O Profundo Significado de Salvar os Seres

Da prática para si à prática para os outros – a essência do Mahayana.

“Se uma pessoa diz: ‘O Tathagata concedeu explanações para cada sutra e vinaya, tão numerosas quanto às areias do Rio Ganges, mas o nosso vinaya não contém quaisquer delas. Não há nada sobre elas. Se existem [tais explanações], como é que o Tathagata não as expôs no meu vinaya? Sendo assim, eu não posso acreditar nelas’. Se uma pessoa fala assim, saiba que essa pessoa está cometendo um pecado. Uma pessoa ainda pode dizer: ‘Esses sutras e vinayas [do Hynayana] eu defenderei bem. Por quê? Porque eles são a razão da boa doutrina, do ser satisfeito, do pouco desejo, da eliminação das ilusões, e assim obtemos Sabedoria e Nirvana‘. Qualquer pessoa que diga isso não é meu discípulo. Se uma pessoa diz: ‘O Tathagata deu-nos os sutras (Mahayana) Vaipulya com a finalidade de salvar os seres’, essa pessoa é meu verdadeiro discípulo. Qualquer pessoa que não aceite os sutras Vaipulya não é meu discípulo. Essa pessoa não é aquela que se tornou um sacerdote em razão dos ensinamentos Budistas. Tal pessoa é mal-intencionada, ímpia, e nada mais é que um discípulo de thirtikas. Esses sutras e vinayas (do Vaipulya), conforme mencionado acima, são aquilo que o Buda concedeu. Se não fosse assim, eles nada mais seriam do que aquilo que Mara diz. Qualquer pessoa que siga aquilo que Mara diz é um aparentado de Mara; qualquer um que siga o que o Buda diz é um Bodhisattva.”

Excerto do Sutra do Nirvana, CAP. 09: Sobre o Errado e o Certo.

%d blogueiros gostam disto: