A Eterna Lua-Cheia

“Oh bom homem! Do outro lado dessa lua-cheia, temos a meia-lua; se deste lado temos a meia-lua, do outro lado a lua-cheia é vista. As pessoas do Jambudvipa, quando vêem a lua-nova, dizem que é o primeiro dia, e têm no pensamento a idéia de um novo mês. Vendo a lua-cheia, eles dizem que é o décimo-quinto dia do mês e criam a noção de lua-cheia. Mas essa lua não tem, para dizer a verdade, nem enchimento e nem esvaziamento. Oh bom homem! O mesmo é o caso com o Tathagata. No Jambudvipa, ele manifesta-se nascendo e entrando no Nirvana. Seu primeiro aparecimento (nascimento) é o primeiro dia do mês. Todos dizem que esse menino é recém-nascido. Ele caminha sete passos. Isso é como a lua no segundo dia. Ou ele mostra-se estudando. Isto é como a lua no terceiro dia. Ele demonstra a renúncia. Isto é como a lua do oitavo dia. Ele emite a luz toda-maravilhosa da Sabedoria e subjuga um incontável número de seres e os exércitos de Mara. Isto pode ser comparado com a lua-cheia do décimo quinto dia. Ou ele manifesta os 32 sinais de perfeição e as 80 características menores de excelência. Assim ele adorna-se e manifesta-se entrando no Nirvana. Ele (o Nirvana) é como o eclipse da lua. Assim, o que cada um dos seres vê não é o mesmo. Alguns vêem a meia-lua, outros a lua-cheia, e ainda outros um eclipse. Mas essa lua, por sua natureza, não conhece crescimento (enchimento) ou eclipse. Ela é sempre Lua-Cheia. O corpo do Tathagata é assim. Por essa razão, dizemos eterno e imutável.”

Excerto do Sutra do Nirvana, CAP. 15: Sobre a Parábola da Lua.

2 Comentários

  1. Dôra said,

    24/06/2009 às 13:45

    Oi Marcos,
    “A Parábola da Lua” e “A Eterna Lua-Cheia” são ensinamentos tão simples e cristalinos sobre a natureza das manifestações ao alcance de nossas consciências que parece que também sempre estiveram ao nosso alcance.
    Dôra.

    • muccamargo said,

      24/06/2009 às 15:10

      Olá Dôra!

      Será esta a resposta: “…sempre estiveram ao nosso alcance”? Conforme ensinado em palavras tão simples, a Natureza-de-Buda dentro de nós é assim, como a lua. Mas, as nuvens, montanhas e vales dos caminhos deste mundo, a ocultam. Vez em quando, essa Sabedoria que ‘sempre esteve ao nosso alcance’ se revela assim, de uma forma pateticamente simples.

      Abs!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: