O Título do Sutra Diamante

Vajra é uma palavra do Sânscrito que desafia a tradução em virtude de suas numerosas conotações mas, essencialmente, vajra é uma substância indestrutível, usualmente representada pelo diamante. Vajra aqui é metaforicamente estendido para se referir aos princípios deste Discurso sobre o Dharma. Vajra refere-se ao vajra coração, ao vajra natureza, e ao vajra prajna. O vajra prajna é o vajra natureza que por sua vez é o vajra prajna.

Vajra é idêntico à natureza própria, a força vital essencial de todos os seres viventes, porque ambas são indestrutíveis e adamantinas. Além disso, o coração (âmago) eternamente latente que todos os seres têm em comum é o mesmo que a natureza vajra, uma vez que ele também não pode ser destruído. Prajna, como a mais elevada forma de sabedoria que os seres viventes podem atingir, é a marca real prajna, eternamente indestrutível. É, portanto, referida como Vajra Prajna.

De acordo com as explanações tradicionais dos Sete Tipos de Títulos de Sutras, vajra no título refere-se metaforicamente a prajna, um Dharma Budista essencial. Porém, mais incisivamente, pode-se dizer que prajna é vajra, o coração é vajra, a natureza é vajra. Discriminar através da analogia serve apenas para empanar o brilho daquela verdade esplêndida. Embora dharmas (leis) possam ser usados como expressões figurativas de um princípio, como é o caso aqui ao se falar de um princípio como um diamante (vajra) indestrutível, originalmente e conclusivamente há somente um dharma. Certas discriminações (desdobramentos) de um princípio são meros expedientes que servem para concordar com as várias formas de compreensão dos seres viventes. Então, de forma desdobrada, temos Sutra Vajra Prajna Paramita, e de forma concisa é Sutra Vajra, ou Sutra Diamante. Poderia também chamar-se Sutra Prajna Paramita, ou Sutra do Paramita da Sabedoria. Não há necessidade para uma interpretação rígida. O próprio Sutra Diamante fala de “dharmas variáveis (não fixos)”. Se uma pessoas prende-se fortemente à visão de que um é um, e dois é dois, a explanação do princípio torna-se sem vida.

Diamante (Vajra) é durável, luminoso, e capaz de cortar. A substância do diamante é durável, capaz de destruir o que nada mais pode, e ainda é indestrutível em si. A substância do diamante controla totalmente as más influências, inclusive demônios celestiais e formas exteriores.

A luz, que é a marca característica do diamante, tem o poder de romper com toda a escuridão, e ainda protege-se de toda a destruição. A luz desponta quando a escuridão é destruída. Ao proteger o dharma imaculado, o diamante erradica tudo o que é divergente e pervertido. Quando dharmas distorcidos são permitidos permanecer no mundo, a escuridão floresce. Quando dharmas distorcidos são destruídos, o dharma imaculado apropriado brilha mais resplandecente para perdurar longamente no mundo.

Como luz é a marca característica do diamante, cortar é a sua função. O diamante pode cortar como a lâmina afiada de uma espada. Pode cortar metais, esculpir o jade, cortando o aço como se fosse barro – tal é o poder do diamante. Essa agudeza penetra todas as obstruções e controla todos os desvios. Nada pode derrotá-lo.

Original

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: