O Remorso de Ajatasatru

Neste intermédio, Bimbisara estava morrendo de fome. Mas ainda não estava morto. Uma força misteriosa sustentou-lhe. Seu filho, finalmente, decidiu levá-lo à morte, e deu ordens para queimar as solas dos seus pés, amputar seus membros e derramar óleo fervente e sal nas feridas abertas. O carrasco obedeceu, e até chorou ao ver o velho homem torturado.

Um filho nasceu para Ajatasatru no dia em que ele emitiu a ordem para a morte de seu pai. Quando ele viu a criança, acometeu-lhe uma grande alegria; ele se compadeceu, e rapidamente enviou guardas à prisão para evitar a execução. Mas eles chegaram tarde; o Rei Bimbisara havia morrido em meio a sofrimento terrível.

Então, Ajatasatru começou a se arrepender. Certo dia, ele ouviu a Rainha Vaidehi dizendo ao príncipe infante, quando ela o carregava em seus braços: “Seu pai pode ser um rei para você assim como seu pai foi para ele. Certa vez, quando ele era uma criança, ele teve uma ferida no dedo; machucava-lhe, e ele chorava, e nenhuma pomada curava-lhe. Então Bimbisara pôs o seu dedo nos lábios e drenou o pus, e Ajatasatru voltou a sorrir e a brincar. Oh, ame seu pai, meu pequeno; não o puna com sua crueldade por ele ter sido cruel com Bimbisara.”

Ajatasatru derramou lágrimas amargas. Ficou sobrecarregado com o remorso. À noite, em seus sonhos, via seu pai, o sangramento de suas feridas, e ouvia-o gemer. Ele ficou tomado por uma febre ardente, e o médico Jivaka foi convocado para atendê-lo.

“Nada posso fazer por você”, disse Jivaka. “Seu corpo não está doente. Vá ao Mestre Perfeito, o Bem-Aventurado, o Buda; somente ele conhece as palavras de consolo que restabelecerão a sua saúde.”

Ajatasatru aceitou o conselho de Jivaka. Ele foi ao Bem-Aventurado; confessou seus delitos e crimes, e encontrou a paz.

“Seu pai”, o Buda disse-lhe, “renasceu em meio aos mais poderosos Deuses; ele sabe do seu arrependimento, e perdoa-lhe. Preste atenção, Rei Ajatasatru; conheça a lei, e pare de sofrer.”

A vida do Buda, tr. para o francês por A. Ferdinand Herold [1922], tr. para o inglês por Paul C. Blum [1927], rev. por Bruno Hare [2007], tr. para português brasileiro por Marcos U. C. Camargo [2011].

Fonte: Sacred-Texts em http://www.sacred-texts.com/bud/lob/index.htm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: