o Vazio, onde repousa tudo o que existe. Assim é com esse Sutra, que é a morada do Bom Dharma.

Oh bom homem! É como o grande vento, que ninguém pode prender ou encerrar. Assim é com todos os Bodhisattvas que praticam esse Sutra. Nenhuma impureza ou mau ensinamento pode reprimi-los ou prende-los.

Oh bom homem! É como o diamante, que ninguém pode destruir. Assim é a situação com esse Sutra, que nem tirthikas ou humanos mal intencionados podem destruir.

Oh bom homem! É como (os grãos de) as areias do Rio Ganges, que ninguém pode contar. Assim é com os significados desse Sutra. Ninguém pode realmente contá-los completamente.

Oh bom homem! Esse Sutra é o estandarte do Dharma de todos os Budas, assim como as coisas se dão com os pavilhões içados do Shakra.

Oh bom homem! Esse Sutra é o mercador que percorre as divisões do nirvana, ou o grande guia que singra o grande oceano com todos os mercadores.

Oh bom homem! Esse Sutra é a luz do Dharma de todos os Bodhisattvas, assim como a luz do sol e da lua realmente destrói a escuridão ao redor.

Oh bom homem! Esse Sutra serve como o melhor [remédio] para todos os seres que estão sofrendo de doenças. É como o Todo-Maravilhoso Rei dos Remédios do (Monte) Gandhamadana, que cura completamente todas as doenças.

Oh bom homem! Esse Sutra serve realmente como um bastão (bengala) para o icchantika, como no caso de uma pessoa fraca que [assim] pode facilmente apoiar-se e ficar de pé.

Oh bom homem! Esse Sutra realmente serve como uma ponte para todas as pessoas más, assim como uma ponte permite que mesmo todas as pessoas más do mundo passem sobre ela.

Oh bom homem! Esse Sutra realmente serve como uma sombra fresca para todos aqueles que carregam suas vidas nos cinco reinos, onde sentem calor devido às impurezas, servindo-lhes como um pára-sol que protege bem a pessoa do calor.

Oh bom homem! Esse Sutra é o Rei do Destemor, que aniquila completamente todos os demônios das impurezas, agindo como o Rei Leão, que verdadeiramente subjuga todos os animais.

Oh bom homem! Esse Sutra é um grande encantador que pode aniquilar completamente todos os demônios das impurezas, assim como um encantador acaba com o gnomo da montanha.

Oh bom homem! Esse Sutra é como a insuperável neve e granizo, os quais acabam com todos os resultados cármicos do nascimento e da morte, assim como o granizo destrói as árvores frutíferas.

Oh bom homem! Esse Sutra é o maior dos remédios para uma pessoa que viola os shila [preceitos morais], assim como a ajata pode realmente curar dores dos olhos.

Oh bom homem! Esse Sutra guarda todas as boas leis, assim como a terra, que serve como um suporte para todas as coisas.

Oh bom homem! Esse Sutra é um espelho brilhante para todos os seres que violam os preceitos, assim como um espelho que reflete bem todas as cores e formas.

Oh bom homem! Esse Sutra serve como roupa para aqueles que não sentem vergonha do que fizeram, assim como a roupa que pode cobrir bem e esconder a forma carnal.

Oh bom homem! Esse Sutra serve como uma grande Casa do Tesouro para aqueles que estão carentes de boas coisas, assim como Gunadevi concede benefícios aos pobres.

Oh bom homem! Esse Sutra serve como a água da amrta [imortalidade] para aqueles que sentem sede pelo Dharma, assim como a água dos oito sabores, que sacia completamente uma pessoa sedenta.

Oh bom homem! Esse Sutra serve como uma cama do Dharma para aqueles que têm as preocupações das impurezas, assim como a cama da paz que serve às pessoas do mundo.

Oh bom homem! Através desse Sutra, o Bodhisattva ascende do primeiro estágio até o décimo. É o carro sobre o qual são carregadas jóias, incenso em pasta, incenso em pó, incenso para queimar e flores; e o carro no qual aqueles das castas puras podem montar. Ele realmente supera os seis paramitas. Isto é uma terra maravilhosa de bem-aventurança. É como a árvore parijata do Céu Trayastrimsa.

Oh bom homem! Este sutra é uma machadinha adamantina e afiada que pode de fato derrubar a grande árvore de todas as impurezas. Este é a espada afiada que pode realmente acabar com a mácula do mau cheiro. Este é o valente e forte que pode subjugar completamente a adversidade de Mara. Este é o fogo da Sabedoria, que queima o combustível das impurezas. Este é o repositório das relações causais que dão nascimento ao Pratyekabuda. Este é o repositório da audição que dá nascimento aos Sravakas. Este é o olho de todos os deuses que servem como Caminho Correto a todos os seres. Este é um refúgio para todos os animais. Este é onde os espíritos famintos ganham a Emancipação, o mais sagrado dos infernos, e o utensílio insuperável para todos os seres das dez direções. Este é o pai de todos os Budas das dez direções do passado, do futuro, e do presente. Oh bom homem! Assim, este Sutra guarda dentro de si todas as leis.”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 44 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 5.

the treasure house.mp3

Resposta à Gislene Macedo

Gislene escreveu:

“No post – O Vazio Como ‘Não-É’ – Elemento – há essa parte que me inquieta: “Oh bom homem! Eu nunca brigo com o mundo. Por que não? Se o conhecimento mundano diz ‘é’, Eu digo ‘é’; se o conhecimento mundano diz ‘não-é’, Eu, também, digo ‘não-é’.” É aí que engancho porque, como assim essa aceitação?”

O Sutra diz a seguir:

O Bodhisattva Kashyapa disse ao Buda: “Oh Honrado pelo Mundo! Você, o Buda, diz que se diz ‘é’ se o conhecimento mundano disser ‘é’, e se o conhecimento mundano disser ‘não-é’, diz-se ‘não-é’. Mas, o que vem a ser ‘é’ e ‘não-é’ do conhecimento mundano?”

O Buda disse: “Oh bom homem! Isso é como quando o mundo diz: ‘A matéria é não-eterna, sofrimento, vazio, e não-Eu’, e as coisas se passam assim até a consciência. Oh bom homem! Isto é o que o conhecimento mundano diz que é um ‘é’, e Eu, também, digo que é um ‘é’. Oh bom homem! O conhecimento mundano diz que a matéria nada tem do Eterno, Êxtase, do Eu e do Puro. Assim se diz do sentimento, percepção, volição, e consciência. Oh bom homem! Isto é onde o conhecimento mundano diz ‘não-é’. Eu, também, digo ‘não-é’.”

Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

O Buda diz: “É como quando…”, significando que se trata de um exemplo. Portanto, creio que essas palavras do Buda, acima, referem-se ao aspecto do ‘Zêlo pelo Dharma Maravilhoso’. Há outros 9(nove) aspectos concernentes a ‘Não Brigar com o Mundo’, e estes estão no post: “Como a Utpala – O Lótus Azul”.

No post “A Qualidade Daquele Que Indaga” lê-se: “Também, ainda há dois tipos de pessoas. Um indaga sobre o que é difícil, e o outro responde bem. Você é o tipo de pessoa que indaga bem sobre o que é difícil; o Tathagata é aquele que responde bem. Oh bom homem! Através dessas questões bem colocadas, pode ocorrer o Giro da Roda-da-Lei, a morte da grande árvore dos 12 elos da causação, a passagem das pessoas através do imenso oceano do nascimento e da morte, o bom combate contra o Rei Marapapiyas, e a derrubada do estandarte vitorioso dos Papiyas.”

Então Gislene, obrigado pela pergunta.

Respeitosamente,

Marcos Ubirajara.

response to gislene macedo.mp3

O Vazio Como ‘Não-É’ – Elemento

“Oh bom homem! A terra está sobre a água. Como a água é não-eterna, a terra, também, é não-eterna. A água paira sobre o vento, e como o vento é não-eterno, a água, também, é não-eterna. O vento repousa sobre o espaço, e como o espaço é não-eterno, o vento, também, é não eterno. Se é não-eterno, como podemos dizer: ‘O Vazio é eterno e preenche o espaço’? Como o Vazio é nulo, ele não tem passado, futuro ou presente. Como os chifres de uma lebre não são uma coisa, eles não têm passado, futuro ou presente. As coisas são assim. Portanto, Eu digo: ‘Como a Natureza de Buda é eterna, ela não cai dentro da categoria dos Três Tempos. Como o Vazio é Vazio, ele não cai dentro da categoria dos Três Tempos’.

Oh bom homem! Eu nunca brigo com o mundo. Por que não? Se o conhecimento mundano diz ‘é’, Eu digo ‘é’; se o conhecimento mundano diz ‘não-é’, Eu, também, digo ‘não-é’.”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is element.mp3

O Vazio Como ‘Não-É’ – Direção

“Oh bom homem! Se uma pessoa diz: ‘O lugar que se pode apontar é Vazio’, saiba que o Vazio é algo não-eterno. Por quê? Temos quatro direções para apontar. Se há os quatro quadrantes, saiba que o Vazio, também, deveria possuir as quatro direções. Tudo o que é eterno não tem direção para apontar. Ter direções significa que o Vazio, por conseguinte, é não-eterno. Se não-eterno, não está distante dos cinco skandhas. Se alguém dissesse que certamente há separação dos cinco skandhas, não haveria lugar para (ele) existir. Oh bom homem! Se existe alguma coisa através de relações causais, podemos saber que tal coisa é não-eterna. Oh bom homem! Por exemplo, todos os seres e árvores se apóiam no chão. Como o chão é não-eterno, o que se apoia no chão é, por conseguinte, não-eterno.”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is direction.mp3

O Vazio Como ‘Não-É’ – Dual

“Uma pessoa pode dizer: ‘O Vazio é, também, tanto o eterno como o não-eterno’. Isto está em desacordo com a razão. Uma pessoa pode dizer que coisas com partes comuns se juntam. O caso não é assim. Por que não? O Vazio é onipenetrante. Se ele junta-se com o que é criado, o que é criado também deveria tornar-se onipenetrante. Se ele penetra, tudo deve ser penetrante. Se tudo for onipenetrante, tudo pode ser juntado em um. Não podemos dizer que ambos possam existir, junção e não-junção. Uma pessoa pode dizer: ‘Aquilo que esteve junto, junta-se novamente, como no caso de dois dedos que se unem’. Mas, isto não é assim. Por que não? A união não pode preceder (anteceder). A união surge depois. Se o que não existia antes vem a existir, isto é nada mais que o não-eterno. Por isso, não podemos dizer: ‘O Vazio é aquilo que já esteve junto e [que agora] se junta’. O que se obtém no mundo é aquilo que não existia antes, mas que depois surge. Isto é como com uma coisa que não tem eternidade. Se o Vazio se situa numa coisa como o fruto dentro de um recipiente, se for assim, ele também deve ser não-eterno. Uma pessoa pode dizer que se o Vazio se situa numa coisa, ele é como o fruto num recipiente. Mas, isto não é assim. Por que não? Onde o Vazio em questão poderia existir, não tendo o recipiente às mãos? Se há qualquer lugar [para ele] existir, o Vazio teria que ser muitos. Se muitos, como diríamos eterno, uno, e onipenetrante? Se o Vazio existe em lugares fora do Vazio, então uma coisa poderia perfeitamente subsistir sem o Vazio. Assim, saiba-se que não pode haver tal coisa (dual) como (sendo) o Vazio.”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is dual.mp3

O Vazio Como ‘Não-É’ – Eterno

“Uma pessoa pode dizer: ‘O Vazio é eterno; e a sua natureza é imóvel. Esta (natureza) se junta com o que se move’. Mas, isto não é assim. Por que não? Se o Vazio é eterno, a matéria, também, deveria ser eterna. Se a matéria é não-eterna, o Vazio, também, deve ser não-eterno.”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is eternal.mp3

O Vazio Como ‘Não-É’ – Co-Existência

“Oh bom homem! Uma pessoa pode dizer: ‘O Vazio co-existe com o ‘é’ desobstruído’. Ou alguém pode dizer: ‘O Vazio existe dentro de uma coisa. É como o fruto dentro de um recipiente’. Nenhum deles é o caso. Há três tipos de co-existência, a saber: 1) coisas feitas diferentemente tornam-se unas, como no caso dos pássaros voando que se juntam numa árvore; 2) duas coisas comuns entre si tornam-se unas, como no caso de duas ovelhas que entram em contato; 3) co-existência de pares daqueles que se reúnem para existir no mesmo lugar. Dizemos ‘diferentes coisas se juntam’. Há dois tipos de diferenças. Um é uma ‘coisa’ (objeto), e o outro é o Vazio. Se a Vacuidade se junta com a coisa, essa Vacuidade deve ser não-eterna. Se uma coisa se junta com o Vazio, a coisa deixa de ser unilateral (individual, desigual, assimétrica). Se já não há nada que seja unilateral, novamente é não-eterno.”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is co-existence.mp3

O Vazio Como ‘Não-É’ – Desimpedimento

“Oh bom homem! As pessoas do mundo podem dizer: ‘Qualquer lugar do mundo onde não haja impedimento [obstáculo] é o Vazio’. Um lugar onde não há nada para obstruir é um completo ‘é’. Como pode qualquer existência ser parcial? Se for um completo ‘é’, pode-se saber que não há Vazio em outros lugares. Se for parcial, isso é uma coisa contável. Se contável, é não-eterna.”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is no hindrance.mp3

O Vazio Como ‘Não-É’ – Três Coisas

“Oh bom homem! Também, algumas pessoas dizem: ‘Ora, o Vazio nada mais é que essas três coisas: 1) Vazio, 2) Real, e 3) Vazio-Real’. Se dissermos que isto é o Vazio, dever-se-ia saber que o Vazio é não-eterno. Por quê? Porque ele não tem um lugar efetivo para existir. Se for dito que ele realmente é isto, devemos saber que o Vazio é não-eterno. Por quê? Porque não é nulo (vago). Se dissermos ‘Vazio-Real’, podemos saber que o Vazio é não-eterno. Por quê? Porque nada pode existir em dois lugares. Por isso, o Vazio é nulo.”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is three things.mp3

O Vazio Como ‘Não-É’ – Gradual

“Também, algumas pessoas dizem que o Vazio é gradual. Se for gradual, pode ser um caitasika (fator mental). Se for contável (mensurável), ele cai na categoria dos Três Tempos. Se ele pertence aos Três Tempos, como ele pode ser Eterno?”

Leia Mais no Sutra do Nirvana, Capítulo 42 – Sobre o Bodhisattva Kashyapa 3.

the void as not-is gradual.mp3

« Older entries

%d blogueiros gostam disto: