A Ousadia de Behram Kursunoglu

Em 1949, Einstein e Schrödinger, independentemente, após muitos anos de tentativa e erro, chegaram a conclusões similares na solução do problema crônico da geometrização da Física numa teoria do campo unificado da gravitação e eletromagnetismo. Suas teorias tiveram uma menos que entusiástica recepção por outros Físicos contemporâneos. Em virtude da ameaça de se descontinuar o “trem” dos tempos, Kursunoglu começou trabalhando nas teorias propostas por Einstein e Schrödinger. Após certo tempo, ousou comunicar suas próprias conclusões a ambos esses grandes homens. Para um principiante estudante de graduação de Cambridge, suas respostas estavam longe de serem encorajadoras. No verão de 1951, convenceu-se que ambas versões do campo unificado estavam em completo desacordo com as observações físicas. Todavia, o formalismo matemático proposto era bonito e único naquilo que ele poderia ser, dentro das teorias estabelecidas da relatividade geral e do eletromagnetismo, mas uma forma não simples de procurar uma descrição unificada das forças mais fundamentais da natureza.

Kursunoglu continuou sua correspondência com Einstein e Schrödinger, até completar sua tese de PhD em Cambridge em 1952. Uma nova e mais geral versão da sua teoria apareceu na Physical Review de dezembro de 1952. Neste ínterim, tinha ido à Universidade de Cornell como um membro de pós-douturamento. Em 1953 foi convidado a dar uma palestra sobre sua teoria no Departamento de Física da Universidade de Princeton, e, assim, preparou-se para visitar Einstein em sua casa em 19 de novembro de 1953. Em longa discussão de 4 horas, Einstein concordou que sua versão da “teoria da gravitação generalizada” era mais geral que suas formulações, mas certamente não mais simples. “O tempo mostrará”, disse Einstein, “qual dessas duas teorias encontrará uma unificação real da gravitação e eletromagnetismo.”

Kursunoglu sentia a atmosfera naquele tempo nos USA um tanto desencorajadora para sua ambiciosa tentativa e decidiu fazer paz com as tendências da Física então existentes, e descontinuou as pesquisas futuras neste campo. Todavia, sempre que conseguia, publicava trabalhos ocasionais sobre a teoria, um em 1957 (Review of Modern Physics) e outro em 1960 (Nuovo Cimento). Após errar sobre secos e amarelos pastos, compreendeu que o tempo era chegado de tentar entrar outra vez com a matemática da teoria que havia proposto há vinte anos. Tentaria resumir os resultados do trabalho que tinha feito desde o verão de 1973. Compreendeu que os resultados eram novos, excitantes e esperava que todas as predições correntes da teoria em relação à natureza das partículas elementares, a idade e estrutura do universo possivelmente seriam confirmadas pela experiência. Em particular, experiências baseadas na colisão de feixes de alta energia de partículas e anti-partículas (“storage rings”) eram de especial interesse para a confirmação de sua teoria.

Kursunoglu inclinava-se a entender que a unificação das ciências naturais poderia ser melhor demonstrada numa teoria onde a realidade física completa fosse representada por um simples conceito de campo. A fundamentação matemática para tal eventualidade fora proposta por Einstein e também por Schrödinger nos últimos anos 40 e primeiros 50. As equações de campo propostas daqueles autores estavam baseadas numa generalização da Teoria da Relatividade Geral de Einstein, mas ainda eram incompletas, uma vez que as equações não continham uma constante fundamental das dimensões de um comprimento e não forneciam uma interpretação física para várias quantidades matemáticas em suas teorias. Uma interpretação diferente da abordagem de Einstein-Schrödinger foi proposta por Kursunoglu em 1952, a qual levou, como uma conseqüência consideração geométrica unicamente estabelecia, a uma teoria contendo um pequeno comprimento fundamental r0. Foi descoberto, então, que para r0 = 0 a nova teoria reduzia-se à Teoria da Relatividade Geral de Einstein de 1916. A existência deste tipo de princípio de correspondência forneceu uma base sólida para a interpretação física da teoria e desse modo removeu o maior obstáculo para a construção de uma correta Teoria do Campo Unificado.

(O trecho acima foi extraído de seu próprio artigo intitulado: “Uma História Não-Técnica da Teoria da Gravitação Generalizada Dedicada ao Centenário de Albert Einstein”, o qual é traduzido e comentado em diversos posts neste blog).

Paul Dirac (1902-1984) e Behram Kursunoglu (1922-2003)

Paul Dirac (1902-1984) e Behram Kursunoglu (1922-2003)


Foto obtida do site Department of Physics – University of Miami.

A desdobramento desta discussão pode ser lido em Uma Nova Carga e links relacionados.

%d blogueiros gostam disto: