A Colheita do Grande Nirvana

“Oh, bom homem! Por exemplo, aqui existe um homem rico que tem um único filho. Ele sempre pensa a respeito e ama este menino. Ele leva o menino para um professor para ser ensinado. Apreensivo de que as coisas possam não progredir rapidamente (a contento), ele leva o menino de volta para casa. Como ele o ama, lhe ensina o alfabeto dia e noite, muito pacientemente. Mas, ele ainda não lhe ensina o vyakarana [um trabalho popular para estudo da linguagem, um tipo de gramática]. Por que não? Porque a criança é pequena e não está apta a aprender tais lições. Oh, bom homem! Todavia, o homem rico terminou o ensinamento do alfabeto. Estaria o menino pronto para ser ensinado o vyakarana?”

“Não, oh Honrado pelo Mundo!”

“O Homem rico está ocultando algo da criança?”

“Não, oh Honrado pelo Mundo! Por que não? Porque a criança é muito jovem. Dessa forma, ele não lhe ensina [as matérias mais avançadas]. Não é que o menino não seja ensinado porque o homem regateie [tais lições]. Por que não? Porque se houvesse algum ciúme ou inveja, poderíamos dizer que ele ocultou coisas. Com o Tathagata não é assim. Como poderíamos dizer que ele escondeu e ocultou?”

O Buda disse: “Falaste bem, falaste bem, oh bom homem! É como você diz. Se houvesse qualquer raiva, ciúme ou inveja (má vontade), poderíamos dizer que ele está ocultando coisas. O Tathagata não tem raiva ou ciúme. Como poderíamos dizer que ele esconde as coisas? Oh, bom homem! O grande homem rico é o próprio Tathagata. Sua única criança são [todos] os seres. O Tathagata vê a todos os seres como vê seu filho único. (O homem rico) Ensinando seu filho único diz respeito aos discípulos sravaka [ouvintes dos ensinamentos do Buda]; o alfabeto diz respeito aos nove tipos de sutras; o vyakarana diz respeito aos sutras Mahayana Vaipulya [extensivo]. Uma vez que todos os discípulos sravaka não possuem o poder da Sabedoria, o Tathagata ensina-lhes o alfabeto; isto é, os nove tipos de sutras. Mas, ele ainda não fala do vyakarana; isto é, do vaipulya Mahayana. Oh, bom homem! Quando o filho do homem rico crescer e estiver apto a enfrentar as lições, se o vyakarana não for ensinado, então poderemos dizer que houve ‘ocultação’. Se todos os sravakas estão crescidos e podem de fato enfrentar as lições do vaipulya Mahayana, mas o Tathagata regateia isto e não lhes ensina, então poderíamos dizer que o Tathagata regateia, esconde e oculta os ensinamentos. Mas, não é assim com o Tathagata. O Tathagata não oculta [nada]. Isto é como no caso do homem rico que, tendo ensinado o alfabeto, proximamente ensina o vyakarana. Eu também faço o mesmo. A todos os meus discípulos eu tenho pregado acerca do alfabeto e dos nove tipos de sutras. Tendo feito isto, eu agora falo acerca do vyakarana. Isto nada mais é que a natureza eterna e imutável do Tathagata. Além disso, oh bom homem! Isto é como nos meses de verão, quando grandes nuvens provocam trovões, grandes chuvas e, como resultado, todos os agricultores podem plantar as suas sementes e colher coisas. Aquele que não planta, nada pode esperar colher. Não é através dos trabalhos dos reis naga (naga = é uma palavra do Sanskrito and do Pāli que designa uma deidade – ou classe de entidades ou seres que assumem a forma de enormes serpentes, mas muitas vezes com os troncos e cabeças humanas – encontrada tanto no Budismo como no Hinduísmo) que ele não pode colher. E estes reis naga também não armazenam coisas. O mesmo se passa comigo. Eu deixo cair a grande chuva do Sutra do Grande Nirvana. Aqueles seres que plantaram boas sementes colhem os brotos (rebentos) e frutos da Sabedoria. Aqueles que não plantaram, nada podem esperar. O Tathagata não é culpado se eles nada ganharam. O Tathagata não esconde nada.”

Excerto do Sutra do Nirvana, CAP. 07: Sobre os Quatro Aspectos.

%d blogueiros gostam disto: