Um Novo Original do Sutra de Lótus

Exatamente um ano após ter encontrado a tradução de João Rodrigues para o português, em 03/03/2005, encontrei um original em inglês do Sutra de Lótus, mais recente, feito pela BTTS – Buddhist Text Translation Society in USA, e que jamais fora traduzido para o português. Ao ler essa versão da BTTS, percebi algumas diferenças logo no início. Como por exemplo:

O final do Capítulo I – Introdução de Burton Watson diz:

“Tu que procuras os três veículos,

se tens dúvidas ou inquietações,

o Buda resolvê-las-á para ti.”

No Capítulo II – Meios Hábeis

“Entre os quatro tipos de crentes,

os iguais a estes são cinco mil.

Não vêm os seus erros,

são descuidados e negligentes no que respeita aos preceitos,

apegados aos seus defeitos e sem vontade de mudar.

Mas estas pessoas de diminuta sabedoria já se foram embora;

o joio desta assembleia

retirou-se perante a autoridade do Buda.”

Há uma contradição aqui. O Buda propusera resolver as dúvidas de certas pessoas, mas depois essas pessoas se retiram da assembléia?

Então vamos à outra versão, comparando os mesmos trechos:

O final do Capítulo I – Introdução da BTTS diz:

“Aqueles que procuram os três veículos,

caso tenham dúvidas ou pesares,

o Buda os removerá agora,

tal que se retirem e não permaneçam na assembléia”.

No Capítulo II – Meios Hábeis

“Pessoas tais como essas,

em número de cinco mil,

que não vêem o seu próprio erro,

que são débeis na observação dos preceitos e guardam imperfeições,

são aqueles de sabedoria desprezível que se retiraram;

o joio da multidão está separado,

graças à grande virtude do Buda.”

Percebendo a enorme significância dessa primeira constatação, continuei a leitura, pois muitas diferenças haveriam de surgir. Quando cheguei ao Capítulo 23 – Os Feitos Passados do Bodhisattva Rei da Medicina, essas diferenças já eram muitas, por isso decidi começar a escrever. Até então, vinha fazendo somente leitura. Fui até o Capítulo 28 – O Encorajamento do Bodhisattva Universalmente Meritório, agora traduzindo e escrevendo. Fiquei encantado. Voltei ao Capítulo I – Introdução, e assim foi até concluir a tradução em 01/03/2006, um ano após ter obtido os originais.

Estava fascinado com o resultado, adaptei as notas de rodapé que eu havia registrado na tradução de João Rodrigues. Lia e relia com alegria os textos sagrados. Pensava comigo: “ficou bom”! Então, comecei a sonhar com um livro. Só pensava nisso.

Continua no próximo episódio semanal de:

A História da Tradução do Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa

por Marcos Ubirajara de Carvalho e Camargo.

Episódios Anteriores:

O Fato Motivador da Tradução do Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa

O Último Dia

O Avatar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: