A Verdadeira Emancipação e o Grande Nirvana

Então o Bodhisattva Kashyapa disse ao Buda: “Oh, Honrado pelo Mundo! Por favor, condescenda em explicar para mim o que concerne ao Mahaparinirvana e o significado da emancipação.”

O Buda elogiou Kashyapa, dizendo: “Falaste bem, falaste bem, oh bom homem! A verdadeira emancipação significa a libertação do nosso próprio eu de todos os laços da ilusão. Se atingirmos verdadeiramente a emancipação e apartarmos o nosso próprio eu dos laços da ilusão, não há mais eu, ou nada para associar-se como no caso dos pais, de cuja união resulta o nascimento de uma criança. A verdadeira emancipação não é como este caso (dos pais). Este é o porquê da emancipação ser não-nascida, não-criada. Oh, Kashyapa! É como o sarpirmanda [o mais delicioso e eficaz remédio – ghee], que é puro na sua natureza. O mesmo é o caso com o Tathagata. Ele não é aquele que surge através da união dos pais, da qual resulta o nascimento de uma criança. Sua natureza é pura. A apresentação dos pais [do Tathagata] é [um meio hábil] para atravessar os seres para a outra margem. A verdadeira emancipação é o Tathagata. O Tathagata e a emancipação não são duas coisas, não são diferentes. Quando plantamos as sementes na primavera e no outono, por exemplo, é quente e úmido e, como resultado disto, as sementes eclodem seus brotos. A verdadeira emancipação não é assim.

Também, a emancipação não é inexistência. Inexistência é emancipação. Emancipação é o Tathagata e o Tathagata é inexistência. Isto não é algo que surgiu do fazer [da ação]. O ‘fazer’ é como construir um castelo. A verdadeira emancipação não surge dessa forma [isto é, ela não é composta, uma coisa construída]. Por esta razão, a emancipação é simultaneamente o Tathagata.

Também, a emancipação é o não-criado. Um oleiro faz um vaso, o qual se quebra em pedaços novamente. As coisas (criadas) não são como aquelas na emancipação. A verdadeira emancipação é não-nascimento e não-extinção. Isto é o porquê emancipação é o Tathagata. Ele é não-nascimento, não-extinção, não-envelhecimento; e é eterno, inquebrável e indestrutível. Ele não é algo criado. Por essa razão dizemos que o Tathagata entra no Grande Nirvana (Mahaparinirvana).

Excerto do Sutra do Nirvana, CAP. 07: Sobre os Quatro Aspectos.

%d blogueiros gostam disto: