O Nascimento de Siddhartha

Bodhitree and the pond Mayadevi (Buddha's moth...

Árvore Bodhi e o lago onde a Rainha Maya banhou-se antes de dar à luz o futuro Budha - Imagem via Wikipedia

Meses passaram. Então, certo dia, a rainha sabia que a hora se aproximava para o nascimento do seu filho. Ela foi ao Rei Suddhodana, e disse-lhe:

“Meu senhor! Gostaria de caminhar feliz pelos jardins. Pássaros estão a cantar nas árvores, e o ar cintila com polens de flores. Gostaria de caminhar feliz pelos jardins.“

“Mas isto a cansará, oh rainha“, respondeu Suddhodana. “Você não tem medo?“

“O ser inocente que carrego em meu útero deve nascer em meio à inocência do desabrochar das flores. Não, eu irei, oh mestre, irei para os jardins em flores.”

O rei atendeu ao desejo de Maya. Ele disse aos seus criados:

“Vá para os jardins e embeleze-os em prata e ouro. Decore as árvores com pingentes preciosos. Tornem tudo magneficente por onde a rainha passará.“

Então, ele dirigiu-se a Maya:

“Arrume-se, hoje, em grande esplendor, oh Maya. Passeie num deslumbrante palanquin; deixe-se carregar pelas suas mais belas acompanhantes. Ordene aos seus serventes para que usem perfumes raros; que adornem-se com colares de pérolas e braceletes de pedras preciosas; que carreguem alaúdes, tambores e flautas; e cantem suaves canções que deleitem os próprios Deuses.“

Rainha Maya rumo a Lumbini

Rainha Maya rumo à Lumbini, onde deu à luz o príncipe Siddharta. Fonte Wikipedia: Click na imagem para ir ao site de origem.

Painel do Lalitavistara, Borobudur, Indonésia

Suddhodana foi obedecido, e quando a rainha chegou aos portões do palácio, os guardas saudaram-na com alegre clamor. Sinos repicaram alegremente, pavões abriram suas esplendorosas caudas, e o canto dos cisnes ecoou no ar.

Eles chegaram a um bosque onde as árvores estavam em floração, em Lumbini, e Maya ordenou-lhes descansar o palanquin. Ela saiu e começou a perambular sem rumo. Estava feliz. E eis! Ela encontrou uma árvore rara, cujos ramos pendiam sob a carga de flores. Ela foi à árvore. Graciosamente estendendo a sua mão, ela tirou um ramo. De repente, ela ficou muito quieta. Sorriu, e as acompanhantes que estavam próximas a ela receberam uma linda criança em seus braços.

Naquele exato momento, tudo o que era vivo no mundo vibrou com alegria. A terra tremeu. Canções e passadas de pés dançantes ecoaram no céu. Árvores de todas as estações explodiram em flores, e frutas maduras pendiam dos galhos. Uma luz pura e serena apareceu no céu. Os doentes libertaram-se do seu sofrimento. Os famintos foram satisfeitos. Aqueles a quem o vinho embriagara tornaram-se sóbrios. Loucos recuperaram a razão, os fracos a sua força, os pobres a sua riqueza. Prisões abriram seus portões. Os ímpios purificaram-se de todos os males.

Uma das acompanhantes de Maya apressou-se ao Rei Suddhodana e exclamou alegremente:

“Meu senhor, meu senhor! Seu filho nasceu, um filho que trará grande glória para sua casa!“

Ele ficou sem palavras. Mas sua face estava radiante de alegria, e sentia grande felicidade.

Imediatamente ele conclamou todos os Shakyas, e ordenou-lhes acompanhá-lo ao jardim onde a criança havia nascido. Eles obedeceram-lhe e, com uma multidão de brâmanes em acompanhamento, formaram uma nobre comitiva que solenemente seguiu o rei.

Quando se aproximou da criança, o rei fez profunda reverância, e disse:

“Curvem-se como eu me curvo diante do Príncipe, a quem darei o nome de Siddhartha.“

Todos se curvaram, e os brâmanes, inspirados pelos Deuses, então cantaram:

“Todas as criaturas estão felizes,

e os caminhos percorridos pelos homens não serão mais acidentados,

pois é nascido,

aquele que concede a felicidade:

ele trará a felicidade para o mundo.

Na escuridão, uma grande luz resplandeceu,

o sol e a lua são como brasas,

pois é nascido,

aquele que concede a luz:

ele trará luz para o mundo.

O cego vê, o surdo ouve,

os tolos recuperam a sua razão,

pois é nascido,

aquele que restaura a visão, que restaura a audição, e restaura a mente:

ele trará visão, ele trará audição, ele trará razão para o mundo.

Zéfiros (brisa – ventos do ocidente) perfumados

aliviam o sofrimento da humanidade,

pois é nascido,

aquele que cura:

ele trará saúde para o mundo.

As chamas não são mais impiedosas,

as correntezas dos rios acalmaram,

a terra tremeu suavemente:

ele será o único a ver a verdade.“

A vida do Buda, tr. para o francês por A. Ferdinand Herold [1922], tr. para o inglês por Paul C. Blum [1927], rev. por Bruno Hare [2007], tr. para português brasileiro por Marcos U. C. Camargo [2011].

Fonte: Sacred-Texts em http://www.sacred-texts.com/bud/lob/index.htm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: