Marcelo Damy de Souza Santos

Marcelo Damy de Souza Santos foi meu grande Mestre de Física Nuclear na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, a PUCSP, entre os anos de 1974 e 1976. Ensinou-me a interpretar “secção de choque” como “tempo de sobrevôo” de uma partícula em relação ao alvo. Isto quebrou a estrutura rígida do meu pensamento. Ela, a forma, é uma fantasia que se desfaz sob a chuva do Dharma.

Marcelo Damy de Souza Santos

Marcelo Damy de Souza Santos

Físico brasileiro nascido em Campinas em 1914, que desenvolveu o primeiro reator nuclear do Brasil e construiu o acelerador de partículas Betatron (1945-1951), além de participar dos estudos brasileiros em torno da energia atômica, que resultaram na construção do primeiro reator nuclear do país. Filho de um fotógrafo e dono de um estúdio cinematográfico, que depois de sair de Campinas, passou por Ribeirão Preto e depois se fixou em São Paulo onde fez concurso para a Caixa Econômica e virou funcionário público aos 47 anos. Terminou sua educação primária em São Paulo, no Ginásio do Estado (1931), enquanto trabalhava num cartório à tarde, entregando escrituras e como consertador de rádios em casa e à noite. Também deu aulas particulares e ganhava um bom dinheiro com eletrônica e com essas aulas. Destinado a seguir a carreira de engenheiro, entrou na Escola Politécnica de São Paulo (1933) para fazer o curso de engenharia eletricista, mas optou por ser físico, influenciado (1934) pelo professor Gleb Wataghin, principalmente depois que foi criada a Faculdade de Filosofia e a área de matemática e física da Poli uniu-se a ela. Foi para Cambridge com 24 anos, com uma bolsa do British Council, onde se tornou amigo de Edmundo Barbosa da Silva, estudante de Oxford e futuro colega na Comissão de Energia Atômica junto ao Conselho Nacional de Pesquisas. De volta ao Brasil trabalhou como pesquisador e cientista da marinha brasileira, especialmente no desenvolvimento de sonares, cujo laboratório funcionava nas dependências do departamento de física da Faculdade de Filosofia, até o fim da II Guerra (1945), quando recebeu a medalha de Mérito Naval, e tornou-se professor da Faculdade de Filosofia da USP, de onde saiu para a Unicamp (1966), e em cujo Instituto de Física terminou de construir (1951) o acelerador de partículas Betatron. Nos anos seguintes participou ativamente do IEA (1956-1961), presidiu a CNEN (1961-1964), continuou seu trabalho no IPEN (1964-1968) e tornou-se professor na recém-criada Unicamp (1966-1971). Em colaboração com o professor Crodowaldo Pavan, escreveu Energia atômica e o futuro do homem (1968) e seguiu (1972) sua carreira docente como professor titular de Física Nuclear na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, a PUCSP, e orientador de pesquisas no curso de pós-graduação do IPEN. Nas suas pesquisas sobre raios cósmicos objetivava estudar a natureza dos chuveiros penetrantes de raios cósmicos. Nos chuveiros cósmicos apareciam partículas, depois identificadas como mésons, que tinham um grande poder de penetração, sem perder parte apreciável de sua energia. Juntamente com Gleb Wataghin e Paulus Aulus Pompéia descobriram que esses chuveiros são muito penetrantes, e o trabalho foi publicado no exterior. Casado (1947) com Lúcia Toledo de Souza Santos.

Dados biográficos de Marcelo Damy de Souza Santos obtidos no site Netsaber

Foto obtida do portal do IFGW – Instituto de Fisica Gleb Wataghin da Unicamp

Nota de falecimento:

Regis Olivetti

Enviado em 02/12/2009 às 9:49

Faleceu (domingo – 29/11/2009) o nosso querido mestre Marcelo Damy, grande figura humana. Fique com Deus, pois Deus privilegiou a família por noventa e cinco anos de sua profícua vida. Descanse em paz.

muccamargo

Enviado em 02/12/2009 às 9:59

Prezado Regis,
É com imenso pesar que recebo essa notícia. Com isso, ficamos mais sós. Mas, pensando de forma não egoística, ele estava por merecer o seu descanso, na paz que ele sempre irradiou das profundezas dos seus olhos. Fomos privilegiados demais por termos nos aproximado de Marcelo Damy como seus pupilos. Esse é o místico sentimento de alegria que tenho agora. Enfim, que ele doravante resida na Paz do Dharma Maravilhoso de todos os Budas.
Obrigado por informar-me.

Marcos Ubirajara.

41 Comentários

  1. rodrigor said,

    28/05/2009 às 11:49

    GUG GRANDE UNIFICAÇÃO GRACELIANA

  2. Regis Olivetti said,

    01/09/2009 às 23:48

    Esse Marcelo Damy (adorava minha blusa de Eistein) junto com Roberto Leme, Carisa Abud da Silva, Nora, Helio fera do Eletromagnetismo, Chemberg (é assim que escreve?), Goldemberg, Fleury, (haja cigarro), Peter Almay, fora os meus professores de colégio Bandeirantes, Heidz, Bosco, Alvino da matemática (fantástico), Herodoto Barbeiro (ou será Barbero) e o outro de biologia (Barney) um xizinho pro papai e um ypsolonzinho para mamãe (ou será que era ao contrario) e outros que ensinaram a familia Olivetti, portanto, eu acho que tenho alguma coisa para mostrar aos jovens de hoje. Como pode uma pessoa passar por tantos feras. IIII-IInacreditável que eu tive esse privilégio – Só faltou Jesus, pois Huberto Hodhem eu também conheci pelas mãos de Xenia, maravilhosa mulher que os Brasileiros um dia conhecerão.

    • muccamargo said,

      02/09/2009 às 0:11

      Prezado Regis Olivetti,

      Também fui aluno de Arnaldo Augusto Nora Antunes (esse, quando procuramos algo sobre ele, só achamos o filho homônimo, grande Arnaldo Antunes dos Titãs, mas que sombreia tão ilustre pai), do Hélio (óculos de fundo de garrafa?), Mário Schemberg (acho que é assim), Célia Maria Cursino, Fleury (ah, Fleury), Peter Almay (quase me deu pau em cálculo IV – Mas, não deixei), Toledo Piza, Hercílio Rechemberg, e companhia bela. É muito privilégio, não é? É felicidade mesmo. Agradeceria muito se você descolasse informações sobre essa constelação de grandes valores, e as fornecesse para publicação neste espaço. Você não diz que tem coisas para mostrar aos jovens de hoje?

      Grande abraço!

      Marcos Ubirajara.

      • Regis Olivetti said,

        04/09/2009 às 23:25

        Querido Marcos Ubirajara é com grande emoção que tomo leitura de sua réplica.
        Hoje sou um homem de 51 anos, e felizmente vivenciado com tais feras.
        O meu acesso a esse mundo tão facinante, veio-me dado por esse Blog, de veras novo e, realmente me parece iniciado por nós.
        Penso em mantermo-nos em contato, visto que outros amigos comentarão algum fato ou, alguns para nosso eleite.

      • sergio falcon said,

        13/10/2012 às 13:34

        Somente agora em 2012, vi estes comentarios…. Tambem fui aluno do curso de Fisica na PUC-SP 1972-1976 desses excelentes Professores…. Abs Sergio Falcon

  3. Regis Olivetti said,

    01/09/2009 às 23:59

    Réplica – Herodoto foi do Objetivo, assim como o Barney, já, o Alvino e Douglas foram do Cardeal Motta e, no Objetivo felizmente conheci um grande amigo, Amadeo Memolo que me abriu uma oportunidade para fazer um curso ou vivência de Oceanografia no navio Almirante Saldanha junto com o comandante Luiz Carlos Ferreira da Siva (grande educação) assim como fui uma espécie de incentivador do Paulo Sergio Pagliusi, hoje um grande funcionário e graduado da Marinha com F maiúsculo da Marinha (não é Farinha não) e A maísculo de amigo e de infância..

    • Amadeu Mêmolo said,

      18/01/2013 às 23:19

      Prezado Regis Olivetti: hoje, 19/01/2013, às 23h11, estou lendo o que você disse em … 01/09/2009, às 23h59. Nem imagino quando você tomará conhecimento deste meu comentário. Sou o seu “grande amigo, Amadeu Mêmolo”, do Objetivo. Estou com quase 74 anos e presido duas associações: a dos Jornalistas Veteranos no Estado de São Paulo (3129 3810, Graça), no meu 4º mandato, e a Auxiliadora das Classes Laboriosas (3293 3883, Clélia/Fernanda). Estive um longo período no Projeto Rondon graças ao apoio do João Carlos Di Genio. Se possível, vamos tentar um reencontro. Feliz 2013!!! Abraços. Mêmolo. Ciao.

  4. Regis Olivetti said,

    02/09/2009 às 0:05

    Há; não posso esquecer da Maria Cabalero de Quântica (sofri muito com ela), ninguem entendia essa de autovalor e autovetor. Hoje já posso dizer que o átomo tem uma capa, assim como uma ervilha, de forma a indicar as particulas que saem e que entram e, em qual átomo elas vão apurrinhar.

    • Cristina Mekitarian said,

      08/12/2009 às 11:04

      Régis…. foi ótimo ler suas palavras…..Sinto muita saudade de todos eles….esqueceu da pro de Estrutura da Matéria…..esqueci o nome dela…..
      Abraço

      • Paschoal Chibirca said,

        01/02/2012 às 17:03

        Ei pessoal, esqueceram de mim, eu fui monitor da disciplina barra pesada de mecanica quantica da freira . . . rs . . . um barato ! . . .e não esqueçam da Anildes Kafanhe ( nuclear noturno ) que morava em Jundiai, e a Professora Ester de estrutura da materia, cuja colaboradora se chamava Hellen. flw. Hoje com 57 anos sou professor de fisica do curso anglo latino. bjs

      • muccamargo said,

        01/02/2012 às 23:01

        Olá Paschoal!
        Não esquecemos ninguém. O difícil é trazer a história de tão ilustres figuras à tona. Coloque o que sabe aqui. Seremos eternamente gratos.

        E o Hélio, óculos de fundo de garrafa, avental todo borrado, e que estraçalhava em Mecânica racional?

        Grande abraço!

        Marcos Ubirajara.

    • Francisco Jose Tallarico said,

      24/01/2016 às 15:01

      Olá Regis.
      Fui aluno de Física da PUCSP de 1974 a 1978 curso noturno quando me graduei.
      Estava tentando lembrar o nome da nossa terror da Quântica quando cai neste blog. Muito legal lembrar dos velhos mestres. Hoje tenho 67 anos e estou num grupo de pesquisa em física médica em Ribeirão Preto, cujo coordenador é o também lendário Prof Sergio Mascarenhas da USP S. Carlos que aos 87 anos continua na ativa…
      Grande prazer em contata-lo. Abrs

  5. Regis Olivetti said,

    04/09/2009 às 23:42

    É Marcos Ubirajara a Célia quando não tinha um filho na barriga (acho legal que ela tivesse – era dona do seu nariz) dava aula de Algebra Linear, pré requisito de tudo, até de Quântica (Schrödinger).

    Muito legal esse Blog.

    • Regis Olivetti said,

      04/09/2009 às 23:49

      Marcos Ubirajara, você me emocionou, já que eu me achava o último dos moicanos e vejo que tem mais gente evoluida no mundo. Agora quando o Roberto Carlos cria uma música com uma frase fantástica, tal como a descreverei – Não sei se chorei ou se sofri; o importante é que emoções eu sofri – É mole!.

  6. muccamargo said,

    08/09/2009 às 9:55

    Olá Regis!

    Vamos manter contatos sim! Esse espaço é para isso mesmo. Sem muito sucesso, vivo procurando amigos daquela época através das ferramentas de busca na internet. Por que o insucesso? Muitos deles não aderiram à “onda da informática”. Ficaram para trás. Que pena, né? Se você já vai com 51, eu já estou com 57. Ora, só vejo vantagem nisso pelas razões que você colocou.

    Grande abraço e não deixe de aparecer.

    Marcos Ubirajara.

    • Regis Olivetti said,

      16/09/2009 às 22:10

      Marcos Ubirajara.

      Quando a inteligência cresce muito, tornamo-nos Misantropos! (Spock) – Viva os Misantropos!
      A Xênia dizia – As pessoas muito bonitas (não é meu caso, muito pelo contrário não casei) e muito inteligentes, sofrem muito… Entre em contato comigo – minha teoria é – não há efeito físico sem causa informada de átomo para átomo (Uma informação não sai de um átomo para o vácuo; como pode uma informação não ter início e nem destino?) – Toda informação é distribuída pelo Universo de átomo para átomo e não pelo vácuo (até pode, mas tem suas regras), é por isso que ele (cada átomo) tem que ter um atributo (troca de informação), ou seja, ele é um elemento enclausurado (capa de ervilha). A energia inicial não tem que ser um Big Bang e sim, divisão sem explosão. O máximo se divide pelo ínfimo, pois o valor maior ou total não pode ser mensurado e sim dividido – Todo o Universo funciona pela divisão da energia e não pela totalidade desconhecida (o valor total não é importante, visto que o Universo não se pode medir pelos extremos). A energia total não pode ser confinada (pode se não perder ou ganhar, mantendo-se constante pode); mas sim, distribuída pelo fluxo parcial de perda de energia (ou ganho) por cada átomo – Cabe a cada átomo ganhar, manter ou perder as energias parciais, cujo total ainda é desconhecido, pois se não fosse assim, saberíamos o número estimado de átomos no Universo – A energia não é infinita e sim compensada pela soma das partes – Além disso, “corre” informação de átomo para átomo sem necessariamente passar pelo vácuo ou três dimensões, ou seja, existe um canal de comunicação em tempo real de átomo para átomo. E tenho dito!!! – rh2o@globo.comhttp://www.olivetti-rh.com.

      Abraço

  7. Regis Olivetti said,

    16/09/2009 às 22:43

    Marcos Ubirajara.

    Caro Marcos, passarei a comentar aqui minha teoria de 38 anos (tinha 12 nos quando comecei a perceber o Universo), participe comigo, demostrarei claramente (ítem por ítem – é bom que isso esteja na internet) que um átomo antes de qualquer evento, deve comunicar a sua reação, ou seja qualquer alteração do seu estado de energia deve ser informado a todos os átomos do universo para que a energia total seja conservada, transmitida ou somada. Espero não lutar em vão ou será envão! rsrsrsrs.

    Abraço

    Regis

    • 16/09/2009 às 22:56

      Olá Regis!

      Isto tudo terá que ser conversado aos poucos. Mas, de cara, essa comunicação imediata de qualquer mudança de estado local para o resto do meio, só pode ser concebida a partir da idéia de rede, a partir do modelo vibracional coletivo. Tenho aqui vários post’s que falam sobre isso. Sem querer queimar etapas, você começará a compreender porque este espaço chama-se “Cristal Perfeito”. A hoje chamada “Cristalofísica” acolhe perfeitamente as suas idéias. Mas, com um porém: de onde surgiu o seu átomo? Para mim, ele não passa de uma distorção local.

      Vamos falando por ai?

      Boa noite!

      Marcos Ubirajara.

  8. 21/11/2009 às 21:51

    Oi Marcos, estive um pouco fora.

    O meu átomo começa com o estado único de energia e esse estado não preceitua o volume espacial, ou seja, ele é máximo se a energia é minima ou ele é minimo se a energia é maxima, inclusive vale a sua subdivisão, o espaço tempo só pode ser dividido se considerar a energia como elemento de divisão. Nada pode ser dividido, refiro-me ao volume se não for considerado a energia total dividida – Em resumo divide-se a energia e o espaço tridimensional aparece.

    Grande Marcos Ubirajara.
    Em resumo divide-se a energia e o espaço tridimensional aparece.

    Tinha esquecido de você e do querido Damy.

    Puxa vida pensava que alguém apareceria.

    Caro Marcos Ubirajara, eu afirmar uma frase desta e niguém discutir, puxa……’Holy crap’

  9. 21/11/2009 às 21:58

    Pelas pequena coisa eu sou amado!

  10. 21/11/2009 às 21:59

    Faltou o “s”.

  11. 21/11/2009 às 22:10

    Caro Vulcano Misantropo Marcos Ubirajara – só nós dois? “Holy crap”!!!!!!

  12. muccamargo said,

    23/11/2009 às 10:39

    Olá Regis! Sumiu hein!

    Pois é, só nós dois! Não faz mal.

    Ora, quando falamos de um “Cristal Perfeito” necessitamos introduzir uma idéia de “Simetria Perfeita”. Ai começamos a nos entender. Por quê? Porque esse estado de “Simetria Perfeita” destrói a idéia de volume e, portanto, “não preceitua o volume espacial” como você disse. A quebra dessa simetria faz surgir a idéia de espaço-tempo e, novamente, como você disse “divide-se a energia e o espaço tridimensional aparece.” Veja só! Estamos diante de algo que relativisa a própria Relativística e a Quântica. Esses dois campos de conhecimento pertencem ao mundo das imperfeições. Ká, ká, ká, ká, ká!!!!

    Quanto a ninguém aparecer para discutir isso, liga não! Um dia seremos muitos.

    Tem um post ai chamado “A Simetria Pura“. Dá uma olhada.

    Grande abraço!

    Marcos Ubirajara.

  13. 23/11/2009 às 21:28

    Verei sim. Hoje só estou fuçando.

  14. 02/12/2009 às 9:49

    Faleceu o nosso querido mestre Marcelo Damy, grande figura humana. Fique com Deus, pois Deus privilegiou a familia por noventa e cinco anos de sua profícua vida.Descanse em paz.

    • muccamargo said,

      02/12/2009 às 9:59

      Prezado Regis,

      É com imenso pesar que recebo essa notícia. Com isso, ficamos mais sós. Mas, pensando de forma não egoística, ele estava por merecer o seu descanso, na paz que ele sempre irradiou das profundezas dos seus olhos. Fomos privilegiados demais por termos nos aproximado de Marcelo Damy como seus pupilos. Esse é o místico sentimento de alegria que tenho agora. Enfim, que ele doravante resida na Paz do Dharma Maravilhoso de todos os Budas.

      Obrigado por informar-me.

      Marcos Ubirajara.

  15. 02/12/2009 às 12:48

    Caro Marcos, endosso suas palavras. Ficará na memória.

  16. Regis Olivetti said,

    03/12/2009 às 22:02

    A realidade é que estamos sós. O Damy lá com Deus não pode mais interferir conosco, se bem que eu acho que pode. Que realidade estranha para mim, não caiu a ficha.

  17. Starck said,

    03/12/2009 às 22:48

    Reproduzido por Regis em ciência do meu querido amigo em comum Starck
    “É uma pena.
    Viveu bem o que tinha que viver e soube aproveitar tudo que a vida lhe ofereceu.
    Enfim, contribuiu tb com sua parte que não foi pequena dentro da física no Brasil.
    Não foi meu professor pq suas assistentes é que davam as aulas mas, ele ia toda hora ver principalmente as aulas de Lab e trocava ideias com a gente a respeito delas. Eu gostei dele.
    Enfim, é uma perda esperada porem não a lamentar pq deixou seu nome muito bem situado entre os cientistas da nação. Marcou muito bem, sua passagem pelo mundo.
    Vc que teve sorte de ter aulas com ele, sabe melhor que eu como ele foi.
    Abraço”
    Starck

  18. Regis Olivetti said,

    03/12/2009 às 22:53

    Caro Starck.

    Você gostou????, nós também!!!!!!!!!!!, ainda mais vindo de um grande professor como o senhor.

  19. Marcos Kobata said,

    03/12/2009 às 23:21

    Querido Marcos Kobata.

    Reproduzo aqui as tuas lindas palavras em homenagem a nosso querido mestre Damy. Ele merece a nossa singela mensagem.

    “Recebo esta triste notícia, acreditando que ele deve estar aliviado por ficar acamado por tanto tempo.
    Como muitos outros “alicerces intelectuais”, que também terminaram por sucumbir ao tempo, ele não deveria estar mais atormentado nos últimos anos, do que nos tempos em que foi perseguido.
    Creio que todos aqueles que tiveram o privilégio de conviver com esta figura notável, nos jardins do CCMFT/PUC-SP, nos meados de 80, entendem a dimensão da perda que a comunidade científica acaba por sofrer.
    Sempre altivo, ao melhor estilo de um “lord”, apresentava um cenário cinematográfico de beleza rara, ao descrever quaisquer fenomenos físicos, em suas aulas ou palestras.
    Estive por certo periodo no IPEN-CNEN/SP, pelas mãos dele, e posso afirmar que foi das melhores épocas de minha vida.
    Já me fazia falta o contato com nosso grande mestre, mas ficam as insubstituíveis lições que dele, tivemos o grande privilégio de receber.

    Abraços a todos e meus profundos pesares aos familiares e amigos”.

    Marcos M. Kobata

  20. 03/12/2009 às 23:34

    Queridos amigos

    Tenho recebido mensagens pelos nossos colegas de um breve passado, do nosso querido professor Damy e, tomo a liberdade de colocar os comentários aqui, pois, tal fato este sentido por nós do seu falecimento, porém, de vida profícua, não pode passar em branco, portanto, tomo a liberdade de reproduzir aqui os comentários por mim recebidos em meu e-mail dos meus queridos amigos e, espero que não contrarie nenhum dos sentimentos dos nossos colegas, pois o objetivo maior, é homenagearmos o nosso inesquecível Damy.

  21. muccamargo said,

    04/12/2009 às 9:41

    Prezado Regis,

    Faça-o! De que outra maneira poderíamos corresponder à dedicação do nosso Mestre quando ainda em vida? Tocou-me especialmente a mensagem de Marcos Kobata. Eu também fui encaminhado pelo querido Professor Damy para o então IEA – Instituto de Energia Atômica, que viria a ser o IPEN – Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, em 1976. Disse ele: “Vá! Você tem amplas possibilidades de fazer um brilhante mestrado.” Então, larguei um grande emprego que eu tinha na General Motors do Brasil e fui. Essa guinada na minha vida se deveu a ele, o Mestre.

    Vamos falando por aí!

    Marcos Ubirajara.

  22. muccamargo said,

    04/12/2009 às 12:05

    Pois é, Regis!

    Hoje, 04 de dezembro de 2009, estou completando 58 anos de idade. A morte do Mestre me sensibiliza especialmente. Olho para trás e relembro uma passagem interessante.

    Marcelo Damy dava uma aula sobre neutrinos. Tarde da noite na PUC-SP, Sedes Sapientae. Um colega de classe indaga:

    – Mas, Mestre, se a partícula não tem massa e nem carga, como pode ter momento magnético?

    Respondeu Marcelo Damy:

    – Você acredita em tanta coisa que não possui massa e nem carga, por que não vai acreditar nisto!

    E prosseguiu com a sua Magnífica Aula.

    Ah, Regis! O que eu não daria para voltar àquele tempo e permanecer sentado naquela cadeira de aprendiz pelo resto da vida.

    Amanhã, 05/12, completa um ano que publiquei esse post. Não sabia nada sobre o estado de saúde que ele, o Professor Damy, se encontrava na ocasião. Mas, tive a inspiração de buscar informações sobre sua vida e prestar singela homenagem. Fui feliz, né?

    Marcos Ubirajara.

  23. 04/12/2009 às 23:32

    É Marcos Ubi

    O Damy nos fez pensar de forma fantástica.

    Nós vivemos num mistério. O mistério é maior que qualquer crença..

    O que percebo é que existe uma mente sofisticada trabalhando com a mente de cada um de nós (Em resumo, a nossa mente trabalha em dualidade com a mente de um Deus que eu não tenho inteligência para saber o que é), mas eu percebo que existe inteligência no Universo, ….talvez, não uma mente pensante mas uma mente dual e até coletiva, uma somatória dual. É um tremendo mistério. Penso que é uma alma coletiva. (seja qual for o vagabundo DEUS de plantão).
    Carga e masssa estão em constantes trocas de atributos. Quais são estes atributos?
    A matéria é um estado agregado de energia, a qual não pode ser qualificada como um pacote de energia E=agax ni(não tem essas letras de Plank no meu teclado). A verdade é que a energia jamais se estabilizará como matéria mensuarável em volumes elementares de um átomo, visto que ela sempre será uma onda típica em constante transição. Não exite matéria condensada, ela sempre flui.

    Marcos safado—-PARABÉNS-RSRSRSRRSRSRSRSRS

  24. 04/12/2009 às 23:43

    Ah Marcos, foi feliz sim, sim, sim e mais sim.

    • Regis Olivetti said,

      09/02/2010 às 22:21

      Marcos
      Será que há algum canal de comunicação espacial ou intra-atômico que possa manipular on-line, os genes das espécies animais e plantonicas? é muita loucura? – né não????????????? rsrsrsr. É a soma do criacionismo com Darwin. RSRSRSRSRR. chega fui…………………..

  25. Claudio Balbino da Silva said,

    01/11/2016 às 19:41

    Quanta emoção lembrar de mestres maravilhosos que nos formaram na PUCSP. Sou da turma de 1971, e tive o privilégio de realizar um trabalho com o Damy e o Sergio Mascarenhas em 1983 sobre Rx em terminais de vídeo, assunto muito importante na época. Encontrar este site/blog foi uma felicidade. Estou realmente emocionado. Espero encontrar pessoas daquela época maravilhosa de nossas vidas. Um grande abraço. Claudio Balbino da Silva


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: