Sua Janela, Meu Espelho

O Buda olha, pela janela, seu filho. Eu olho, pela mesma janela, a mim. “Da sua janela, o velho freqüentemente vigiava seu filho, relembrando que ele era tolo, mesquinho e comprazia-se em trabalho servil. Então o velho vestiu um robe sujo e surrado, e segurando uma pá de estrume, foi para onde seu filho estava.… Continuar lendo Sua Janela, Meu Espelho

Avalie isto: