Momento de Decisão

“Para a grande assembléia, eu digo:
‘Após a minha extinção,
quem poderá proteger e ostentar,
ler, expor e recitar este Sutra’?
Agora, na presença dos Budas,
esta pessoa deverá fazer o seu voto.

O Buda Muitos Tesouros,
embora há longo tempo extinto,
através do seu grande voto,
emite o rugido do leão.
O Tathagata Muitos Tesouros,
bem como eu mesmo,
e os Budas que são emanações aqui reunidos,
desejamos saber esta vossa decisão.
Dentre todos vocês discípulos do Buda,
quem poderá proteger esta Lei?
Façam um grande voto assegurando que a Lei perdure por longo tempo.
Aqueles que puderem proteger a Lei deste Sutra,
estarão assim fazendo oferecimentos para mim e para o Buda Muitos Tesouros.

O Buda Muitos Tesouros,
residindo na Torre de Tesouro,
constantemente viaja através das dez direções,
em prol deste Sutra.

Além disso, aquelas pessoas estarão fazendo oferecimentos para todos os Budas que são emanações aqui presentes,
e que adornam com esplendor todos os mundos (das dez direções).
Se houver quem exponha este Sutra,
essa pessoa então verá a mim,
ao Tathagata Muitos Tesouros,
e a todos os Budas que são emanações.

Todos vocês, bons homens,
pensem a respeito cuidadosamente!
Este é um assunto difícil,
e requer de vocês um grande voto”.

Excerto do CAP. 11: O Aparecimento da Torre de Tesouro, pág. 225.

Momento de Decisão
Dôra diante do Lótus em Florença-It, em 14/06/2008.

Nesta viagem à Florença, Dôra foi portadora de um exemplar do Sutra de Lótus, o qual enviei para a minha amiga Ivone que, morando na Inglaterra, encontrar-se-ia com Dôra em Florença na Itália. Ao visitar o Orto Botanico de Florença, eis o que ela encontrou.

O Voto do Buda Muitos Tesouros, Prabhutaratna

Então, na assembléia dos quatro tipos de crentes, vendo a grande Torre de Tesouro suspensa no ar e ouvindo a voz que vinha de seu interior, todos obtiveram a alegria da Lei e maravilharam-se com essa ocorrência sem precedentes. Eles levantaram-se dos seus assentos, juntaram as palmas das suas mãos reverentemente e postaram-se a um lado. Nisto, o Bodhisattva Mahasattva chamado Grande Deleite na Pregação, sabendo das dúvidas que estavam no pensamento de todos os seres celestiais, humanos, Asuras e outros seres de todos os mundos, dirigiu-se ao Buda, dizendo: “Honrado pelo Mundo, através de que causas e relações esta Torre de Tesouro emergiu da terra e produziu este som estrondoso”?

Então, o Buda disse ao Bodhisattva Grande Deleite na Pregação: “Dentro desta Torre de Tesouro encontra-se o corpo completo do Tathagata. Há muito tempo atrás, ilimitados milhares de miríades de milhões de Asamkhyas de mundos ao leste, numa terra chamada Pureza do Tesouro, existiu um Buda chamado Muitos Tesouros. Quando este Buda estava praticando a via do Bodhisattva, ele fez um grande voto dizendo: ‘Após tornar-me um Buda e passar à extinção, se em quaisquer terras das dez direções o Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa for pregado, minha Torre aparecerá lá, tal que eu possa ouvir o Sutra, certificá-lo e louvá-lo, dizendo: Excelente! Excelente!’”

Excerto do CAP. 11: O Aparecimento da Torre de Tesouro, pág. 216.

O Samadhi do Daimoku do Sutra de Lótus

Naquela ocasião, o Bodhisattva Virtude da Flor disse ao Buda: “Honrado pelo Mundo, o Bodhisattva Som Maravilhoso possui raízes de benevolência profundamente plantadas. Honrado pelo Mundo, em qual samadhi reside este Bodhisattva, que o torna capaz de transformar-se e salvar os seres viventes”?

O Buda disse ao Bodhisattva Virtude da Flor: “Bom homem, este samadhi é chamado Manifestação de Todas as Formas Físicas. O Bodhisattva Som Maravilhoso, residindo neste samadhi, pode beneficiar incontáveis seres viventes”.

Quando este capítulo sobre o Bodhisattva Som Maravilhoso foi pregado, todos aqueles que tinham acompanhado o Bodhisattva Som Maravilhoso, oitenta e quatro mil ao todo, obtiveram o Samadhi da Manifestação de Todas as Formas Físicas. Incontáveis Bodhisattvas no mundo Saha também obtiveram este samadhi, bem como o dharani[1].

Naquela ocasião o Bodhisattva Mahasattva Som Maravilhoso, tendo feito oferecimentos ao Buda Shakyamuni e à torre do Buda Muitos Tesouros, retornou para a sua própria terra. As terras por onde ele passou tremeram de seis formas diferentes, preciosas flores de lótus choveram dos céus, e centenas de milhares de miríades de kotis de músicas tocaram.

Quando ele chegou à sua terra, cercado pelos oitenta e quatro mil Bodhisattvas, ele apresentou-se ao Buda Sabedoria do Rei da Constelação Pura Flor e disse: “Honrado pelo Mundo, estive no mundo Saha onde beneficiei os seres viventes. Eu vi o Buda Shakyamuni e a torre do Buda Muitos Tesouros, saudei-os, e fiz-lhes oferecimentos. Eu também vi o Bodhisattva Manjushri, o Príncipe do Dharma, bem como o Bodhisattva Rei da Medicina, o Bodhisattva que Adquiriu o Poder do Esforço Diligente, o Bodhisattva Doador Intrépido, e outros, e possibilitei a oitenta e quatro mil Bodhisattvas obterem o Samadhi da Manifestação de Todas as Formas Físicas”.

Quando este capítulo sobre o trânsito do Bodhisattva Som Maravilhoso foi pregado, quarenta e dois mil seres celestiais obtiveram a compreensão da verdade do não-nascimento e não-extinção de todos os fenômenos. O Bodhisattva Virtude da Flor obteve o Samadhi da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa[2].


[1] Este samadhi também chamado Flor de Lótus da Lei Maravilhosa, e que permite manifestar todos os tipos de corpos, é o mesmo que no passado permitiu ao Bodhisattva Alegremente Visto Por Todos os Seres manifestar quaisquer formas físicas, após a exposição do Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa pelo Buda Pura Virtude e Brilhante como o Sol e a Lua. Este Bodhisattva Virtude da Flor do presente Capítulo 24, foi no passado o Buda Pura Virtude e Brilhante como o Sol e a Lua do Capítulo 23, e será o Buda Pura Virtude e Brilhante como o Sol e a Lua do Capítulo 23 do futuro e que retransmitirá esse samadhi para o Bodhisattva Alegremente Visto por Todos os Seres do futuro, hoje Bodhisattva Rei da Medicina. Este Bodhisattva Som Maravilhoso, transposto do remoto passado graças aos poderes transcendentais do Buda, que já serviu e fez oferendas a um imensurável número de Budas e que há muito plantou raízes de virtude e encontrou centenas, milhares, dezenas de milhares, milhões de nayutas de Budas iguais em número às areias do rio Ganges; é o próprio Buda Shakyamuni do presente, dando consistência do princípio ao fim. Este poder manifestado pelo Buda Shakyamuni é a Verdadeira Possessão Mútua, e este samadhi e dharani chamado Flor de Lótus da Lei Maravilhosa – Myoho-Rengue-Kyo – é a Verdadeira Entidade de Todos os Fenômenos. Os oitenta e quatro mil Bodhisattvas que acompanham o Bodhisattva Som Maravilhoso são os oitenta e quatro mil caracteres do Sutra Lótus. Cada um desses caracteres, sendo um Bodhisattva, possui a natureza inerente de Buda, significando que o samadhi desse Bodhisattva Som Maravilhoso abrange todo o sutra. Mais ainda, a entonação do mantra-dharani chamado Flor de Lótus da Lei Maravilhosa (Myoho-Rengue-Kyo) corresponde a entoar o Sutra de Lótus em sua íntegra.

[2] “Flor de Lótus da Lei Maravilhosa” é o próprio título deste sutra que em sânscrito se denota por ‘Saddharma-Pundarîka’. Quando acrescido da palavra “(Sutra) da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa”, torna-se ‘Saddharma-Pundarîka Sotaram’, que em caracteres chineses se traduz por ‘Myoho-Rengue-Kyo’.

Extraído do CAP. 24: O Bodhisattva Som Maravilhoso.

O Daimoku do Sutra de Lótus

A Manifestação do Som Maravilhoso do Daimoku do Sutra de Lótus

A Revelação do Corpo Incorruptível do Daimoku do Sutra de Lótus

A Profecia do Sutra de Lótus

Aqueles que ostentam este Sutra já viram a mim,

e também viram ao Buda Muitos Tesouros,

e a todas as minhas emanações.

Também me vêem hoje ensinando e convertendo os Bodhisattvas[1].

 

Aqueles que ostentam este Sutra fazem com que minhas emanações e o Buda pretérito, Muitos Tesouros,

todos nos alegremos.

Eles também verão e farão oferecimentos aos Budas das dez direções no presente,

no passado e no futuro,

causando-lhes alegria igualmente.

 

A Lei secreta e essencial obtida pelos Budas sentados em seus Lugares de Prática,

também será obtida sem demora por aquele que ostentar este Sutra.

 

Aqueles que puderem ostentar este Sutra deleitar-se-ão na pregação, sem fim,

dos significados das Leis, seus nomes e expressões,

e como o vento viajando através do espaço,

o farão sem obstáculos.

Após a passagem do Tathagata à extinção,

eles compreenderão os Sutras pregados pelo Buda,

as causas e relações em sua ordem correta,

e as pregarão verdadeiramente,

de acordo com os seus significados.

Como a luz do sol e da lua dispersando toda a escuridão,

essas pessoas andarão através do mundo dispersando a escuridão dos seres viventes,

ensinando incontáveis Bodhisattvas a finalmente residirem no Veículo Único.

 

Portanto, aqueles de sabedoria,

ouvindo sobre a grandeza deste mérito e virtude,

após a minha extinção,

receberão e ostentarão este Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa.

Essas pessoas, mais do que certamente e sem dúvida,

atingirão a Via do Buda”.

 


[1] Significando que a pessoa que promove o Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa esteve presente na pregação original, e é um discípulo original do Buda Shakyamuni.

Extraído do CAP. 21: Os Poderes Espirituais do Tathagata.

A Profecia do Sutra de Lótus
Foto de Marcos Ubirajara. Local: Sítio da Dôra em 20/10/2007.

O Buda da Iluminação Original

Quando o Buda proclamou esses grandes benefícios da Lei, que aqueles Bodhisattvas Mahasattvas obtiveram, começou a cair uma chuva de flores de mandarava e de mahamandarava do espaço, pairando sobre os Budas sentados em seus tronos de leão, sob ilimitadas centenas de milhares de miríades de milhões de árvores de jóias, bem como sobre o Buda Shakyamuni e o Tathagata Muitos Tesouros, que havia entrado no Nirvana há muito tempo[1], que se encontravam sentados no trono de leão dentro da torre dos sete tesouros. As flores também pairaram sobre os grandes Bodhisattvas e sobre a assembléia dos quatro tipos de crentes.


[1] Por que o Tathagata Muitos Tesouros entrou no Nirvana há muito tempo? Porque ele representa a realidade objetiva. Ele é o Buda do estado de Bodhisattva; portanto, é ainda um Buda transitório. No capítulo sobre “A Duração da Vida do Tathagata” o Buda afirma: “…quando originalmente pratiquei a Via do Bodhisattva”, há muito tempo. Isto me faz crer que o Buda Muitos Tesouros seja o Buda da sua iluminação original, quando o Buda Shakyamuni originalmente praticou a via do Bodhisattva. Por essa razão que este Buda Muitos Tesouros, ou Buda Taho, vem do infinito passado testemunhar a verdade da iluminação do Buda Shakyamuni no infinito passado, quando da pregação do Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa, e o faz sempre em benefício dessa Verdade exclamando: Excelente! Excelente!

Extraído do CAP. 17: Distinção dos Méritos e Virtudes.

O Prelúdio dos Ensinos Essenciais

Naquele momento o Buda emitiu um raio de luz do seu tufo de cabelos brancos que tornou visíveis os Budas das terras na direção leste, iguais em número aos grãos de areia de quinhentas miríades de milhões de Nayutas de rios Ganges. Todas aquelas terras Búdicas tinham o solo de cristal, e eram adornadas com árvores e mantos de jóias. Incontáveis milhares de miríades de milhões de Bodhisattvas preenchiam-nas. Eles eram cobertos com dosséis e mantos de jóias. Os Budas naquelas terras, com um grande e maravilhoso som, estavam pregando a Lei. Também eram vistos ilimitados milhares de miríades de milhões de Bodhisattvas preenchendo aquelas terras e pregando a Lei para as multidões. Assim foi também na direção sul, oeste, norte, nas quatro direções intermediárias, bem como acima e abaixo, em toda a parte onde a luz do tufo de cabelos brancos resplandeceu.

Naquela ocasião todos os Budas das dez direções dirigiram-se aos seus séqüitos de Bodhisattvas, dizendo: “Bons homens! Devemos agora ir ao mundo Saha, para o lugar onde está o Buda Shakyamuni e fazer oferecimentos à Torre do Tathagata Muitos Tesouros”.

Então o mundo Saha foi transformado numa terra de pureza, tendo lápis-lazúli como solo e adornado com árvores de jóias. Seus oito caminhos foram demarcados com cordas de ouro. Nele não mais havia cidades, vilas, oceanos, rios, córregos, montanhas, talvegues, florestas ou matas. Preciosos incensos eram queimados e flores de Mandarava cobriam completamente o chão. Acima dele esvoaçavam mantos de jóias e em estandartes pendiam sinos cravejados de jóias. Somente aqueles na assembléia permaneceram. Todos os demais foram removidos para uma outra região.

Então todos os Budas, cada qual trazendo consigo um grande Bodhisattva como assistente, chegaram ao mundo Saha e assentaram-se sob uma árvore de jóias. Cada árvore de jóias media quinhentas Yojanas na altura e era adornada com galhos, folhas, flores e frutos. Sob cada árvore de jóias estava um trono de leão medindo cinco Yojanas na altura e adornado com grandes jóias. Então, cada um dos Budas sentou-se na postura de lótus, cada qual no seu próprio trono.

Dessa forma, aos poucos, as terras de três milhões de grandes mundos foram preenchidas, quando ainda nem haviam chegado todas as emanações do Buda Shakyamuni de uma única direção.

Então o Buda Shakyamuni, desejando acomodar as suas emanações, em cada uma das oito direções, transformou duzentas miríades de milhões de Nayutas de terras, purificando-as todas. Elas tornaram-se sem infernos, espíritos famintos, animais ou Asuras. Os seres celestiais e humanos foram removidos para outras terras[1]. Todas as terras por ele transformadas tinham o solo de lápis-lazúli e eram adornadas com árvores de jóias tendo quinhentas Yojanas de altura, decoradas com galhos, folhas, flores e frutos. Sob cada árvore encontrava-se um rico trono de leão com cinco Yojanas de altura e decorado com vários tipos de gemas preciosas. Não havia oceanos, rios ou córregos; nem as montanhas Mucilinda ou Mahamucilinda; nem as montanhas do Círculo de Ferro ou do Grande Círculo de Ferro; e nem o Monte Sumeru ou quaisquer outros tipos de montanha. Todas aquelas terras tornaram-se terras do Buda. A rica terra era lisa e plana, inteiramente coberta com dosséis bordados de jóias e estandartes pingentes. Preciosos incensos eram queimados e preciosas flores celestiais cobriam o chão.

 


[1] O Buda Shakyamuni purificou as terras das 8(oito) direções tornando-as terras Búdicas. Para isso, as transformou, tornando-as livres dos baixos estados, nomeadamente: inferno, fome, animalidade e ira. Livrou-as igualmente dos estados ilusórios ou intermediários, a saber: tranqüilidade (humanidade) e alegria, correspondendo a seres humanos; e erudição (ouvinte) e absorção (pratyekabuda), estes correspondendo aos seres celestiais. Este cap. 11 – O Aparecimento da Torre de Tesouro é, em essência, o início da pregação da Verdadeira Lei, tendo esta sido pronunciada e testemunhada pelo Buda Muitos Tesouros. Por essa razão são purificadas as terras Búdicas das oito direções, pois, o que está para ser pregado é “um ensino para instruir Bodhisattvas”. As emanações do Buda que se encontravam naquelas terras das oito direções, estavam a pregar ensinos provisórios, através dos meios hábeis, para conduzir os seres a este Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa. Os capítulos anteriores a este podem ser vistos como meros expedientes ou meios hábeis também. Agora, o Buda irá revelar a Verdade diretamente para uma assembléia de Bodhisattvas, agora Mahasattvas. Os Budas que são suas emanações, e que vêm dessas terras já purificadas, chegam ao mundo Saha acompanhados apenas de um Grande Bodhisattva, pois, a entrada de um Buda neste mundo pode unicamente acontecer através do Portal do Bodhisattva ou do Grande Veículo. Esse poder de purificar os mundos das oito direções é que fará com que o Buda profetize a iluminação de Devadatta (um ser do estado de inferno) no capítulo seguinte. A compreensão deste poder é que torna a pessoa uma verdadeira devota deste Sutra da Flor de Lótus da Lei Maravilhosa.

Extraído do CAP. 11: O Aparecimento da Torre de Tesouro

O Verdadeiro Aspecto de Todas as Leis

“Chega, Shariputra. Não é necessário falar mais. Por que é assim? Como a insuperável Lei alcançada pelo Buda é a mais rara e difícil de compreender, somente os Budas podem dominar o conhecimento acerca do Verdadeiro Aspecto de todas as Leis[1], isto é: os aspectos da aparência, natureza, entidade (substância), poder, influência (função), causas (inerentes), relações, efeitos (latentes), retribuições (efeitos manifestos), e consistência do princípio ao fim[2]”.


[1] Desta primeira grande admoestação do Buda, denotada até pelo tom de suas palavras, depreende-se que mesmo discípulos como Shariputra, considerado o maior em sabedoria, e sendo assim uma pessoa dos 2(dois) veículos, poderão compreender o que está para ser revelado. Todavia, mais adiante, o Buda o adverte: “Com relação às Leis pregadas pelos Budas, deve-se dar lugar ao grande poder fé”.

[2] Uma interpretação para os aspectos enumerados é: 1. Aparência: É o mais importante dos dez aspectos, através do qual se revelam os demais, e corresponde ao aspecto físico do ser. Em termos do Santai (Três Verdades da Transitoriedade, Não-Substancialidade e Caminho-Médio), corresponde ao aspecto transitório, ou à impermanência de todos os fenômenos; 2. Natureza: espírito ou o aspecto não-substancial incorporado aos seres viventes; 3. Entidade: Caminho-médio, significando a não-dualidade de matéria (corpo) e vacuidade (não-substância), mas a sua unicidade no Ser; 4. Poder: Potencial de transformação que um ser possui, podendo exercê-lo sobre si mesmo e sobre o ambiente no qual vive. Pode ser traduzido como Sujeito (Ti – Buda Shakyamuni) ou sabedoria subjetiva. Esse potencial transforma-se em uma força transformadora através da ação; 5. Influência: A influência pode ser entendida como a resposta do ambiente à presença do Ser, ou a Realidade Objetiva (Kyo – Buda Muitos Tesouros) que sustenta a vida de um Ser. Esses aspectos de Poder e Influência podem ser compreendidos também a partir do princípio Budista da inseparabilidade entre o Ser e o Meio-Ambiente, chamado “Esho-Funi”. 6. Causa Inerente: É o conjunto de causas boas e más que existem inerentemente num Ser vivente. Essas causas diferem entre os seres e podem ou não se manifestar; 7. Relação: Uma causa externa ou circunstância de vida que pode criar as condições para a manifestação de uma Causa Inerente; 8. Efeito Latente: Está associado à Causa Inerente, existindo sempre como um resultado potencial para as causas inerentes da vida de um Ser; 9. Efeito Manifesto: Na presença de uma Relação ou Causa Externa, uma Causa Inerente produz um Efeito Manifesto como um resultado concreto. Esses quatro aspectos podem ser entendidos como a Lei da Causalidade, ou Lei Mística da Causa e Efeito, ou Saddharma-Pundarîka que literalmente significa Lei Maravilhosa do Lótus (causa e efeito simultâneos); 10. Consistência do Princípio ao Fim: Significa que em termos dos mundos das dez direções (dez estados de vida), há uma perfeita consistência entre os nove aspectos da vida de um Ser; isto é, um Ser no estado de Fome apresenta os nove aspectos (aparência, natureza, entidade, etc.) do estado de Fome. Uma outra tradução encontrada para este aspecto é “Não é Diferente”, significando exatamente essa perfeita consistência e integridade. O que temos então? O Ser (o mortal comum) ladeado pelos Budas Shakyamuni e pelo Buda Muitos Tesouros, em meio a todos os seres de todos os mundos das dez direções, iluminados pela Lei Mística da Causa e Efeito. Objetivamente, esta é a realidade do mundo do Buda, ou seja, a Verdadeira Entidade de Todos os Fenômenos em sua integridade. Se existe um objeto para espelhar essa realidade, este objeto deve incorporá-la de forma totalizante e integral. Todavia, essa visão totalizante, integral e simultânea das características sempre manifestas de todos os fenômenos somente os Budas compartilham e o fazem na sua iluminação. De forma conclusiva, ainda que essa realidade pudesse ser descrita em termos da racionalidade humana, e as distinções empregadas com este fim são meramente meios hábeis para descrever essa realidade, ela só pode ser penetrada pelos olhos do Buda.

Extraído de CAP. 02: MEIOS HÁBEIS

%d blogueiros gostam disto: