Sobre Atingir o Estado de Buda

O Buda Shakyamuni então falou de um homem, ou mulher, que cultiva os cinco preceitos e as dez boas ações, que oferece seu corpo e sua vida tantas vezes quanto os grãos de areia que há no Rio Ganges. Quando o Buda Shakyamuni estava a cultivar a Via, ele ofereceu seu corpo para um tigre e cortou sua carne para uma águia. Certa vez, quando na cultivação nas montanhas em uma vida anterior, o Buda Shakyamuni viu uma tigresa e seu filhote na neve. Em virtude da forte nevasca, os outros animais se esconderam, e a tigresa não conseguia encontrar alguma presa para alimentar-se ou saciar a sede. Ambos, ela e seu filhote, estavam prestes a morrer de fome. O cultivador entendeu que com a mãe faminta os dois morreriam, e fez um voto de oferecer seu corpo para a tigresa alimentar-se. Pense a respeito disso. Um tigre é uma besta odiosa. Quem desejaria sacrificar seu próprio corpo em prol de tal animal? Todavia, o Buda Shakyamuni prostrou-se diante do tigre e se permitiu ser devorado.

Em uma outra ocasião quando o Buda Shakyamuni estava a cultivar a Via no terreno causal, certo dia um pequeno pássaro correu para sua cabana aterrorizado por uma enorme águia que estava a persegui-lo. “Salve-me! Salve-me!”, clamava o pequeno pássaro, “Aquela águia quer me devorar!”.

“Como posso salvá-lo?”, indagou o Buda Shakyamuni.

“Se você salvá-lo morrerei de fome”, gritou a águia. “Se você salvar uma vida e matar uma outra, isto não é compaixão.”

Quando o Buda Shakyamuni ouviu o apelo da águia, ele cortou um pedaço da sua própria carne e o ofereceu para o grande pássaro comer. A águia devorou-lhe num instante e retornou para mais comida. Ela ainda comeu um outro pedaço e não estava satisfeita. Continuou a voltar por mais comida até que finalmente o Buda disse: “Está certo, você pode ter meu corpo todo”. O pássaro então pegou seus ossos já limpos.

No passado, o Buda Shakyamuni foi aos extremos da doação na sua busca pela Via do Buda. Mas no presente, se as pessoas dão mesmo que pouco dinheiro, seus corações doem, seus fígados se contorcem, e seus corpos inteiros são destruídos pela dor.

“Eu doei duzentos dólares e não pude dormir durante três noites”, eles lamentam. “Levei a semana inteira para ganhar aquela quantia, e levarei uma outra semana para ver outros duzentos”. Eles mantêm apontamentos (registros) muito precisos.

“Devemos ser desleixados nos apontamentos, então?”, você poderia indagar.

Não. Você não deve ser desleixado com os apontamentos. O Buda Shakyamuni não mantinha o controle de tais ações quando ele se encontrava no terreno causal, e como resultado ele atingiu o Estado de Buda. A razão de você não ter atingido o Estado de Buda é que você está interessado em manter os seus apontamentos passados a limpo.

Sutra Diamante – Capítulo 13 – Receber e Manter o Dharma “Assim”.

Original

Em Vila Nova de Famalicão – Portugal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: