O Encontro de Sudatta com o Lugar Sagrado

E ele retornou à sua casa para iniciar uma extensa procura por uma área adequada, que terminou quando ele viu o jardim de flores do Príncipe Jeta. Era perfeito em cada aspecto, proporcionando uma boa vista, e ainda conveniente para a própria cidade. O terreno em si era carregado de uma energia eficaz. Tudo que se encontrava sobre ele era primaz, exceto que ele pertencia ao Príncipe. Imaginando que ele jamais poderia ser capaz de comprá-lo, Sudatta enviou um mensageiro para fazer uma oferta. “Ele tem tanto dinheiro que pensa que pode comprar meu jardim de flores!”, riu o príncipe de espanto. “Muito bem”, disse em tom de brincadeira, “se ele cobri-lo completamente com moedas de ouro, o venderei para ele! Esse é o meu preço”. O Príncipe Jeta considerou que o Velho Sudatta possivelmente não pudesse dispor de um terreno que custasse a sua área em ouro. Ele jamais imaginara que o dinheiro de Sudatta e o seu desejo de ouvir o dharma fossem o bastante. O Velho pegou as moedas de ouro dos depósitos da família e cobriu o Jardim do Príncipe Jeta.

O Príncipe Jeta sentiu-se ultrajado. “Pegue de volta as suas moedas! Não tenho intenção de vendê-lo. Foi apenas uma brincadeira. Nunca me ocorreu que você realmente estaria disposto a pagar tal preço. Meu jardim não pode ser comprado por quantia alguma.”

O Velho calmamente respondeu: “Agora você diz que não quer vender? Você é herdeiro do trono, e a palavra de um Imperador deve ser confiável. Um Rei não mente ou fala imprudentemente. É melhor você vender, porque se as pessoas não puderem confiar em suas palavras agora, por que acreditariam em você após a sua subida ao trono?”

O Príncipe reconheceu o seu predicamento. “Muito bem”, disse ele:

Uma vez que você usou moedas de ouro para cobri-lo, você comprou o terreno. Mas você não cobriu as árvores. Assim, o jardim é o seu oferecimento ao Buda, e as árvores são meu oferecimento. Você tem algo mais a dizer?”

O Velho considerou isto e percebeu que havia um princípio. Era verdade que as copas das árvores não haviam sido cobertas com ouro, e se ele se recusasse a consentir , o Príncipe poderia cortá-las e então o jardim ficaria muito menos belo. “Certo, nós o dividiremos”.

Por isso ele é chamado “Parque de Jeta no Jardim do Benfeitor dos Órfãos e Solitários”. O nome do Príncipe é mencionado primeiro, uma vez que representava a realeza, e o Velho Sudatta, conhecido como Anathapindika (ou Anathapindada), “O Benfeitor dos Órfãos e Solitários”, que ostentava uma posição ministerial na corte, é mencionado em segundo lugar.

Sutra Diamante – Capítulo 1 – As Razões para a Assembleia do Dharma.

Original

Prasenajit e Ajatasatru

Embora o Buda houvesse purificado o espírito de Ajatasatru, houve ocasiões em que o rei ainda dava lugar à ira. Certo dia, por causa de uma desavença entre um homem de Rajagriha e um outro de Cravasti, ele declarou guerra contra o Rei Prasenajit.

Ele recrutou um vasto exército. Havia infantaria e cavalaria; havia alguns montados em carros de combate, outros colocados em blindagens carregadas por elefantes, e espadas e lanças brilhavam ao sol enquanto marchavam para a batalha.

O Rei Prasenajit também reuniu suas tropas. Ele também trazia carros de combate, cavalos e elefantes, e avançou para encontrar Ajatasatru.

Foi uma batalha terrível. Durou quatro dias. No primeiro dia, Prasenajit perdeu seus elefantes; no segundo dia ele perdeu seus cavalos; no terceiro, seus carros de combate foram destruídos; e no quarto dia, seus soldados de infantaria foram mortos ou feitos prisioneiros; e o próprio Prasenajit, derrotado e em pânico, fugiu na única carruagem salva do desastre, e escapou para Cravasti.

Lá, num pequeno e sombrio salão, ele atirou-se num divã. Ficou em silêncio, preso aos seus melancólicos pensamentos. Não se mexia, parecia estar morto, exceto pelas lágrimas que escorriam pelo seu rosto.

Um homem entrou; era o mercador Anathapindika.

“Meu senhor”, disse ele, “viva longamente, e a maré da vitória poderá voltar!”

“Meus soldados estão mortos”, o rei lamentou, “todos os meus soldados estão mortos! Meus soldados! Meus soldados!”

“Não se aflija, oh Rei! Levante um outro exército.”

“Eu perdi a minha fortuna quando perdi meu exército.”

“Rei”, disse Anathapindika, “darei a você o ouro de que necessitar, e você será vitorioso.”

Prasenajit levantou-se, ficou de pé.

“Você me salvou, Anathapindika!”, ele exclamou. “Estou grato!”.

Com o ouro de Anathapindika, Prasenajit levantou uma formidável legião. E marchou contra Ajatasatru.

Quanto os dois exércitos se defrontaram, o retinir das armas aterrorizou os próprios Deuses. Prasenajit usou uma estratégia de batalha que a ele foi ensinada por homens de uma terra distante. Ele atacou rapidamente; Ajatasatru não tinha defesa. Afinal, foi derrotado e capturado.

“Mate-me!”, ele implorou a Prasenajit.

“Pouparei sua vida”, disse Prasenajit. “Eu o levarei ao Mestre Bem-Aventurado, e ele decidirá o seu destino.”

O Mestre houvera chegado recentemente ao Parque de Jeta. Prasenajit disse-lhe:

“Veja só, oh Bem-Aventurado! O Rei Ajatasatru é meu prisioneiro. Ele odeia-me, embora eu não nutra qualquer má vontade contra ele. Ele atacou-me, por algum motivo banal, e derrotou-me uma primeira vez, mas agora ele está à minha mercê. Não desejo matá-lo, oh Bem-Aventurado. Por causa de seu pai, Bimbisara, que foi meu amigo, eu gostaria de libertá-lo.”

“Então liberte-o!”, disse o Mestre. “A vitória gera o ódio; a derrota gera o sofrimento. Aqueles que são sábios renunciarão tanto à vitória quanto à derrota. Insulto nasce do insulto, e a ira da ira. Aqueles que são sábios renunciarão tanto à vitória quanto à derrota. Todo o assassino é derrubado por um assassino; todo o conquistador é derrubado por um conquistador. Aqueles que são sábios renunciarão tanto à vitória quanto à derrota.”

Na presença do Mestre, Ajatasatru prometeu ser um fiel amigo de Prasenajit.

“E”, ele acrescentou, “sejamos mais que amigos. Eu tenho um filho, como você sabe, e você tem uma filha, Kshema, que ainda é solteira. Você daria a mão de sua filha ao meu filho?”

“Assim seja”, disse Prasenajit. “E que esse feliz casamento seja o penhor da nossa feliz amizade.”

O Mestre aprovou. Os dois reis para sempre viveram em paz um com o outro, e Ajatasatru (ou Prasenajit? – N.T.) tornou-se conhecido pela sua gentileza.

A vida do Buda, tr. para o francês por A. Ferdinand Herold [1922], tr. para o inglês por Paul C. Blum [1927], rev. por Bruno Hare [2007], tr. para português brasileiro por Marcos U. C. Camargo [2011].

Fonte: Sacred-Texts em http://www.sacred-texts.com/bud/lob/index.htm

A Menina de Cravasti

Naquela ocasião, lá em Cravasti vivia uma jovem menina que era extremamente pobre. Ela tinha levado três meses para economizar dinheiro suficiente para comprar um pedaço de tecido grosseiro, do qual ela havia acabado de fazer um vestido para si. Ela viu Anathapindika cercado por uma grande multidão.

“O mercador Anathapindika parece estar esmolando”, ela disse à uma pessoa presente.

“Sim, ele está esmolando”, foi a resposta.

“Mas se diz que ele é o homem mais rico em Cravasti. Por que ele estaria esmolando?”

“Você não ouviu a proclamação real sendo apregoada através das ruas, sete dias atrás?”

“Não!”

“Anathapindika não está coletando esmolas para si. Ele deseja que cada um participe do bem que ele está fazendo, e está pedindo por donativos para o Buda e seus discípulos. Todos aqueles que doarem adquirirão direito a uma retribuição futura.”

A jovem menina disse para si: “Nunca fiz nada digno de louvor. Seria maravilhoso fazer um oferecimento ao Buda. Mas sou pobre. O que tenho eu para dar?” Ela afastou-se, melancolicamente. Olhou para o seu novo vestido. “Tenho apenas esse vestido para oferecer-lhe. Mas não posso seguir nua através das ruas.”

Ela foi para casa e tirou o vestido. Então, pôs-se à janela e observou Anathapindika. Quando ele passou em frente à sua casa, ela jogou o vestido para ele. Ele o pegou e mostrou-lhe para seus servos.

“A mulher que jogou esse vestido para mim”, disse ele, “provavelmente nada mais tem a oferecer. Ela deve estar nua, se tem que ficar em casa e dar esmolas dessa maneira estranha. Vá! Tentem encontrá-la e vejam quem ela é.”

Os servos tiveram alguma dificuldade para encontrar a jovem menina. Finalmente viram-na, e constataram que seu mestre havia sido correto em sua suposição: o vestido que lhe fora atirado pela janela era toda a fortuna da menina pobre. Anathapindika ficou profundamente comovido; ordenou a seus servos trazerem muitas roupas bonitas e caras, e deu-as a essa donzela piedosa que havia oferecido seu único vestido.

Ela morreu no dia seguinte e renasceu como uma Deusa no céu de Indra. Mas ela nunca esqueceu como ela tinha vindo a merecer tal recompensa e, certa noite, ela desceu à terra e foi ao Buda, e ele instruiu-lhe na lei sagrada.

A vida do Buda, tr. para o francês por A. Ferdinand Herold [1922], tr. para o inglês por Paul C. Blum [1927], rev. por Bruno Hare [2007], tr. para português brasileiro por Marcos U. C. Camargo [2011].

Fonte: Sacred-Texts em http://www.sacred-texts.com/bud/lob/index.htm

O Pensamento de Anathapindika

O Buda e seus discípulos estabeleceram-se no Parque de Jeta, Anathapindika ficou feliz; mas, certo dia, um pensamento solene lhe ocorreu.

“Estou sendo efusivamente elogiado”, disse para si, “e, no entanto, o que é tão admirável em minhas ações? Ofereci doações ao Buda e aos monges, e por isso adquiri o direito à uma retribuição futura; mas minha virtude beneficia apenas a mim! Devo levar outros a compartilhar do privilégio. Irei através das ruas da cidade, e daqueles a quem encontrar, obterei doações para o Buda e para os monges. Assim, muitos participarão no bem que estiver fazendo.”

Ele foi a Prasenajit, Rei de Cravasti, que era um homem sábio e justo. Disse-lhe o que tinha decidido fazer, e o rei aprovou. Um arauto foi enviado através da cidade com sua proclamação real:

“Ouçam bem, habitantes de Cravasti! Daqui a sete dias, o mercador Anathapindika, montando um elefante, percorrerá as ruas da cidade. Ele pedirá a todos vocês por donativos, que ele então oferecerá ao Buda e aos seus discípulos. Cada um de vocês dêem-lhe tudo o que puderem dispor.”

No dia anunciado, Anathapindika montou o seu melhor elefante e andou através das ruas, pedindo a cada um por doações para o Mestre e para a comunidade. Eles juntaram-se em torno dele: este deu ouro, aquele prata; uma mulher tirou o seu colar, uma outra o seu bracelete, e uma terceira uma tornozeleira; e mesmo as mais humildes doações foram aceitas.

Sravasti_Jetavana

Caminhos no Parque de Jeta. Click na imagem para site de origem.

A vida do Buda, tr. para o francês por A. Ferdinand Herold [1922], tr. para o inglês por Paul C. Blum [1927], rev. por Bruno Hare [2007], tr. para português brasileiro por Marcos U. C. Camargo [2011].

Fonte: Sacred-Texts em http://www.sacred-texts.com/bud/lob/index.htm

O Oferecimento de Anathapindika

O Mestre estava em Rajagriha quando um rico mercador chamado Anathapindika (Sudatta) chegou de Cravasti. Anathapindika era um homem religioso, e quando ele ouviu que um Buda estava vivendo no Bosque dos Bambús, ele ficou ansioso para vê-lo.

Certa manhã ele partiu e, conforme entrou no Bosque, uma voz divina o guiou para onde o Mestre se encontrava sentado. Ele foi saudado com palavras de boas vindas; presenteou a comunidade com uma magnífica doação, e o Mestre prometeu visitá-lo em Cravasti.

Quando retornou para casa, Anathapindika começou a se perguntar onde ele poderia receber o Bem-Aventurado. Seus jardins não pareciam dignos de tal hóspede. O mais belo parque na cidade pertencia ao Príncipe Jeta, e Anathapindika decidiu comprá-lo.

“Venderei o parque”, disse-lhe Jeta, “se você cobrir o chão com moedas de ouro.”

Anathapindika aceitou os termos. Ele levou carroças carregadas de moedas de ouro para o parque e, naquela ocasião, somente uma pequena faixa de terra ficou descoberta. Então Jeta alegremente exclamou:

“O parque é vosso, mercador; terei prazer em vos dar a faixa que ainda está descoberta.”

Anathapindika tinha o parque preparado para o Mestre; então ele enviou o seu mais fiel servo ao Bosque dos Bambús, para informar-lhe que ele agora estava preparado para recebê-lo em Cravasti.

“Oh Venerável!”, disse o mensageiro, “meu mestre prostra-se aos seus pés. Espera que você tenha sido poupado da ansiedade e doença, e que você não relute em cumprir a promessa que lhe fez. Você é esperado em Cravasti, oh Venerável!”

O Bem-Aventurado não havia esquecido a promessa que fez ao mercador Anathapindika; ele desejava cumpri-la, e disse ao mensageiro: “Eu irei!”.
Ele aguardou por alguns dias; então pegou o seu manto e sua tigela de donativos, e seguido por um grande numero de discípulos, partiu para Cravasti. O mensageiro foi à frente, para dizer ao mercador que ele estava chegando.

Anathapindika decidiu ir ao encontro do Mestre. Sua esposa, seu filho e sua filha o acompanharam, e eles foram assistidos pelos mais ricos habitantes da cidade. E quando eles viram o Buda, ficaram deslumbrados pelo seu esplendor; ele parecia estar andando num caminho banhado de ouro.

Eles o escoltaram até o Parque de Jeta, e Anathapindika disse-lhe:

“Meu senhor, o que devo fazer com esse parque?” “Doe-o para a comunidade, agora e para sempre”, respondeu o Mestre.

Anathapindika ordenou ao servo trazer-lhe uma bacia de ouro cheia de água. Ele derramou a água sobre as mãos do Mestre, e disse-lhe:

“Dôo este parque para a comunidade, governada pelo Buda, agora e para sempre.”

“Muito bem!”, disse o Mestre. “Eu aceito a doação. Este parque será um refúgio feliz; aqui viveremos em paz, e encontraremos abrigo do calor e do frio. Nenhum animal vil entrará aqui: nem mesmo o zumbido de um mosquito perturbará o silêncio; e aqui haverá proteção da chuva, do vento cortante e do sol ardente. E este parque inspirará sonhos, pois aqui meditaremos hora após hora. É justo que tais doações sejam feitas para a comunidade. O homem inteligente, o homem que não negligencia seus próprios interesses, deve dar aos monges uma morada adequada; ele deve dar-lhes comida e bebida; ele deve dar-lhe roupas. Os monges, em retribuição, lhe ensinarão a lei, e aquele que conhece a lei é libertado do mal e atinge o Nirvana.”

Jetavana

Jetavana – o Parque de Jeta - Fonte Wikipedia. Click na imagem para site de origem.

A vida do Buda, tr. para o francês por A. Ferdinand Herold [1922], tr. para o inglês por Paul C. Blum [1927], rev. por Bruno Hare [2007], tr. para português brasileiro por Marcos U. C. Camargo [2011].

Fonte: Sacred-Texts em http://www.sacred-texts.com/bud/lob/index.htm

%d blogueiros gostam disto: